Escritório de advocacia: atendimento jurídico a serviço

Escritório de advocacia: atendimento jurídico a serviço

O que é um escritório de advocacia?

Em primeiro lugar, confirmamos que se trata de uma forma de exercício profissional assente na prestação de serviços jurídicos. Por outro lado, esses serviços podem ser prestados em espaços físicos e até online. Anteriormente, os escritórios de advocacia sempre eram associados a escritórios físicos.

E não vamos negar que ter espaço próprio é uma facilidade a ter em conta. Mas hoje é normal que muitos atendimentos legais sejam prestados pela Internet. Além disso, os advogados geralmente não têm problemas em fazer certas viagens de trabalho. Na verdade, pode ser útil para verificar os cenários de seu caso ou oferecer conveniência aos seus clientes.

Por outro lado, os  escritórios de advocacia  são compostos por diferentes tipos de componentes. Os sócios são os donos da empresa. Os associados, por sua vez, são advogados que atuam em situações específicas. Eles não são donos do escritório, mas acabam colaborando com ele. Eles geralmente são contatados devido ao seu conhecimento específico de uma área. Finalmente, os juniores têm menos experiência do que os anteriores. São advogados que trabalham em regime de subordinação com os anteriores, assumindo funções auxiliares.

Além disso, quando você vai a uma dessas empresas, pode ter certeza de que é assistido por um advogado registrado. No Brasil é obrigatório estar inscrito na Ordem dos Advogados para exercer a profissão. Desta forma, evita-se a intrusão laboral e garante-se a qualidade do serviço. Além disso, todos os advogados registrados podem exercer no resto do país. É uma possibilidade interessante, especialmente para casos que não se limitam a um território específico.

Como funciona e se organiza um escritório de advocacia?

Em termos gerais, um escritório de advocacia é caracterizado pelo trabalho em equipe. Nela coexistem vários perfis profissionais. Alguns estão presentes e outros auxiliam em casos específicos. Portanto, o cliente se beneficiará da colaboração desses técnicos em seus casos.

Esses clientes podem vir basicamente por dois motivos. Por um lado, quando têm um problema jurídico. Por outro lado, quando necessitam de aconselhamento jurídico antes de tomar uma decisão relevante. Uma decisão, como a execução de um contrato.

Os membros do escritório, por sua vez, são especializados em assuntos específicos de direito. Eles emprestam sua experiência especialmente em: Cível, Administrativo, Societário, Propriedade Intelectual, Trabalhista, Tributário, Criminal e Comercial. Multi e interdisciplinaridade, conseqüentemente, são as normas em um escritório de advocacia.

Portanto, mesmo que um determinado advogado trate de um caso, ele receberá assistência dos demais. Haverá quem administrará as chaves do caso. Mas ele receberá feedback constante de seus colegas. Lembre-se de que eles podem precisar de ajuda em alguns assuntos especializados. Portanto, os serviços que o cliente recebe serão beneficiados por essas várias contribuições. Essa cooperação também aumentará a riqueza da abordagem do caso. Os advogados de uma firma, além do advogado habitual, oferecem-lhe diferentes funções. Eles também podem ajudá-lo como consultores, planejadores, analistas, defensores e pesquisadores.

Por outro lado, a seguir apresentaremos as principais contribuições que eles podem dar. Anote:

  • Reúna informações sobre os casos de que tratam.
  • Estudo e análise das leis que podem ser aplicadas aos seus casos.
  • Colete dados sobre jurisprudência que devam ser conhecidos ou possam ser úteis.
  • Defenda as posições do cliente no tribunal.
  • Revisar e redigir os vários documentos legais e outros, como contratos.
  • Representar clientes em processos e audiências.
  • Explicar aos clientes de forma razoável, clara e precisa os conceitos jurídicos que para eles são complexos.
  • Cuidar para que os trâmites de seus casos sejam realizados em tempo hábil.

Tipos de escritórios de advocacia

Quanto aos tipos de escritórios de advocacia, destacamos dois. O indivíduo é aquele que tem um único praticante. O grupo, por sua vez, é composto por diversos advogados. Eles compartilham a propriedade do cargo e exercem em conjunto. Em geral, eles costumam administrar despesas e benefícios com base em um sistema de ações.

Além disso, devemos destacar que existem escritórios de advocacia que tendem a se especializar em alguns assuntos jurídicos. Por exemplo, em Criminal, Labor or Marriage. Esse tipo de escritório vai focar em uma área jurídica específica. Essa orientação geralmente se deve ao treinamento de seus integrantes ou da carteira de clientes que possui.

Diferença entre escritório de advocacia e escritório de advocacia

A principal diferença entre um escritório de advocacia e um escritório de advocacia é o seu volume. Um escritório de advocacia é estruturado como uma única unidade de trabalho. Uma empresa com um espaço de trabalho comum, subscrito por todos os seus membros.

No entanto, um escritório de advocacia pressupõe uma organização maior e descentralizada. Possui uma estrutura central a partir da qual são geradas subestruturas. Subestruturas ou escritórios que seguem mais ou menos os mesmos padrões organizacionais de sua matriz.

Um escritório receberá todos os seus clientes na mesma organização. Mas uma empresa pode atendê-los em qualquer uma de suas filiais. Pode até estar presente em diferentes territórios (alguns deles internacionais). Além disso, tem a possibilidade de destinar recursos a áreas específicas. Nestes casos, oferecerá as chamadas boutiques Law.

Enquanto um escritório de advocacia oferece maior proximidade, o escritório oferece uma diversidade de recursos.

Em suma, um escritório de advocacia torna mais fácil para você resolver seus problemas jurídicos e fornece aconselhamento jurídico para a tomada de decisões racionais.

Como abrir um escritório de advocacia?

Muitos advogados decidem abrir o seu próprio negócio, seja por necessidade ou porque querem ser seus próprios patrões. Portanto, abrir um escritório de advocacia não é uma tarefa fácil. Portanto, como primeiro passo, você deve avaliar os prós e os contras dessa ideia.

Como uma segunda etapa, escolha sua ideia de negócio. Para fazer isso, você deve realizar uma análise SWOT que permitirá que você avalie seus pontos fortes e fracos. Posteriormente, você pode estabelecer diretrizes para aprimorar o primeiro e minimizar o último.

A terceira etapa é desenvolver um plano de negócios e, por consequência, um plano econômico-financeiro para quantificar o investimento inicial necessário. Você deve levar em consideração a constituição da empresa, registrá-la na Ordem dos Advogados e no local ou escritório que irá alugar ou adquirir. Você também deve escolher a forma jurídica, que irá gerar diferentes obrigações fiscais, contábeis e trabalhistas.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *