Categoria: Carreira

7 Dicas para contratar seu advogado de família

Hoje queremos falar sobre quais elementos são importantes na hora de contratar um advogado de família. Já escrevemos artigos semelhantes sobre advogados criminais e trabalhistas. E por parecerem úteis, vamos reunir algumas dicas para escolher o melhor advogado de familia.

Esses profissionais são civis que se especializaram na esfera familiar. Com sua experiência, eles podem ajudá-lo em vários tipos de assuntos, como:

  • Casamento e uniões de fato.
  • Separações e divórcios.
  • Filiação, autoridade parental e custódia de menores.
  • Pensão alimentícia e pensões compensatórias.
  • Regimes econômicos matrimoniais.
  • Heranças e sucessões.

O que cada um desses problemas tem em comum? Embora sua regulamentação legal seja muito diversa, acreditamos que eles têm algo em comum: a sensibilidade associada a cada uma dessas reivindicações .

Particularidades do Direito da Família

Assim, o direito da família é o ramo jurídico com maior carga emocional. Quando fazemos uma reclamação, queremos que seja feita justiça, e se exigimos na ordem social, queremos restaurar nossos direitos o mais rápido possível.

Mas as reivindicações na ordem familiar tocam nossa esfera pessoal. Na verdade, em muitas ocasiões, até mesmo ter sucesso com eles é agridoce.

Portanto, o advogado de família não deve ser apenas um advogado absolutamente competente. Você também deve ser um profissional sensível .

Esta dupla necessidade torna difícil encontrar um bom advogado especializado em direito da família. e isso porque:

  • O advogado de família deve ser um bom conhecedor do direito civil . Mas, em geral, você também precisa conhecer outros ramos do direito . Por exemplo, se uma empresa familiar está envolvida no assunto, será sempre útil que você tenha conhecimento de direito comercial . Em muitos casos, há elementos de estrangeiros que exigem o domínio do direito internacional. Elementos tributários também estão freqüentemente envolvidos, por exemplo, quando herdam, se divorciam ou se casam. Em suma, um bom advogado de família é um profissional jurídico com conhecimentos transversais.
  • Em relação ao elemento de sensibilidade, é mais importante do que parece. Por exemplo, os negócios de herança costumam ser momentos muito tensos para a família. Mesmo quando o falecido deixa uma boa vontade e nomeia executores, muitas vezes surgem brigas de família. Você provavelmente deseja que seus direitos de herança sejam respeitados, mas não a qualquer custo. Um bom advogado de família poderá dar a cada pessoa o tratamento de que necessita, reduzindo a tensão e evitando confrontos. O mesmo ocorre nos processos de separação e divórcio , onde a pressão interna pode levar os cônjuges a usarem elementos como guarda ou aposentadoria como arma contra o ex-companheiro.

Veja também – 5 dicas para escolher um bom advogado

7 Dicas para Contratar um Advogado de Família

Aqui estão algumas recomendações que podem ajudá-lo a escolher o profissional certo. Esperamos que eles sejam úteis para você na escolha do advogado de família que melhor se adapte às necessidades de sua situação atual.

1. Especialização e Experiência

Como sempre, recomendamos a contratação de um advogado especializado no assunto quando for necessário defender casos complexos. O ambiente familiar, entretanto, é bastante apropriado para advogados generalistas. Ao escolher entre um ou outro, nossa recomendação seria:

  • Opte por um advogado especializado se precisar ir ao tribunal . A experiência dele em litígios semelhantes aumentará suas chances de sucesso.
  • Escolha um advogado generalista se você pretende desenvolver um relacionamento de longo prazo . Ao conhecer a sua situação pessoal e familiar, o seu advogado passará a ser um profissional de referência que poderá ajudá-lo sempre que surgir uma questão jurídica.

2. Empatia é Crucial

Como já assinalamos, a empatia é uma virtude no campo do Direito da Família. A especialização exigida pela profissão de advogado, bem como o seu alto nível técnico, por vezes, fazem com que os advogados sejam distantes e calculistas.

Esta capacidade de abstração que pode ajudá-lo em questões criminais ou comerciais, não o fará em questões familiares. Para tanto, você precisará de um advogado capaz de entender suas necessidades e também seus sentimentos , bem como dos demais envolvidos.

3. Habilidades Comunicativas

No ambiente familiar, desde que procurem evitar tensões, a habilidade de comunicação será essencial. O seu advogado de família deve poder negociar com solvência, mas também evitar mal-entendidos e facilitar a troca de opiniões.

É importante que um advogado de família não seja apenas confiável, mas também pareça confiável. Sinceridade e realismo ajudarão todas as partes envolvidas a levar em consideração as estratégias e propostas de seu advogado.

4. Orçamento não é tudo

Embora o orçamento seja normalmente um dos elementos determinantes na escolha do nosso advogado, a verdade é que não deve ser o mais importante. Assuntos familiares exigem muita dedicação. E a única maneira de garantir que o seu advogado estará 100% comprometido com o seu caso é reembolsar o compromisso de forma adequada.

Lembre-se de que um bom advogado de família não só será capaz de defender seus direitos e interesses, mas também evitará conflitos entre as partes envolvidas. Então esse é um dos campos onde é mais interessante esticar o orçamento em troca da contratação do advogado certo.

Se quiser evitar surpresas com seu orçamento, solicite uma ficha de serviço antes de contratar seu advogado. Nele, devem ser registrados a natureza da matéria a ser defendida e o tipo de ações que seu advogado irá empreender.

5. Importância da Confiança

Em questões familiares, é de vital importância que confie no seu advogado. Lembre-se de que você deve fornecer a ele todas as informações de que ele precisa para defender seus interesses. Às vezes, isso inclui histórias com as quais nos sentimos confortáveis ​​ou preferimos guardar para nós mesmos.

Ocultar informações do seu advogado é um erro grave. Lembre-se de que os advogados de família não são menos técnicos a respeito da lei. São profissionais empáticos, que além de conhecerem o ordenamento jurídico devem entender suas verdadeiras necessidades. E isso só é possível se eles tiverem todas as informações relacionadas ao assunto.

Se perder a confiança no seu advogado, é melhor procurar outro profissional para defendê-lo. Não tenha pressa em pedir uma segunda opinião quando não tiver certeza se seu advogado está trabalhando corretamente.

6. Acompanhamento do Assunto

Seu advogado de família cuidará de toda a parte técnica do assunto que você colocar em suas mãos. No entanto, é importante que você saiba em que situação seu caso se encontra o tempo todo.

Portanto, um dos elementos mais importantes na escolha de um bom advogado é que ele permite que você monitore constantemente o assunto. A comunicação permanente com o seu defensor é fundamental para estreitar a relação de confiança e garantir o conhecimento do andamento do caso.

7. Preferência por Resolução Extrajudicial

Os canais de reclamação são um assunto muito pessoal. Há os que evitam a todo o custo chegar à via judicial e os que se lançam com clara vontade vingativa. Seja qual for a sua preferência, recomendamos que o seu advogado prefira sair do tribunal .

É verdade que às vezes não há outra opção a não ser ir ao tribunal. Também é verdade que muitos advogados veem esse caminho como uma opção muito mais lucrativa. No entanto, no ambiente familiar é possível chegar a acordos antes de entrar em um tribunal.

Lembre-se de que, no momento em que você entrar com a ação, o juiz ficará encarregado de ditar o destino de sua causa. Isso significa que, na melhor das hipóteses, uma das partes ficará privada do reconhecimento de seus interesses pela autoridade judiciária. 

Na pior das hipóteses, nem mesmo o vencedor terá seus direitos e interesses plenamente reconhecidos. Portanto, a via extrajudicial é mais que recomendada no ambiente familiar. Ele vai liberar tensões, cuidar das relações familiares e, com toda a probabilidade, oferecer soluções melhores do que um juiz pode dar. O fato de seu advogado estar apostando em acordos ao invés de conflitos será uma boa indicação de sua disposição em resolver o seu caso.

O que você faz e como se torna um consultor ambiental?

O que você faz e como se tornar um consultor ambiental. A figura profissional do consultor ambiental é cada vez mais comum no mundo dos negócios. Entre os novos empregos verdes, ele é uma das figuras mais interessantes. Vamos descobrir neste artigo o que exatamente ele faz e como se tornar um.

2020 seria o ano em que os funcionários nos chamados empregos verdes teriam que crescer impulsionados pela força motriz da economia verde. Na verdade, parecia que a sensibilidade às questões ambientais não seria relegada apenas ao debate político. Na verdade, até o mundo dos negócios começou a entender como a sustentabilidade ambiental não era apenas um problema aleatório, mas tinha resultados práticos.

De empresas fósseis. Para as pequenas empresas, desde aquelas que oferecem serviços web a firmas de contabilidade , a gestão sustentável de recursos materiais e energia, combinada com o potencial do marketing verde pode produzir benefícios econômicos tangíveis.

O que são empregos verdes

É claro que o lançamento de novas soluções industriais e de gestão mais sustentáveis ​​exige um profissionalismo capaz, com suas habilidades, de orientar os stakeholders na implementação.
O termo empregos verdes surgiu na última década como um conceito que se refere a todas as profissões que tratam de aspectos relacionados à sustentabilidade com especial importância. Essas não são necessariamente novas profissões nascidas do progresso da sociedade. Mas também de profissões já existentes desenvolvidas de uma nova maneira. Colocar os aspectos da sustentabilidade em um papel central no planejamento das ações a serem realizadas.

Nesse sentido, a definição de empregos verdes do PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), órgão das Nações Unidas que trabalha contra as mudanças climáticas e a favor da proteção do meio ambiente e do uso sustentável dos recursos naturais. De acordo com o PNUMA, “empregos verdes são definidos como aquelas ocupações na agricultura, manufatura, pesquisa e desenvolvimento, administração e serviços que contribuem significativamente para preservar ou restaurar a qualidade ambiental”.

Entre essas novas profissões está a de consultor ambiental, da qual tentaremos traçar um perfil.

O que o consultor ambiental faz

O consultor ambiental é um técnico com competências específicas em questões ambientais que exerce atividades de gestão nos aspetos da proteção ambiental relacionados com um contexto económico específico.
O trabalho do consultor ambiental pode abordar vários aspectos. Depende então dos casos, em que aspectos individuais ou múltiplos o profissional vai querer focar a sua formação e actividade. 

Como o termo consultor também sugere, ele assessora e auxilia seu cliente na realização de atos, práticas ou projetos. Tudo isso fornecendo informações e opiniões ou implementando soluções por meio de suas próprias competências.

Como veremos, pode operar em um contexto multidisciplinar. Você também pode fazer isso como freelancer ou como funcionário.

Técnico de gestão de resíduos

No que diz respeito à gestão de resíduos, a consultoria ambiental assume a função do denominado Gestor de Resíduos. Valor que entre as suas principais atividades inclui a análise, acompanhamento e otimização dos custos de eliminação dos resíduos especiais da empresa.

Para além dos procedimentos e metodologias que visam a gestão de todo o processo de eliminação, trata também da gestão da documentação a produzir de forma a cumprir a legislação em vigor. Os consultores ambientais também podem realizar atividades de verificação, verificando se os procedimentos já estabelecidos dentro de uma empresa são realizados de forma compatível e, se necessário, implementar projetos para solucionar as não conformidades.
Em uma próxima etapa, o consultor ambiental pode se tornar um gerente técnico de gerenciamento de resíduos. Para fazer isso, no entanto, você deve ser aprovado em um exame na Câmara de Comércio baseado na categoria de gerenciamento de resíduos em que deseja trabalhar.

Auditor de sistemas de gestão ambiental

O consultor ambiental pode exercer a atividade de auditor dentro de uma empresa no que diz respeito ao sistema de gestão ambiental. É uma ferramenta voluntária aplicável a qualquer organização que busca a melhoria contínua de seu desempenho ambiental por meio do desenvolvimento e implementação de uma política ambiental interna.

Gerente de Risco Ambiental

Outra atividade que a figura da consultoria pode integrar é a do Gerente de Risco Ambiental. É o profissional que analisa e identifica as possíveis fragilidades ou falhas e os riscos a que a empresa pode estar exposta em termos de ambiente e segurança no trabalho, garantindo o cumprimento da Regulamentação. Além do conhecimento técnico-científico, é necessário conhecer perfeitamente todas as legislações do setor por meio de treinamentos contínuos.

Especialista em contabilidade verde

É uma espécie de contador verde. A vontade do governo de promover a conversão verde da economia, do ponto de vista legislativo, se materializou por meio da criação de incentivos fiscais. Nesse caso, o consultor ambiental deve conhecer todos os chamados títulos ecológicos e todos os incentivos e regras que permitem às empresas obtê-los. A segunda etapa será ajudar a organização a obter essas ferramentas.

Especialista em Direito Ambiental

O direito ambiental, ou seja, todas as leis estabelecidas para garantir a qualidade e a saúde do meio ambiente, é um ramo do direito em constante evolução. A jurisprudência referente à sustentabilidade ambiental é caracterizada por um número crescente de regulamentações, entre outras coisas em contínua renovação. O panorama tornou-se tão extenso e tão complexo de interpretar que é difícil aplicar corretamente o Regulamento.

Essa dificuldade é percebida na maioria das empresas, cujas atividades não podem ser desvinculadas de uma correta interpretação da legislação ambiental. É neste ponto que intervém a figura do Advogado Ambiental, de nascimento bastante recente. Ele é um especialista em direito ambiental que conhece perfeitamente a regulamentação do setor e assessora para atuar em total conformidade com a regulamentação.

Como se tornar um consultor ambiental

Não existe um caminho único para a obtenção do diploma e o início do exercício da profissão. No entanto, um título preferido é, sem dúvida, o de engenheiro ambiental. Na verdade, no grau relativo existem muitos exames que abordam os tópicos discutidos acima. Outra figura é a do químico. Muitas das tarefas do consultor ambiental são realmente facilitadas se os materiais e métodos de análise forem conhecidos.

Biologia e ciências naturais também são compatíveis com uma carreira na economia verde. A jurisdição em caso de rejeição da legislação ambiental pode ser muito útil para fornecer aconselhamento jurídico nesta área. As qualificações em economia e gestão podem ser tão úteis neste campo quanto em muitas outras profissões hoje.

As habilidades exigidas de um consultor ambiental conforme mencionado requerem uma certa multidisciplinaridade. Talvez no futuro haja cursos universitários mais específicos e o que hoje se entende como multidisciplinar, um dia será visto como algo vertical. No entanto, um título não é essencial.

Dado que ainda não existe uma qualificação ad hoc, o caminho para a profissão está aberto e intimamente ligado à formação contínua, personalizada de acordo com as aspirações de cada um. Talvez tentando interceptar as demandas do mercado. Vários cursos de formação profissional e mestrados têm sido criados com o objetivo de transmitir competências que permitam o desenvolvimento desta nova profissão. Aqui está o que você precisa saber sobre o que ele faz e como se tornar um consultor ambiental.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Como ser um advogado empresarial: requisitos e conselhos

A especialização em qualquer um dos ramos do Direito é fundamental para que o advogado ou futuro advogado ofereça aos seus clientes um atendimento diferenciado. Se quer saber como ser um advogado empresarial, detalhamos os segredos para o desenvolvimento da sua carreira nesta especialidade.

As funções do advogado empresarial

O  procurador recluso é um advogado experiente com vocação generalista capaz de resolver e aconselhar uma empresa nas diversas questões com que se confronta no ambiente competitivo e em constante mudança, que vão desde contratos comerciais, direito societário, direito falimentar, civil e criminal responsabilidade ou conformidade criminal.

Confira também – 5 dicas para escolher um bom advogado

Especialização em Direito Empresarial

Para ser advogado empresarial, o primeiro passo é cursar Direito. É a carreira que dá acesso ao mestrado em Consultoria de Negócios (embora possa ser acessado excepcionalmente em outros cursos) que proporciona as competências, habilidades e conhecimentos necessários.

Durante a Licenciatura em Direito, os futuros advogados ira abordar diferentes aspectos da esfera jurídica que afeta uma empresa em áreas como o Direito Comercial, Fiscal ou Penal. O conjunto normativo que diz respeito às empresas é muito amplo e abarca diferentes áreas da sua atividade, pelo ser importante para o profissional que pretende exercer a advocacia empresarial aprofundar-se nestes ramos específicos através de alguns dos cursos de especialização e pós-graduação.

Atualmente, as universidades oferecem um catálogo variado de especializações que permitem ao estudante de Direito ou advogado em exercício se aprofundar no Direito Empresarial, como Assessoria Jurídica Empresarial, Direito Penal Econômico ou Comércio Internacional.

Como ser um bom advogado empresarial

Quanto às qualidades e ferramentas que farão do profissional um bom advogado empresarial, como nas demais especialidades, a motivação e a capacidade de negociação serão essenciais para a resolução dos processos e o sucesso da relação com os clientes. 

Além disso, será necessário um elevado nível de responsabilidade, capacidade de análise e argumentação, bem como capacidade de persuasão e negociação aliada à visão estratégica, visto que um bom advogado é aquele que, além de resolver os conflitos que surgem o cliente consegue evitá-los.

Para exercer a advocacia empresarial é necessário valorizar qualidades e ferramentas que farão sobressair o seu trabalho: desde a capacidade e agilidade na tomada de decisões, à discrição e paciência para lidar com questões problemáticas num ambiente de pressão e ‘stress’ diário. 

