Categoria: Finanças

Como evitar dívidas no cartão de crédito

Evitar dívidas é uma das melhores maneiras de se preparar para um futuro financeiro seguro. Muitos consumidores, no entanto, arriscam a liberdade financeira caindo na dívida do cartão de crédito. Se usado corretamente, um cartão de crédito oferece muitas vantagens, como proteger as compras, criar crédito e facilitar a compra de itens caros sem levar dinheiro.

Quando usado indevidamente, no entanto, um cartão de crédito funciona como um empréstimo com juros altos e não como um substituto em dinheiro. Muitos consumidores aprendem que, à medida que a dívida aumenta, torna-se cada vez mais difícil sair da dívida. Baixos pagamentos mensais, geralmente apenas 2 a 3% do saldo, e altas taxas de juros mantêm os consumidores endividados por muitos anos.

como consultar tabela fipe 2018

Saber usar um cartão de crédito é uma parte importante de evitar dívidas. Aqui estão algumas dicas sobre maneiras inadequadas e apropriadas de usar um cartão de crédito.

Evitando a dívida: maneiras de não usar um cartão de crédito

Não cobra o que você não pode pagar. Muitos consumidores cometem o erro de cobrar itens que não podem pagar com dinheiro. Geralmente, você está gastando demais e vivendo além de suas possibilidades se não puder pagar pelo item com dinheiro ou pagar o saldo no final do mês.

Não cobra compras de alimentos. Pagar com dinheiro para mantimentos ou para comer fora pode eliminar os custos de itens que não existem mais quando a conta chega. Pagar juros sobre itens descartáveis ​​é uma gestão imprudente do dinheiro e não é eficaz para evitar dívidas.

Não faça adiantamentos em dinheiro. Fazer um adiantamento em dinheiro resultará em uma taxa de juros mais alta sobre o valor adiantado, as taxas de transação e nenhum período de carência. Sem um período de carência, o acúmulo de juros começa no dia em que o consumidor leva o adiantamento. Mesmo que o saldo seja pago integralmente no final do mês, o consumidor ainda paga juros sobre o dinheiro emprestado.

Não compre serviços especiais.  Recentemente fiz um cartão de credito santander e tomei muito cuidado, pois o limite pode ser perigoso demais, se for muito facilitado. Muitas empresas de cartão de crédito oferecem produtos, como proteção contra fraude com cartão de crédito e seguro de vida. Esses serviços geralmente são desnecessários para a maioria dos consumidores e, muitas vezes, são superfaturados.
Evitando a dívida: maneiras de usar um cartão de crédito

Crie um orçamento. Em vez de confiar nos limites de crédito estabelecidos pela empresa de cartão de crédito, assuma um papel ativo em evitar dívidas, criando seu próprio orçamento com base na quantidade de dinheiro que você tem no banco.

Use apenas para emergências: às vezes é impossível evitar a dívida em emergências. Se não for viável pagar por um item ou serviço com dinheiro, efetue a compra com um cartão de crédito.

Para ficar fora da dívida, faça um plano para pagá-lo.
Pague o saldo integral a cada mês. Somente faça cobranças se você puder pagar todo o saldo do cartão de crédito no vencimento. Evite taxas de juros, pagando o saldo total a cada mês.

Pague a tempo.

Quando um consumidor paga uma conta com atraso, a empresa de cartão de crédito pode cobrar multas por atraso e elevar a taxa de juros à taxa de inadimplência especificada nos termos do contrato de cartão de crédito. As taxas de inadimplência às vezes são o dobro da taxa padrão.

Limite o número de cartões de crédito. Ter muitos cartões de crédito torna mais difícil manter um registro de transações e efetuar pagamentos no prazo.

A maioria dos consumidores não precisa de mais do que dois cartões de crédito.
Leia a boa impressão.

Contratos de cartão de crédito contêm termos importantes sobre taxas de juros, taxas atrasadas e taxas de inadimplência. Empresas de cartão de crédito ganham dinheiro com consumidores que não pagam a tempo. Ser educado sobre os termos pode ajudar os consumidores a evitar o pagamento de taxas e altas taxas de juros.

Mantenha um registro das compras

É importante prestar atenção às faturas do cartão de crédito para evitar erros e fraudes. A comparação de recibos com a declaração garantirá que você não pagará cobranças indevidas ou incorretas.

É importante entrar em contato com a empresa do cartão de crédito imediatamente para receber proteção contra responsabilidade quando ocorrer uma fraude.
Deixe seus cartões de crédito em casa.

Uma das melhores maneiras de ficar fora da dívida é deixar seus cartões de crédito em casa. Evitar dívidas é fácil quando as únicas compras feitas são em dinheiro.

Como juntar dinheiro para comprar o primeiro imóvel?

O mercado de trabalho e o mercado atual depois de passarem por uma crise estão se recuperando lentamente e mostrando sinais palpáveis dessa recuperação, todos nós consumidores nos animamos a cada notícia que saiu confirmando essa esperança e com isso começamos a pensar em sonhos mais altos como o da casa própria. Porém essa é uma decisão que tem que ser tomada com calma pois o valor de um imóvel, mesmo que financiado, é consideravelmente grande.

Pensando nisso, é aconselhável que o futuro comprador junte dinheiro para conseguir pagar a totalidade do imóvel ou também tentar pagar um grande valor de entrada e reduzir a quantidade e o valor das parcelas, mas todos nós sabemos que não é fácil juntar dinheiro, né? Bem como, não é simples as operações de financiamento junto a grande bancos, como por exemplo o Itaú.

Formas de Investimentos

 Porém mesmo sabendo que não é uma tarefa fácil juntar dinheiro existem algumas possibilidades que facilitam essa tarefa para todos os tipos de pessoas, seja você um grande investidor ou apenas um universitário começando a vida financeira, a primeira delas é a famosa e muito antiga poupança. A poupança é uma das melhores formas de juntar dinheiro pois é uma forma de investimento muito segura e que normalmente vai render todo mês, rendendo mais à medida que você colocar mais dinheiro.

A poupança é indicada para pessoas que não possuem muito conhecimento com o mercado financeiro e muito menos com o mercado de investimento. Existem outras opções de investir o seu dinheiro, porém a poupança não possui muitas complicações e por conta disso é muito fácil de entender como ela funciona e também é muito fácil prever como ela pode te ajudar a realizar seu sonho.

Outra vantagem que a poupança possui é que você pode retirar todo o dinheiro em qualquer momento que quiser, não existe um tempo mínimo que o dinheiro deve ficar na conta e muito menos um valor mensal que deve ser depositado, isso facilita e deixa mais transparente a sua relação com o dinheiro que você está juntando e a cada mês que puder investir você vai estar mais perto do seu sonho.

Uma outra forma que existe de juntar dinheiro e além de ser a última novidade do mercado financeiro ainda promete ser uma grande facilitadora da realização do sonho da casa própria, estamos falando dos aplicativos de investimento. Esses aplicativos já existem a algum tempo e agora estão ganhando mais adeptos por causa da sua simplicidade e eficácia. As plataformas trabalham de forma que você precisa somente de fazer um investimento inicial e definir qual o objetivo que você pretende alcançar, com isso eles ficam responsáveis por gerir e investir o seu dinheiro da melhor forma. 

Enfim, após conseguir juntar o dinheiro necessário para adquirir uma propriedade é importante entender como funcionam as negociações para poder comprá-la. Por exemplo, se você resolver comprar uma casa no condomínio Malibu Barra, como irá funcionar essa operação. Portanto, conheça agora os tipos de negociações do mercado imobiliário.

Tipos de negociações

O empreendimento é oferecido pelo modelo denominado obra por incorporação. A construtora constrói e incorpora o condomínio, com isso, realiza a venda das unidades. De fato, é um modelo de negócio muito seguro, que garante a segurança do processo, que é reconhecido por lei.

Então, para que você possa entender melhor a execução do negócio, veja o exemplo abaixo de um modelo de fluxo de pagamento por obra por incorporação:

FLUXO DE PAGAMENTO 

  • Valor do Apartamento: R$ XXX.XXX,XX – 100%;
  • Entrada:10%;
  • 28 parcelas mensais: 10%;
  • Parcela única na entrega das chaves (podemos ainda montar um fluxo sem esta parcela): 10%;
  • Saldo a financiar com o banco de sua preferência ou quitar com recursos próprios: 70%.

Por outro lado, o modelo de negócios denominado obra por administração, conhecido também como “obra por preço de custo”. A construtora responsável pelo produto administra e constrói o residencial. Então, nessa operação você é o dono do negócio, pois é proprietário de uma fração do terreno, chamado de cota do terreno, proporcional à sua unidade. No entanto, é necessário que pague também a cota da obra, ou seja, o custo com a construção.

Enfim, esse modelo de negócio é o que garante um dos investimentos mais rentáveis no mercado imobiliário, sem custos após o fim da construção e o valor do metro quadrado fica imbatível quando pronto. Portanto, veja abaixo um exemplo fictício de fluxo de pagamento pelo modelo de negócio denominado obra por administração:

FLUXO DE PAGAMENTO 

  • Valor do Apartamento: R$ XXX.XXX,XX – 100%;
  • Cota do Terreno:Entrada de x% do valor do apartamento + parcelas de x% do valor do apartamento, a parcela sofre reajustes conforme a variação do Custo Unitário Básico (CUB – RJ);
  • Cota da Construção: Parcelas anuais ou mensais: x% do valor do apartamento, a parcela sofre reajustes conforme a variação do Custo Unitário Básico (CUB – RJ);
  • Total:O prazo de pagamento é obrigatoriamente encerrado junto à entrega do empreendimento.

Sustentabilidade corporativa: o que é e como alcançá-la

A sustentabilidade empresarial não é certamente apenas uma das tendências mais importantes que as empresas devem navegar de forma decisiva e credível, é também um elemento cada vez mais exigido pelos consumidores para escolherem que marca comprar e em que empresa confiar e apoiar. 

Obviamente, no entanto, a sustentabilidade corporativa também é algo mais profundo: é um novo tipo de abordagem de negócios que exige que as empresas repensem sua organização de forma abrangente, a fim de tornar suas atividades menos impactantes no meio ambiente. 

Por isso, a sustentabilidade empresarial é um assunto muito sério e delicado a ser tratado com o devido cuidado e com todo o empenho necessário para implementar uma transformação radical desse tipo.

Uma sociedade cada vez mais verde exige empresas cada vez mais verdes 

Não é nenhum mistério que a necessidade de uma reviravolta eco-sustentável esteja se tornando cada vez mais premente em todos os níveis. 

Eventos como o Fridays For Future, que mobilizou jovens em muitas cidades, ou a COP26 em Glasgow, que envolveu (quase) todos os principais países do mundo e seus líderes em um esforço conjunto para enfrentar a emergência ambiental, são exemplos de como a sustentabilidade é agora um elemento constante no debate público e na vida quotidiana a todos os níveis.

Você também pode se interessar – Quais são os três pilares da sustentabilidade ambiental?

Essa atenção, como dissemos, também tem um reflexo claro e direto no comportamento dos consumidores, que, de acordo com as observações mais recentes, tornaram -se “ecoativos”. ” Em outras palavras, eles se sentem responsáveis ​​pelo meio ambiente e modificam seu comportamento de acordo.

Basta dizer que, de acordo com a pesquisa #WhoCaresWhoDoes realizada pela Gfk, uma pessoa em cada cinco em nível internacional deixou de comprar determinados produtos ou serviços justamente por causa de seu impacto negativo no meio ambiente ou na sociedade em geral.

Outros resultados consistentes com isso também são coletados quando nos voltamos para o nível nacional: durante 2020, os consumidores ecoativos aumentaram em todos os lugares, mesmo na Itália, onde o segmento é de cerca de 23%. 

Mas a tendência está absolutamente em ascensão e não mostra sinais de parar. Prevê-se que dentro de alguns anos, consumidores conscientes e comprometidos com o meio ambiente se tornarão 40% de todos os consumidores em todo o mundo. 

Este é um grande segmento da população que as empresas não podem ignorar se quiserem se manter competitivas no longo prazo. Mas isso não é tudo. 

Entre o dizer e o fazer, a empresa está no meio 

Há outra tendência curiosa que deve levar as empresas a prestar atenção à sustentabilidade corporativa , que é a da lacuna entre intenção e ação. 

Em outras palavras, um bom número de consumidores expressa uma vontade absoluta de se comprometer com a proteção do meio ambiente, mas muitas vezes lutam para colocar essas intenções em prática. Por outro lado, essas mesmas intenções também são projetadas para outros e transformadas em deveres que devem ser cumpridos pelo governo (para 28% dos italianos) e pelas empresas (37%).

Isso significa que agora, mais do que nunca, as empresas estão investidas de um papel e uma responsabilidade que não tinham antes, e pelas quais agora devem prestar contas aos mesmos consumidores para cada escolha. 

Mas o que uma empresa pode realmente fazer para alcançar a sustentabilidade corporativa? 

A sustentabilidade corporativa requer uma transformação interdisciplinar 

Na realidade, há muitas coisas que uma empresa pode fazer para se tornar mais sustentável e podem afetar diferentes aspectos do seu negócio. 

Por exemplo, uma ação concreta pode dizer respeito aos recursos energéticos utilizados , garantindo que alguns setores ou algumas fases de produção utilizem energia “limpa”, optando por fontes alternativas ou autonomia energética. 

Aumentar a eficiência energética é uma possibilidade , que se traduz na criação de usinas que possibilitem economizar energia ou minimizar seus resíduos, com benefícios não apenas ambientais, mas também econômicos. 

Por falar em benefícios económicos, outra intervenção pode estar ligada à desmaterialização. 

Quantas toneladas de papel são usadas por ano por várias empresas para realizar até mesmo as operações mais mundanas? O objetivo da desmaterialização é substituir o suporte de papel pelo digital, de modo a reduzir o uso de tintas e papel.

Obviamente, todo o processo é muito mais amplo, pois exige uma transformação digital de toda a empresa, para que soluções que modifiquem fluxos de trabalho possam ser efetivamente integradas, evitando um efeito de funil que uma eliminação superficial de papel causaria. 

A partir disso, você também pode entender que a própria digitalização é uma das possíveis alternativas que uma empresa tem para se tornar sustentável, pois a transformação digital fornece ferramentas que permitem monitorar, controlar e melhorar cada fase do trabalho. 

Nesse sentido, os recursos digitais à disposição das empresas também podem ser usados ​​para melhorar a gestão de resíduos , outro aspecto fundamental da sustentabilidade corporativa, que está intimamente ligado a uma nova forma de projetar produtos para tornar todo o processo mais eficiente, reduzindo desperdícios, e garantindo uma vida mais longa para os próprios produtos. 

Cinco áreas para trabalhar e cinco características para ter 

Em essência, há muitas áreas em que uma empresa pode agir para alcançar a sustentabilidade corporativa. 

Além dos diferentes exemplos vistos acima, podemos identificar cinco áreas onde as empresas podem se engajar para implementar uma estratégia de eco-sustentabilidade: 

  1. a produção de energia através de fontes alternativas 
  2. gestão de resíduos e valorização de resíduos e produtos  
  3. a otimização da logística e dos procedimentos internos da empresa 
  4. inovação em design de  produto
  5. eficiência dos processos de produção e estruturas de pessoal

Portanto, está claro que a intervenção necessária para uma reviravolta verdadeiramente verde da empresa não é pouca coisa. De fato, requer um esforço considerável e constante ao longo do tempo, porque a sustentabilidade corporativa normalmente não se limita ao componente ambiental, mas muitas vezes envolve outros princípios éticos que se cruzam com o meio ambiente

Essa considerável complexidade se traduz em certas características que todas as empresas sustentáveis ​​e economicamente competitivas devem desenvolver para manter uma posição de predominância. 

Essas características foram descritas por Sole24Ore em um artigo que se baseia nas observações da MBS Consulting e que pode ser resumido a seguir. 