Também exigirá ser metódico e ordenado com toda a documentação escrita e manuseada para cada cliente, pois em alguns casos serão informações confidenciais. Em alguns casos, essas qualidades e ferramentas surgem naturalmente, mas nunca é demais trabalhar nelas e aprimorá-las para garantir um melhor desempenho no trabalho.

O que é monitoramento ambiental

Nos últimos anos , monitoramento ambiental ou monitorização ganhou grande importância no campo científico. Tornou-se uma ferramenta útil para avaliar o estado dos recursos naturais, avaliar situações específicas e apoiar estratégias de gestão na tomada de decisões. Desta forma, os programas de monitoramento ambiental podem ter múltiplas finalidades, tantas quantas situações ou problemas diferentes existam.

O monitoramento está presente em nossas vidas, pois monitoramos ou rastreamos diariamente o clima, valores de mercado ou estatísticas de consumo, entre outros assuntos. Apesar das críticas que recebe no campo científico, neste artigo você descobrirá o que é o monitoramento ambiental e sua importância para a pesquisa e a formulação de políticas em um contexto de sustentabilidade. Após a leitura dessas linhas, você poderá responder a perguntas como: para que serve o monitoramento ambiental e por que é importante monitorar o meio ambiente? E como é feito o monitoramento ambiental?

Veja também – 5 dicas e conselhos para ser uma empresa sustentável

O que é monitoramento ambiental e suas características

Segundo Sors (1987), o monitoramento ambiental pode ser definido como:

“Um sistema contínuo de observação de medições e avaliações para fins definidos; uma ferramenta importante no processo de avaliação de impacto ambiental e em qualquer programa de monitoramento e controle.”

Ou seja, pode-se dizer que o monitoramento consiste na medição de variáveis ​​de natureza física, química e / ou biológica , durante um determinado período de tempo, a fim de ampliar o conhecimento sobre as mudanças ou impactos que ocorrem no meio ambiente. Portanto, o monitoramento ambiental é um instrumento fundamental para a gestão ambiental , pois contribui para o aprimoramento do planejamento e da tomada de decisões. Recomendamos que você leia este outro post sobre O que é gestão ambiental .

Algumas das características do monitoramento ambiental são apresentadas a seguir:

  • O uso de indicadores de estudo é fundamental para a obtenção de dados.
  • Permite determinar se um evento é incomum ou extremo.
  • Permite o desenvolvimento de experiências que contribuem para a investigação e esclarecimento de pressões, impactos e outras questões ambientais.
  • É principalmente retrospectivo; ou seja, ele coleta e armazena dados uma vez que o evento ou fenômeno em estudo já ocorreu.
  • Pode ser usado de forma preditiva, preventiva ou regulatória.
  • O monitoramento em grande escala envolve a medição combinada de vários parâmetros espaciais e temporais
  • Sua abordagem deve ser transversal e multidisciplinar.
  • Um componente importante são as pesquisas estatísticas.
  • Seu custo é baixo em relação ao valor dos recursos.
  • O sensoriamento remoto é uma ferramenta de suporte de monitoramento cada vez mais usada.

Como funciona o monitoramento ambiental

Em primeiro lugar, o desenho do monitoramento ambiental apresenta as seguintes etapas:

  1. Obtenção de informações.
  2. Identificação das principais ameaças.
  3. Elaboração de anteprojeto ou proposta de desenho de monitoramento.
  4. Estudo de viabilidade social, econômica e ambiental da referida proposta.
  5. Validação do mesmo através da integração do conhecimento científico, com o conhecimento técnico e local.

Uma vez desenhado, o monitoramento consiste em detectar a presença e medir a concentração de poluentes no meio ambiente (ou estado de poluição ambiental ) e outras variáveis, a fim de determinar o estado de conservação dos recursos naturais.

É importante ressaltar que se utiliza de três técnicas diagnósticas , complementares entre si. Estes são:

  • Monitoramento de efeitos biológicos com estudos de laboratório: testes ecotoxicológicos.
  • Monitoramento de campo biológico: biomarcadores, espécies indicadoras, índices de comunidade, etc.
  • Medição de parâmetros químicos: análise de contaminação do solo (condutividade elétrica, pH, arsênio …), contaminação da água (sólidos em suspensão, nitratos, fosfatos …), poluição do ar (ou estimativa da qualidade do ar ), conteúdo de poluentes em organismos. .

Apesar dos que criticam o monitoramento por não considerá-lo algo totalmente científico e confiável, já que sob sua tese é muito difícil saber como as coisas podem acontecer em um futuro um tanto distante, é verdade que ele vem apresentando cada vez mais aceitação social e científica. 

Para que o monitoramento ambiental seja bem-sucedido, questões claras devem ser abordadas e métodos robustos e validados usados ​​para obter dados de qualidade. É significativo integrar o monitoramento aos programas de pesquisa para obter continuamente um conhecimento mais complexo e completo sobre a evolução do objeto de estudo.

Objetivos do monitoramento ambiental

Coletando o que foi exposto até o momento, os sistemas de monitoramento ambiental permitem estudar as mudanças que ocorrem lentamente nos ecossistemas. Entre os objetivos do monitoramento ambiental estão:

  • Saiba mais exatamente como funcionam e como reagem a certas perturbações.
  • Utilizar todas essas informações como um guia de orientação no desenvolvimento de medidas e na implementação de ações eficazes e sustentáveis.

Em última análise, devido à incerteza associada à evolução dos sistemas naturais e antrópicos, somada à crise climática emergencial que enfrentamos, programas de acompanhamento são estabelecidos para garantir o cumprimento dos planos, programas, projetos e regulamentos, bem como para reduzir o impacto e reforçar o compromisso ambiental.

Escritório de advocacia: atendimento jurídico a serviço

O que é um escritório de advocacia?