A primeira característica essencial de uma empresa sustentável de sucesso é uma visão de longo prazo : as transformações ambientais levam tempo, e atalhos ou soluções fáceis não podem ser adotados, pois isso, como veremos, pode ter efeitos muito negativos na própria empresa. 

A segunda característica é o conhecimento de seus stakeholders , o que exige monitoramento preciso, confiável e constante para que haja equilíbrio entre o negócio e outras necessidades que convivem dentro de uma empresa. 

Além disso, um negócio sustentável deve garantir um alto nível de satisfação a todos os stakeholders , o que inclui objetivos consistentes com a visão de longo prazo da empresa que devem ser compartilhados não apenas com a gestão, mas também com toda a força de trabalho. 

Outra característica essencial para alcançar a sustentabilidade empresarial passa pela divulgação da ideia e da consciência de que o objetivo final do negócio é criar valor acrescentado para todo o contexto onde atua , tanto para os stakeholders como para os colaboradores de todos os níveis da empresa. 

Compreender isso e transmiti-lo a todos os níveis garante uma maior consciência por parte de todos os operadores e permite à empresa consolidar a sua posição competitiva ao longo do tempo. 

O compromisso concreto das empresas com a sustentabilidade corporativa 

Uma vez compreendida essa parte teórica, podemos nos perguntar quais atividades as empresas estão implementando concretamente para alcançar a sustentabilidade corporativa. 

O Grupo de Energia e Estratégia da universidade Politecnico di Milano realizou recentemente um estudo, “ Green Tech ”, sobre este mesmo assunto, entrevistando 80 empresas para entender a importância da sustentabilidade, suas prioridades e, acima de tudo, as áreas onde as empresas estão realmente trabalhando em questões de sustentabilidade. 

Em particular, um dos aspetos considerados mais relevantes é a eficiência na utilização dos fatores de produção e a otimização energética e ambiental das instalações , pelo menos segundo 59% das empresas inquiridas (34% eficiência, 25% recuperação).  

Segue-se a questão da valorização e reciclagem , que é geralmente encarada pelas empresas como um fator chave a implementar de forma a reduzir decisivamente os custos de produção e não só, uma vez que, como já referido, a questão dos resíduos e da sua gestão é um dos os aspectos mais delicados e complexos de qualquer atividade econômica. 

A questão energética, por outro lado, é mais delicada e apresenta mais algumas dificuldades. O uso de fontes renováveis, por exemplo, é uma prática verde que ainda não se consolidou de forma significativa entre as empresas italianas, que muitas vezes desistem de implementar determinadas tecnologias energéticas, também por causa das recentes mudanças regulatórias que tornam essa transformação complexa e custosa. 

Entre outras coisas, outra descoberta interessante (e reconfortante) emerge da pesquisa, a saber, que a sustentabilidade corporativa também se tornou um item de linha significativo ao qual as empresas italianas estão dedicando cada vez mais seus orçamentos.

Cerca de 60 empresas, portanto a clara maioria, declararam ter um orçamento que não é genericamente dedicado à sustentabilidade, mas a projetos específicos cujo controle recai sobre a gestão da empresa. 

No entanto, apenas 22 empresas afirmaram gerenciar o processo relacionado de alocação, planejamento e controle dessas atividades financiadas internamente. 

O salto que falta 

Essa falta de autonomia organizacional é muitas vezes desconsiderada do ponto de vista dos recursos empregados, visto que em muitas empresas faltam determinadas competências e funções profissionais , como Gerente Ambiental, Gerente de Sustentabilidade ou Gerente de Energia . 

Da mesma forma, os casos em que há uma equipe dedicada são muito raros, assim como nenhuma das empresas pesquisadas registrou uma estrutura organizacional ou sistemas de medição dedicados para avaliar o desempenho ambiental. 

Isso significa que ainda há um longo caminho a percorrer. Não é por acaso que mais de 40% dos entrevistados se consideram presos no meio, ou seja, conseguiram iniciar um processo de sustentabilidade, mas não conseguem concluir o processo completamente, seja em nível técnico ou organizacional ou em termos de competências. 

Em outras palavras, este é um bom ponto de partida, mas a sustentabilidade corporativa não permite meias medidas. 

Uma escolha que requer uma transformação integral 

Conforme referido anteriormente, a sustentabilidade empresarial é um tema particularmente caro a todos os consumidores, que tem duas consequências muito relevantes para as empresas. 

Uma consequência positiva é que a sustentabilidade corporativa representa uma formidável alavanca competitiva que pode ser utilizada no mercado , pois auxilia no posicionamento e é atrativa para os clientes. 

Por outro lado, uma vez que uma empresa envereda pelo caminho da sustentabilidade, a transformação deve ser plenamente realizada e não pode ser simplesmente insinuada ou, pior, apenas anunciada e depois não respeitada. 

Em outras palavras, o greenwashing deve ser evitado limitando declarações de princípios vazias ou operações precipitadas que tenham pouco impacto em termos de benefícios para o meio ambiente e para o contexto em que a empresa atua.

Comportamentos desse tipo nunca passam despercebidos, especialmente agora que a internet e as mídias sociais não apenas tornam os consumidores mais atentos e capazes de desmascarar essas estratégias desonestas, mas também fornecem um megafone formidável para despertar a indignação coletiva.  Por isso, é importante que cada empresa complete sua jornada e se torne cada vez mais sustentável: disso depende a própria capacidade da organização de ser competitiva e ter credibilidade no mercado.

Veja também – COLIVING: VIVER COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE

Tipos de Holding: Holding Familiar, Conselho de Família e Family Office: quais as diferenças?

No campo da empresa familiar existem dois elementos muito importantes que podem dar origem a problemas e que podem até ameaçar a sobrevivência da empresa: a confusão entre os aspectos familiares e empresariais e a sucessão. Para evitar problemas existem várias ferramentas. Neste post vamos falar sobre três opções que podem ajudar a empresa familiar a superar a passagem de uma geração para outra e ter um futuro promissor: a holding familiar, o conselho de família e o Family Office.

O que é a holding familiar e que tipos de holdings existem?

Para entender em que consiste a estrutura de holding familiar , é preciso entender o que é uma holding . É um tipo de sociedade cujo objeto social consiste na participação em outras sociedades.

As holdings devem atender a uma série de requisitos que são os seguintes :

  • Detenham pelo menos 5% dos direitos de voto das empresas que deles dependem.
  • As ações devem ser detidas para dirigir e administrar a ação participando de reuniões, exercendo direitos de voto, etc.
  • Devem ter sua própria organização de meios materiais e pessoais.

Assim, em uma holding familiar ou holding empresarial, o que se faz é criar uma estrutura em que uma empresa (controladora) detenha participações em outras empresas (dependentes), simplificando assim a gestão, reduzindo a carga tributária e separando as responsabilidades, de modo que se um ramo de atividade exercido por uma empresa não vai bem, isso não afeta o resto das empresas.

Dependendo da função que a holding desenvolve , podemos falar de dois tipos de holding:

  • Holdings puras. São aquelas cuja atividade é a detenção de ações e participações em suas subsidiárias.
  • Holdings mistas . São aquelas em que a atividade, além de ser titular de ações, consiste em outras atividades ou serviços (administração, contabilidade e assessoria jurídica).

O que é o Conselho de Família e quais as suas funções?

O Conselho de Família é um órgão que existe na empresa familiar e inclui os acionistas e potenciais acionistas da família, quer trabalhem na empresa ou não, e pertençam ou não ao Conselho de Administração.

Basicamente, o Conselho de Família é o elo que une a empresa à família. Suas funções mais destacadas são as seguintes:

  • Estabelecer os valores que irão reger a empresa familiar.
  • Verifique se o Conselho de Administração respeita esses valores familiares.
  • Manter a disciplina familiar.
  • Prepara a sucessão.
  • Comunicar as opiniões da família ao Conselho de Administração.
  • Adotar medidas e acordos quanto à distribuição de ações entre as gerações seguintes.
  • Discutir e assinar acordos relativos a acordos de sindicação de ações ou escudos.
  • Elaborar planos de gestão do patrimônio familiar, como a criação ou contratação de um Family Office. Na próxima seção, veremos em que consiste.
  • Gerenciar as informações que a família da empresa receberá, principalmente em casos sensíveis como a demissão do Presidente, a obtenção de resultados ruins da empresa, o fechamento de uma loja, fábrica ou escritório ou uma operação de fusão com outra empresa.
  • Gerir a elaboração e atualização do Protocolo Familiar, em coordenação com o Conselho de Administração, a direção da empresa e a Assembleia da Família.
  • Promover o interesse e formar as próximas gerações da empresa.

O que é um Family Office?

Quando a riqueza de uma empresa familiar cresce, pode surgir a necessidade de criar um Family Office. É uma empresa que tem como objetivo administrar o patrimônio familiar, e investir em ativos financeiros e não financeiros.

As funções desempenhadas por um Family Office podem ser as seguintes:

  • Gestão de patrimônio. O que inclui: gestão de ativos financeiros e gestão de imóveis (aluguel, venda, cessão de sublocação, cobrança de recibos, reclamação de aluguel devido, etc.).
  • Crescimento do patrimônio. Consiste na criação de uma estratégia de investimento através do estudo do mercado e das várias opções existentes.
  • Assessoria jurídica e tributária. A criação do Family Office tem como objetivo final cumprir a lei e reduzir a carga tributária sobre o patrimônio, estudando a situação e aplicando deduções fiscais e regulamentações que permitam reduzir o valor dos impostos a pagar.

No caso do Family Office, existem duas opções de gestão de ativos:

  • Single Family Office (SFO) . É uma empresa que presta serviços a uma única família.
  • Multi-Family Office (MFO) . Se o patrimônio da família não for muito alto, você pode ir a essa figura, que é um consultório para várias famílias, ou seja, não tem dedicação exclusiva.

Como você viu, a estrutura da empresa familiar pode ter opções que facilitam sua gestão e que podem se tornar necessárias à medida que a empresa cresce e se desenvolve. No entanto, é sempre aconselhável ter o ponto de vista e aconselhamento de um consultor externo que analise a situação e forneça objetividade.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Uma herança pode ser distribuída sem que todos os herdeiros concordem?

Uma dúvida que ocorre com bastante frequência é sobre a possibilidade de dividir a herança sem que todos os herdeiros concordem , geralmente porque algum herdeiro atrapalha o processo. Um conflito que se origina de diferentes causas, mas que sempre gera um bloqueio de herança.

Isso significa que, se um herdeiro não aceitar ou rejeitar sua parte, a herança a ser distribuída é bloqueada para todos . Da mesma forma, a regulamentação espanhola estabelece medidas para acabar com esta situação.

Aceitar, rejeitar e compartilhar a herança: quando a herança é bloqueada?

Os herdeiros têm a obrigação de aceitar ou rejeitar a herança. Cada um pode escolher livre e voluntariamente se quer ou não fazer parte do espólio.