Em primeiro lugar, confirmamos que se trata de uma forma de exercício profissional assente na prestação de serviços jurídicos. Por outro lado, esses serviços podem ser prestados em espaços físicos e até online. Anteriormente, os escritórios de advocacia sempre eram associados a escritórios físicos.

E não vamos negar que ter espaço próprio é uma facilidade a ter em conta. Mas hoje é normal que muitos atendimentos legais sejam prestados pela Internet. Além disso, os advogados geralmente não têm problemas em fazer certas viagens de trabalho. Na verdade, pode ser útil para verificar os cenários de seu caso ou oferecer conveniência aos seus clientes.

Por outro lado, os  escritórios de advocacia  são compostos por diferentes tipos de componentes. Os sócios são os donos da empresa. Os associados, por sua vez, são advogados que atuam em situações específicas. Eles não são donos do escritório, mas acabam colaborando com ele. Eles geralmente são contatados devido ao seu conhecimento específico de uma área. Finalmente, os juniores têm menos experiência do que os anteriores. São advogados que trabalham em regime de subordinação com os anteriores, assumindo funções auxiliares.

Além disso, quando você vai a uma dessas empresas, pode ter certeza de que é assistido por um advogado registrado. No Brasil é obrigatório estar inscrito na Ordem dos Advogados para exercer a profissão. Desta forma, evita-se a intrusão laboral e garante-se a qualidade do serviço. Além disso, todos os advogados registrados podem exercer no resto do país. É uma possibilidade interessante, especialmente para casos que não se limitam a um território específico.

Como funciona e se organiza um escritório de advocacia?

Em termos gerais, um escritório de advocacia é caracterizado pelo trabalho em equipe. Nela coexistem vários perfis profissionais. Alguns estão presentes e outros auxiliam em casos específicos. Portanto, o cliente se beneficiará da colaboração desses técnicos em seus casos.

Esses clientes podem vir basicamente por dois motivos. Por um lado, quando têm um problema jurídico. Por outro lado, quando necessitam de aconselhamento jurídico antes de tomar uma decisão relevante. Uma decisão, como a execução de um contrato.

Os membros do escritório, por sua vez, são especializados em assuntos específicos de direito. Eles emprestam sua experiência especialmente em: Cível, Administrativo, Societário, Propriedade Intelectual, Trabalhista, Tributário, Criminal e Comercial. Multi e interdisciplinaridade, conseqüentemente, são as normas em um escritório de advocacia.

Portanto, mesmo que um determinado advogado trate de um caso, ele receberá assistência dos demais. Haverá quem administrará as chaves do caso. Mas ele receberá feedback constante de seus colegas. Lembre-se de que eles podem precisar de ajuda em alguns assuntos especializados. Portanto, os serviços que o cliente recebe serão beneficiados por essas várias contribuições. Essa cooperação também aumentará a riqueza da abordagem do caso. Os advogados de uma firma, além do advogado habitual, oferecem-lhe diferentes funções. Eles também podem ajudá-lo como consultores, planejadores, analistas, defensores e pesquisadores.

Por outro lado, a seguir apresentaremos as principais contribuições que eles podem dar. Anote:

  • Reúna informações sobre os casos de que tratam.
  • Estudo e análise das leis que podem ser aplicadas aos seus casos.
  • Colete dados sobre jurisprudência que devam ser conhecidos ou possam ser úteis.
  • Defenda as posições do cliente no tribunal.
  • Revisar e redigir os vários documentos legais e outros, como contratos.
  • Representar clientes em processos e audiências.
  • Explicar aos clientes de forma razoável, clara e precisa os conceitos jurídicos que para eles são complexos.
  • Cuidar para que os trâmites de seus casos sejam realizados em tempo hábil.

Tipos de escritórios de advocacia

Quanto aos tipos de escritórios de advocacia, destacamos dois. O indivíduo é aquele que tem um único praticante. O grupo, por sua vez, é composto por diversos advogados. Eles compartilham a propriedade do cargo e exercem em conjunto. Em geral, eles costumam administrar despesas e benefícios com base em um sistema de ações.

Além disso, devemos destacar que existem escritórios de advocacia que tendem a se especializar em alguns assuntos jurídicos. Por exemplo, em Criminal, Labor or Marriage. Esse tipo de escritório vai focar em uma área jurídica específica. Essa orientação geralmente se deve ao treinamento de seus integrantes ou da carteira de clientes que possui.

Diferença entre escritório de advocacia e escritório de advocacia

A principal diferença entre um escritório de advocacia e um escritório de advocacia é o seu volume. Um escritório de advocacia é estruturado como uma única unidade de trabalho. Uma empresa com um espaço de trabalho comum, subscrito por todos os seus membros.

No entanto, um escritório de advocacia pressupõe uma organização maior e descentralizada. Possui uma estrutura central a partir da qual são geradas subestruturas. Subestruturas ou escritórios que seguem mais ou menos os mesmos padrões organizacionais de sua matriz.

Um escritório receberá todos os seus clientes na mesma organização. Mas uma empresa pode atendê-los em qualquer uma de suas filiais. Pode até estar presente em diferentes territórios (alguns deles internacionais). Além disso, tem a possibilidade de destinar recursos a áreas específicas. Nestes casos, oferecerá as chamadas boutiques Law.

Enquanto um escritório de advocacia oferece maior proximidade, o escritório oferece uma diversidade de recursos.

Em suma, um escritório de advocacia torna mais fácil para você resolver seus problemas jurídicos e fornece aconselhamento jurídico para a tomada de decisões racionais.

Como abrir um escritório de advocacia?

Muitos advogados decidem abrir o seu próprio negócio, seja por necessidade ou porque querem ser seus próprios patrões. Portanto, abrir um escritório de advocacia não é uma tarefa fácil. Portanto, como primeiro passo, você deve avaliar os prós e os contras dessa ideia.

Como uma segunda etapa, escolha sua ideia de negócio. Para fazer isso, você deve realizar uma análise SWOT que permitirá que você avalie seus pontos fortes e fracos. Posteriormente, você pode estabelecer diretrizes para aprimorar o primeiro e minimizar o último.

A terceira etapa é desenvolver um plano de negócios e, por consequência, um plano econômico-financeiro para quantificar o investimento inicial necessário. Você deve levar em consideração a constituição da empresa, registrá-la na Ordem dos Advogados e no local ou escritório que irá alugar ou adquirir. Você também deve escolher a forma jurídica, que irá gerar diferentes obrigações fiscais, contábeis e trabalhistas.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

As empresas de consultoria ambiental estão em ascensão: um relatório de 2020

Um novo estudo em 2020 descobriu que, embora o crescimento no mercado do Reino Unido tenha caído desde o referendo de 2016, as tendências globais que exigem consultoria ambiental em todo o mundo continuarão a florescer negócios no Reino Unido, mesmo depois que ele se retire da UE. 

Um relatório de shows últimos anos th uma t no mercado de consultoria ambiental tinha atingido o seu valor mais alto de sempre em 2017, desfrutando, assim, um crescimento de década spurt.In 2018, o mercado cresceu mais de 6% – cerca de 2% mais de Analista Ambiental havia antecipado anteriormente, o que deixa o setor com valor de £ 1,7 bilhão entrando em 2019.

A pesquisa afirma que a perspectiva de consultoria ambiental do Reino Unido continuará a crescer nos próximos anos. Considerando a previsão de 2019, o Analista Ambiental agora espera que o setor rompa a barreira de £ 2 bilhões em 2021 – um ano antes do previsto.

Os serviços de consultoria ambiental registraram um aumento de 18% ao longo de 2018/19, conforme o governo buscou obter expertise externa para apoiar os preparativos do Brexit, projetos de infraestrutura, estruturas da Agência Ambiental, esquemas de desenvolvimento internacional e autoridades locais com poucos recursos. 

Hoje, algumas das melhores consultorias ambientais , estão trabalhando para ajudar o setor público com poucos recursos do Reino Unido a cumprir suas obrigações ambientais legais e comprometidas.

Veja também – 5 dicas e conselhos para ser uma empresa sustentável

Quem é Consultor Ambiental?

Consultores ambientais são especialistas que fornecem soluções para problemas ambientais para ajudar seus clientes a reduzir o impacto prejudicial de iniciativas industriais, comerciais e governamentais sobre o meio ambiente. Eles trabalham em uma base contratual para clientes do setor público e privado. Alguns podem ser autônomos em seus próprios negócios de consultoria. Eles lidam com questões ambientais, como poluição da água, qualidade do ar e contaminação do solo.

Responsabilidades de um Consultor Ambiental:

Os consultores ambientais têm boas habilidades de resolução de problemas necessárias para investigar os problemas ambientais e desenvolver soluções adequadas. Eles também possuem fortes habilidades analíticas para relatar e interpretar dados científicos, pois suas responsabilidades incluem o tratamento de questões como:

  • Políticas de Gerenciamento de Resíduos do Reino Unido
  • Sistemas de gestão ambiental
  • Contaminação da água e do solo
  • Auditoria Ambiental
  • Avaliação de impacto ambiental
  • Avaliação do ar
  • A gestão de questões legislativas para clientes
  • O desenvolvimento de modelos conceituais (reconhecendo e considerando fontes potenciais de contaminantes)
  • Comunicação contínua com clientes, reguladores e inspetores
  • Identificação de atividades anteriores e qualquer contaminação ao avaliar a propriedade

Os consultores avaliam a atual política ambiental, sistemas de gestão e processos através da medição da contaminação ambiental e auditorias abrangentes, dentro e fora das instalações da organização do cliente.

Um consultor ambiental realiza pesquisas de campo e documentais e entrega relatórios científicos completos e detalhados aos clientes. No entanto, os relatórios são redigidos de uma maneira que pode ser entendida por pessoas não técnicas.

Após a conclusão deste processo de avaliação, os consultores ambientais ajudam os clientes a projetar e implementar sistemas e práticas eficientes para mitigar os danos ambientais atuais e futuros.

Os consultores ambientais garantem que as políticas e procedimentos ambientais revisados ​​estejam em conformidade com as leis e regulamentos ambientais do Reino Unido. Eles são responsáveis ​​por aumentar a consciência organizacional sobre a importância da conservação, sustentabilidade e outras questões relacionadas ao meio ambiente.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Como criar um ambiente de trabalho “feliz”

‘Ambiente de trabalho’ é provavelmente o assunto mais comentado quando se trata de desenvolvimento de funcionários. Mas os cenários atuais de trabalho não parecem se importar muito com o fator de felicidade de seu local de trabalho.

Sentimos que é essencial criar um ambiente de trabalho que seja gratificante e que incentive os funcionários a se relacionarem melhor no trabalho. Isso pode funcionar como mágica quando se trata de expandir seus negócios e torná-los mais lucrativos.

Portanto, neste post, vamos nos aprofundar no que torna um ambiente de trabalho mais feliz e o que os líderes atuais devem fazer para garantir que sua equipe tenha o melhor ambiente de trabalho de todos os tempos.

O que significa felicidade no trabalho?

A felicidade no local de trabalho deve ser definida levando-se em consideração a sensação geral de prazer no trabalho, a capacidade da equipe de lidar com contratempos com elegância, conectando-se com todos de forma amigável e, finalmente, que seu trabalho não importa apenas para você, mas também para a organização.

A felicidade no trabalho pode estar ligada a todos os resultados desejáveis ​​que os empregados, empregador, local de trabalho e toda a organização esperam. Pode-se vincular o sentimento de felicidade a ser saudável e tornar-se mais criativo e eficiente na resolução de problemas; produzindo mais com menos e inovando até o topo da carreira.