Até lá, não há problema, pois se uma parte decidir rejeitar, essa parcela é dividida entre as demais .

O conflito se origina quando um dos herdeiros não aceita nem rejeita . Neste caso, é impossível avançar para a fase de distribuição dos bens deixados pelo falecido.

Normalmente, isso acontece devido a um desentendimento entre as partes e a herança é bloqueada. Nenhum deles pode fazer uso da peça até que ela seja desbloqueada.

A distribuição da herança

A distribuição da herança será diferente consoante haja testamento ou não. É sempre recomendável que haja vontade de evitar futuros conflitos e gastos que deteriorem relacionamentos e até bens.

Distribuição de herança com testamento

Se o testamento for bem elaborado, ou seja, respeitar os direitos legítimos dos herdeiros, a partilha será feita com base neste documento.

Quando a parte que corresponde a cada herdeiro designado não está definida no testamento, é necessário preparar o que se chama de caderno de partições.

Distribuição de herança sem testamento

No caso de herança sem testamento, quando há divergências entre os herdeiros , a situação pode ser ainda mais complicada. Nestes casos é necessário formalizar um livro de partilha e deve haver um acordo entre as partes.

Na falta de testamento e na impossibilidade de acordo entre as partes, é necessária a intervenção de um revisor de contas. Este profissional é responsável pela valorização, compartimentação e divisão do patrimônio, se for o caso.

Alternativas para distribuir a herança sem que todos os herdeiros concordem

Existem medidas alternativas para desbloquear a herança e são muito eficazes. Dependendo de qual deles finalmente resolva a situação, isso fará com que os prazos e custos sejam maiores ou menores.

De qualquer forma, o importante é que permita que a herança seja recebida mesmo quando nem todos os herdeiros estão de acordo.

mediação extrajudicial

Uma das soluções recomendadas para acabar com o conflito e ter acesso à herança é a mediação extrajudicial. É um processo mais barato que evita as situações desconfortáveis ​​e dolorosas que podem causar uma provação.

Um advogado especializado em mediação e Direito das Sucessões é o profissional ideal para intervir nestas circunstâncias. Sua função é avaliar os bens que compõem a herança, calcular os legítimos e propor uma partilha justa para todos os herdeiros. É necessário que todos aceitem e concordem com este formulário para encerrar o litígio .

interpelação hereditária

O Código Civil , artigo 1005, estabelece que os herdeiros com interesse legítimo têm o direito de solicitar ao notário a interpelação hereditária. É um documento público que insta o herdeiro em desacordo a aceitar ou rejeitar a herança .

Qualquer interessado que comprove o seu interesse em que o herdeiro aceite ou repudie a herança pode dirigir-se ao Notário para que este informe o chamador que dispõe de um prazo de trinta dias de calendário para aceitar pura ou simplesmente, ou em benefício de inventário, ou repudiar a herança. O Notário indicará ainda que se não manifestar a sua vontade dentro do referido prazo, entender-se-á que a herança foi aceite pura e simplesmente.

Artigo 1005.º do Código Civil

O objetivo é encurtar os prazos e desbloquear a herança para que todos tenham acesso ao que lhes corresponde. É fixado um prazo de 30 dias para a parte notificada responder . Caso contrário, considera-se aceito e inicia-se a fase de distribuição de herança.

Outra suposição é que você aceita a herança, mas rejeita a proposta de partição. Os herdeiros que detenham 50% ou mais podem solicitar ao Notário que o formalize e assim evitar processos judiciais.

O caminho jurídico

O processo judicial é a última instância pela qual uma herança pode ser distribuída sem que todos estejam de acordo. É o método mais utilizado há anos, até a modificação do Código Civil em que se estabelece a interpelação hereditária.

A ação civil é ajuizada no Tribunal de Primeira Instância do domicílio do falecido. Com essa alternativa, os prazos são estendidos e os custos aumentam . Compete ao Juiz avaliar o património hereditário e proceder ao inventário. Os peritos correspondentes que trabalham pela justiça também intervêm.

As partes interessadas neste processo judicial têm o direito de apresentar as suas próprias alegações. Analisadas todas as circunstâncias, o juiz procederá à partilha da herança.

A decisão judicial de Primeira Instância é susceptível de recurso . Isso significa que a parte em desacordo pode interpor recurso em instância superior. O que amplia ainda mais o procedimento.

Entenda o que é um inventário extrajudicial e quando ele é necessário

A herança pode ser distribuída sem o acordo de todos os herdeiros?

Como estamos vendo, a resposta é sim, mas medidas extras devem ser tomadas e diferentes profissionais devem ser consultados para resolver o conflito . Durante todo o procedimento realizado, a herança permanecerá bloqueada, portanto, inacessível a qualquer um dos herdeiros.

Conclusão

Um herdeiro que não aceita ou rejeita a herança gera um bloqueio de herança. Com esta decisão, ele impede que todos os outros herdeiros tenham acesso à sua parte. Da mesma forma, se aceitar a herança, mas não concordar com a partilha, o espólio permanecerá bloqueado.

Os membros da família muitas vezes não concordam com as partições propostas e expressam sua recusa. Os regulamentos espanhóis permitem certas medidas legais para desbloquear o conflito. Estes são:

  1. mediação extrajudicial
  2. interpelação hereditária
  3. via judicial

Recomenda-se que os herdeiros tenham a assessoria de um advogado especialista em heranças. Esses profissionais têm o poder de avaliar ativos, propor divisões justas e chegar a acordos entre todas as partes. Tentar a solução desta forma é a alternativa mais barata e rápida. Este conselho também será necessário se o caso for a tribunal.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Afinal, qual a agência do Caixa TEM?