Mas, e quando as mesmas pessoas “felizes” no trabalho enfrentam contratempos?

Bem, diante da adversidade, essas pessoas tendem a ver o quadro maior e têm uma baixa inclinação para o estresse. Eles têm melhores habilidades de enfrentamento e podem se recuperar de condições adversas com facilidade. Além disso, a felicidade no trabalho também pode resultar em pessoas cada vez melhores na resolução de conflitos internos e externos.

Além disso, quando você trabalha para tornar seu local de trabalho um lugar feliz, indiretamente está tornando as pessoas mais felizes e agradáveis. Eles se tornarão mais confiáveis ​​e merecedores de funções melhores à medida que desenvolverem qualidades de liderança neles. Agora que vimos o que significa felicidade no trabalho e o que ela traz consigo, é importante saber como lidar com toda essa coisa de ‘felicidade’ sem bagunçar seu local de trabalho.

Como trabalhar em prol da felicidade no trabalho?

Bem, não há uma resposta simples para essa pergunta. Mas, se você estudar diferentes locais de trabalho e tentar igualar os resultados, alguns pilares fundamentais para a felicidade no trabalho emergirão.

Vamos discuti-los, certo?

1. Propósito

Quando você fala sobre os valores essenciais de um funcionário, ‘propósito‘ tende a ser um grande reflexo daquilo a que eles dão mais importância.

Portanto, é importante alinhar seus comportamentos e decisões diárias com seus valores essenciais. Isso geralmente leva a fazer com que as pessoas no trabalho se sintam mais decididas.

2. Engajamento

Em geral, as pessoas gostam de trabalhar quando sentem que estão sendo envolvidas nas decisões da organização.

Para aumentar o engajamento no trabalho, os líderes devem priorizar a diversão, o humor, a criatividade e a diversão no trabalho. Além disso, dar às pessoas mais controle sobre o que farão diariamente, cronogramas, tarefas, desenvolvimento pessoal e muito mais pode melhorar significativamente seu engajamento, pois agora elas sentem que têm controle sobre seu trabalho no local de trabalho.

Por último, é importante que os líderes trabalhem para criar agendas menos agitadas e um espaço de trabalho mais envolvente ao fluxo de trabalho.

3. Resiliência

A felicidade geral no trabalho, como mencionado anteriormente, tem muito a ver com a capacidade das pessoas de enfrentar e aprender com contratempos, fracassos e decepções. Resiliência não significa trabalhar de forma a evitar contratempos e dificuldades. Significa criar melhores maneiras de superar desafios e tornar o local de trabalho um autêntico espírito de luta.

Uma maneira de implementar essas mudanças inovadoras em seu local de trabalho é encorajar as pessoas a se tornarem cada vez mais atentas para superar os hábitos aprendidos de autocrítica ou jogar o jogo da culpa, ou sentir-se desapontado ao pensar nos reveses e contrariedades do passado.

Esses hábitos podem tornar muito difícil para as pessoas trabalharem em equipe. Portanto, é importante inserir a atenção plena no ambiente de trabalho.

4. Bondade

A maioria das pessoas passa quase 40% da vida trabalhando.

Para fazer do local de trabalho sua “segunda casa” no mais verdadeiro sentido, é importante fazer com que as pessoas orientem seus pensamentos e ações no sentido de cuidar de seus colegas.

Ser gentil com todos ao seu redor fará com que seus funcionários desenvolvam dignidade e respeito. Não apenas a gentileza, as pessoas no trabalho devem praticar a empatia, a compaixão e a gratidão para tornar seu ambiente de trabalho e relacionamentos confiáveis.

Isso resultará em mais comprometimento e produtividade por parte dos funcionários e certamente tornará seu local de trabalho um lugar essencialmente mais feliz para se estar.

 

Benefícios de um local de trabalho feliz

Confira abaixo alguns dos benefícios que a felicidade pode trazer para a sua empresa

1. Desenvolvimento de funcionários

Cada ação e decisão tomada pelos líderes em um local de trabalho deve ser voltada para a melhoria e desenvolvimento de seus funcionários e local de trabalho.

Um local de trabalho mais feliz é aquele que está totalmente comprometido com o desenvolvimento das relações entre funcionários e administradores. Não há maneira certa de acertar, a não ser experimentar planos diferentes, fracassando, aprendendo e depois experimentando mais.

2. Flexibilidade e compreensão

A inovação e as novas ideias se desenvolvem em uma organização que oferece aos seus funcionários grande flexibilidade no trabalho.

Os funcionários ficam mais felizes quando seus supervisores lhes dão amplo espaço para cometer erros e fazer experiências com seu trabalho.

Além disso, os funcionários que consideram sua organização muito disposta a correr riscos de permitir que cometam erros, tendem a ter um grande compromisso com as metas e objetivos da empresa.

Aqui está um gráfico que o ajudará a entender o que leva os funcionários a produzir um ótimo trabalho.

Fatores que impulsionam os funcionários           Porcentagem de funcionários

Reconhecimento                                                           37%

Promoção                                                                          4%

Treinamento e desenvolvimento                             6%

Mais pagamento                                                             7%

Autonomia                                                                      12%

Líderes inspiradores                                                     12%

São automotivados e não precisam especificamente de nenhuma mudança dramática                                                                                                                                                                                       13%

Não sei                                                                              3%

Outro                                                                                  6%

3. Evitando o esgotamento do trabalho

Os líderes no trabalho devem trabalhar horas extras para desenvolver ideias e planos que possam ajudar sua equipe a sofrer menos desgaste pelo trabalho.

Não se trata apenas do número de horas que passaram no trabalho, mas também de como se sentem enquanto estão trabalhando. Eles se sentem valorizados quando dedicam tempo e esforço extras para realizar as tarefas?

Se seus funcionários não se sentirem valorizados ou tiverem dúvidas se são importantes para a empresa, eles ficarão ressentidos por gastar cada segundo extra que estiverem trabalhando em seu escritório.

4. Livrando-se de Obstáculos

O trabalho que os funcionários fazem em seu local de trabalho deve ser contínuo e sem obstáculos que atrapalhem seu fluxo e não os ajudem a atingir seu nível de produtividade.

Obstáculos em um ambiente de trabalho certamente resultam em baixa satisfação no trabalho. Os líderes e a gerência não devem esperar por entrevistas de saída para saber o que há de errado na empresa, mas devem agir proativamente para descobrir os problemas que o funcionário enfrenta ao trabalhar em sua organização.

5. Resolução de conflitos

Como todas as outras famílias do planeta, a família do seu escritório também terá conflitos que requerem atenção e reforço positivo.

Os líderes não devem presumir que um local de trabalho feliz é essencialmente um lugar sem conflitos. Os conflitos às vezes são passivos e podem se tornar dominantes em um momento muito inapropriado. Isso deve ser evitado a todo custo.

A única maneira de contornar os conflitos é garantir que a administração trabalhe de maneira construtiva – fazendo com que os funcionários se sintam seguros ao compartilhar os conflitos que vivenciam no trabalho.

6. Trabalho Significativo

Para cultivar um ambiente de trabalho mais feliz, os líderes precisam desenvolver programas que tornem os funcionários mais conscientes no trabalho. Isso pode ajudá-los efetivamente a vincular significado ao seu trabalho – algo que está faltando nas atuais organizações empresariais em todo o mundo.

A relação entre felicidade e significado é profunda e deve ser bem compreendida para que seus funcionários sintam que seu trabalho está proporcionando um grande significado para a organização.

Este sentimento e senso de contribuição leva a uma satisfação no trabalho altamente gratificante.

7. Sendo apreciado

Um estudo feito na Beework, um Coworking em Ribeirão Preto – SP, descobriu que assombrosos 80% dos funcionários sentem que serem apreciados e reconhecidos pelo trabalho que fazem na organização os faz sentir mais satisfeitos e cuidados.

Se os líderes desejam tornar a organização um lugar melhor para se trabalhar, eles precisam definir uma política que garanta que as pessoas que estão contribuindo para a melhoria da organização sejam reconhecidas e recompensadas regularmente.

Gostou do artigo do nosso site? Os funcionários de uma organização precisam saber que sua felicidade na empresa é importante mais do que qualquer outra coisa e você verá sua produtividade disparando.

carreira fotografia

Vale a pena ingressar na carreira de fotografia?

Você acha que vale a pena ingressar na carreira de fotografia? Embora essa seja uma profissão que atraia muitas pessoas pela paixão, existem muitas dúvidas que permeiam essa área e acabam deixando os profissionais indecisos.

Alguns exemplos dessas dúvidas são o salário, a jornada de trabalho e até mesmo o local de atuação. Por não tratar-se de uma profissão “tradicional”, ingressar na área pode, realmente, parecer um pouco assustador.

Então, para ajudar você a tomar essa decisão, preparamos um artigo completo com tudo o que você precisa saber sobre a carreira de fotografia. Dessa forma, você pode se sentir mais confortável ao mudar de profissão.

A primeira coisa que vamos tratar é como você pode dar os primeiros passos em direção ao trabalho dos seus sonhos.

Curso profissionalizante

Assim como em qualquer outra profissão, o fotógrafo também precisa estudar (e muito!). Investir em um curso de fotografia é muito importante para que você entenda como funciona o mercado de trabalho e, ao mesmo tempo, desenvolva o conhecimento técnico para tirar boas fotos.

Além da técnica, você vai conhecer melhor os equipamentos disponíveis, aprenderá a desenvolver o olhar de fotógrafo e descobrirá dicas muito importantes para que você seja bem-sucedido em sua carreira. Portanto, não desmereça o valor de um bom curso.

Felizmente, existem diversas opções dentre as quais você pode escolher. Seja online ou presencial, o importante é contar com bons instrutores para dar um passo em direção ao seu futuro.

Equipamento

Além disso, será preciso investir também no equipamento. E se você pensa que precisa de muito dinheiro para isso, vai ficar feliz em descobrir que não é bem assim.

Claro que os equipamentos para fotografia profissional não são muito baratos. Porém, ao contrário do que muitos acreditam, você não precisa ter a melhor câmera do mercado para começar a trabalhar.

Equipamento/câmera de fotografia

Muito pelo contrário. É possível investir em lentes, câmeras e até mesmo luzes mais baratas para começar a atuar na área. Então, conforme você começa a ganhar dinheiro, pode começar a trocar o seu equipamento por modelos mais caros.

É por isso que o curso é tão importante para saber se vale a pena ingressar na carreira de fotografia. Lá, você vai conhecer diferentes equipamentos e pode escolher a opção que cabe no seu bolso.

Muita prática e referências

Por último, vale lembrar que, para começar a trabalhar como fotógrafo, você vai precisar também praticar muito.

Além disso, buscar referências que funcionem para você e que possam ser incorporadas no seu estilo pessoal também é muito importante.

Pode parecer bobagem, mas esses dois passos podem ser o seu diferencial!

Vale a pena ingressar na carreira de fotógrafo?

Dito isso, vamos responder à pergunta. Afinal, ser fotógrafo realmente vale a pena?

Não há como negar que o trabalho pode ser instável. Você pode contar com meses de muitos projetos, enquanto outros serão mais parados. Porém, tudo depende de como você se mostra e da gama de clientes que conquista ao longo do tempo.

Para que você tenha uma ideia, consideramos o piso salarial de um fotógrafo como cerca de R$1.334,00. Esse pode ser o salário inicial, aumentando conforme você conquista novos clientes.

Além disso, vale a pena mencionar também que a fotografia pode ser uma verdadeira paixão. Então, se você se identifica com essa carreira e gostaria de viver com a renda das fotos que você tira, então não há dúvidas de que essa pode ser a profissão ideal para você.