Devido à pandemia, o aplicativo Caixa Tem teve que ser criado como a principal forma de recebimento de atendimento emergencial. Portanto, muitas pessoas têm que se adaptar às novas tecnologias para que possam aproveitar o dinheiro recebido. Mas, você qual a agência do Caixa Tem?

Este problema é muito comum porque é uma agência digital e muitas pessoas acabam não conseguindo reconhecer as informações exibidas no aplicativo. Portanto, neste artigo, você poderá aprender mais sobre o aplicativo e como usá-lo.

Afinal, o que é o Caixa Tem?

O aplicativo Caixa Tem nada mais é do que uma ferramenta criada pelo governo para atender às necessidades da população durante a pandemia de Covid-19. Portanto, é como uma conta digital, semelhante a qualquer outra conta, mas beneficia diretamente aqueles que são aprovados.

Além disso, o aplicativo é muito leve e fácil de usar, garantindo que seu dispositivo continue funcionando durante todas as utilizações. Por meio dele, você pode consultar saldos, extratos, pagamentos e gerar contas sem sair de casa para isso. Além das compras online, você também pode fazer compras comerciais usando apenas a tecnologia de código QR.

Para isso, basta mostrar o seu dispositivo à instituição que aceita este método e movimentar como mágica o valor recebido. Cartões virtuais também podem ser usados. Devido à pandemia e atendimento emergencial, o uso do aplicativo acabou se tornando enorme, pois é possível realizar muitas operações apenas com o seu telefone. O Caixa Tem é uma ferramenta essencial para muitas famílias sacar remessas do governo.

Para que serve o aplicativo?

O Caixa Tem oferece aos seus usuários diversos recursos que podem ser visualizados como qualquer outro aplicativo bancário. Está diretamente relacionado à Caixa Econômica Federal e possui alguns recursos que podem facilitar a sua vida e as transações financeiras.

No seu celular, você encontra algumas informações sobre o FGTS e saiba mais sobre os próximos pagamentos de socorros emergenciais e o plano de integração social / plano de formação do patrimônio do serviço público, sem custo adicional.

Assim como qualquer outra conta bancária digital, você também pode fazer transferências, acessar seu saldo e extratos, fazer pagamentos, pagar compras na máquina e fazer compras online. Todas essas funções podem ser utilizadas, não há necessidade de sair para sacar dinheiro ou pagar.

Agência CAIXA TEM

Qual a Agência do Caixa Tem?

Você sabe qual a agência do Caixa Tem? Se a resposta for “não”, não se preocupe, pois todas as orientações serão passadas neste artigo. Em geral, o número é simples: 3880. Pode ser facilmente encontrado no aplicativo, garantindo que todos os usuários o encontrem com extrema facilidade para uma boa utilização de sua conta.

Você pode ver isso no canto superior direito do seu aplicativo. Depois de conferir todos os seus dados com o máximo de atenção possível, será fácil encontrar um espaço com as instruções de funcionamento, outro espaço e um número diretamente vinculado à Poupança Social Caixa Digital. Em seguida, apenas anote seus dados e use-os conforme necessário.

Instalando o app

Depois de saber o número da agência Caixa Tem, pode aprender a fazer o download da aplicação pelo sistema Android ou iOS, a fim de se manter a par das informações mais recentes do seu telemóvel. As etapas de download corretas são:

  • Pesquise a aplicação Caixa Tem na Apple Store ou Play Store;
  • Em seguida, utilize seu CPF e a senha criada por 6 números para acessar o aplicativo;
  • Clique no serviço que deseja utilizar e siga as instruções fornecidas pelo próprio aplicativo;
  • Determine qual dispositivo móvel é usado atualmente para acessar sua conta.

É possível receber transferências?

Sim, pode receber transferências na sua conta Caixa Tem. Conforme mencionado acima, esta conta funciona como qualquer outra conta e pode facilitar o seu trabalho diário. Para transferir dinheiro, por favor, registre uma chave Pix ou, se desejar, você pode informar a quem quiser enviar dinheiro com os dados da sua conta.

Esta conta funciona como qualquer outra e você pode utilizá-la para realizar pagamentos, transferir dinheiro, fazer compras on-line e qualquer outra coisa que um banco digital também seria capaz de proporcionar. Por isso, lembre-se sempre de se manter informado sobre as funcionalidades do seu app após descobrir qual a agência do Caixa Tem.

Benefícios de fazer inventário em sua empresa

Quando você está começando um negócio, você investe na compra dos produtos que vai vender, a princípio você sabe tudo que comprou para manter um bom estoque, mas com o passar dos meses você negligencia o estoque e é um erro que a maioria se compromete. É necessário que você acompanhe seus estoques para não ter preguiça, se deixa o tempo passar e não sabe por onde começar, continue lendo para saber os benefícios que pode ter ao acompanhar seus estoques.

Um estoque com uma boa gestão permite saber o valor real do seu investimento, se você é uma daquelas pessoas que quer crescer, uma boa gestão é fundamental para ter o fluxo de caixa de que precisa para se alavancar ou vai à falência.

O inventário

O conceito de estoque em uma empresa é baseado em todos os produtos e / ou matérias-primas que você tem para venda futura. O estoque é composto por todo o estoque do negócio que não foi vendido, a matéria-prima que você possui (criar novos produtos) e todos os produtos que estão em processo de produção e que em breve estarão disponíveis para venda.

É muito importante que você controle todos os itens que existem em seu estoque com um inventário, esta informação permite que você conheça a situação real para tomar decisões administrativas que sempre se refletirão em um bom atendimento ao cliente.

Com as informações corretas sobre seu estoque, você sempre terá as seguintes vantagens :

  • Saiba quando menos ou mais de certos produtos são vendidos para que você esteja preparado.
  • Comprar em quantidades maiores diminui o preço de cada produto.
  • Realize promoções de produtos que estejam vencidos ou em deterioração para movimentá-los.
  • Você sabe qual produto mais movimenta em determinado período e antecipa a compra para que continue a vender e tenha a aceitação de seus clientes.
  • Você tem estoque no balanço patrimonial e na demonstração do resultado.

Tipos de Inventários

Os tipos de estoques que você pode usar em seu negócio dependem de suas necessidades atuais, os cinco principais são:

  1. Inventário perpétuo : Você deve registrar as operações de todos os produtos de forma que possa saber a qualquer momento o valor de seu estoque final, o custo do que você vendeu e o lucro ou prejuízo bruto. Ajuda você a ter um controle maior, por estar sempre atualizado os cadastros no estoque.
  2. Inventário intermitente: você pode fazer isso várias vezes por ano e pode usá-lo por vários motivos.
  3. Inventário Inicial: Como o próprio nome indica, é realizado no início de sua operação
  4. Estoque final: você faz isso no final do seu ano fiscal
  5. Inventário Físico: É o inventário onde você tem que contar, pesar (se for o caso), mantendo suas anotações sobre cada um dos diferentes produtos que você tem em estoque no dia em que o fizer.

Como economizar dinheiro fazendo um inventário correto.

Gerenciando bem seu estoque, você pode economizar muito dinheiro:

  • Evite perdas : Produtos que estão em seu estoque há muito tempo porque não se moviam no momento em que foi decidido colocá-los à venda (antiquados ou não tem o interesse que você esperava) por conhecê-los você pode evitar perdas e mova o produto o mais rápido possível.
  • Economize nos custos de armazenamento : Você não deve armazenar seus produtos por muito tempo, o custo destes pode variar em extremos ou você acumula produtos que não têm a saída esperada aumenta seus custos de armazenamento.
  • Evite a deterioração dos produtos : Gerenciar bem seus estoques ajuda a evitar a deterioração dos produtos ou perdas desnecessárias, por exemplo, se você vender produtos com datas de validade (alimentos, cremes) se eles não saírem do estoque no prazo eles ficarão e significa uma perda que você não poderá recuperar.
  • Gerenciar Fluxo de Caixa : Uma boa gestão do seu estoque vai te ajudar a melhorar o fluxo de caixa, você deve retirar o produto para que possa ser vendido senão você não vai gerar renda, você pagou à vista, é hora de reaver. Você não poderá pagar seus fornecedores por produtos que não são vendidos.

Saber o valor do seu estoque ajuda a tomar decisões na hora de comprar os produtos que você precisa, adquirir a quantidade correta é um bom planejamento para não ter problemas na hora de vender os produtos e ter dinheiro para voltar a investir.

Como realizar o controle de estoque.

Você pode se ajudar com um Sistema de Ponto de Venda, que te ajuda a classificar seus produtos por categorias, se os produtos tiverem código de barras não os altere, usá-los te ajuda a ser mais ágil, você só precisa de um leitor de código de barras para ser mais rápido e reduzir o tempo de espera de seus clientes. Manter o controle de estoque ajuda a ter contabilidade disponível, isso envolve dois aspectos importantes:

  • O custo do estoque adquirido.
  • O custo do estoque é mantido em suas contas comerciais até que seja vendido.

A avaliação dos estoques é realizada de acordo com uma base específica em termos monetários, estes 4 métodos são comumente usados ​​em negócios ou empresas:

  • Identificação específica : É utilizada em negócios onde se encontram os mesmos produtos ou artigos com características individuais (referência, número, marca e custo). É utilizado para manter registros para identificar com precisão os produtos e seus custos exatos, estes são identificados por meio de uma compra e sua fatura. Você pode determinar o custo específico das vendas e avaliar o estoque final com o custo específico dos produtos.
  • Primeiras entradas primeiras saídas (PEPS) : Uma das mais utilizadas em uma loja, quando você compra produtos e eles são os primeiros a entrar no estoque, são os primeiros a serem vendidos (custo das vendas) ou consumidos (custo de produção). Para produtos que possuem validade é muito importante levar em consideração o acima, este método se aplica a todos os seus produtos, caso contrário eles se desgastarão, pode haver alguma alteração na apresentação do produto e então você não conseguirá vender eles. O estoque final é formado pelos últimos itens que passaram a fazer parte do estoque.
  • Último a entrar, primeiro a sair (UEPS) : O método UEPS para calcular o custo do estoque é o oposto do método PEPS. Os últimos produtos que você comprou são os primeiros a serem vendidos ou consumidos, o objetivo é que no estoque final você tenha os produtos que foram comprados primeiro. Este é um método muito útil quando os preços dos produtos estão constantemente aumentando. A aplicação financeira desse método implica um valor mais alto do custo de venda porque você determina, com base nos últimos produtos adquiridos, que eles geralmente são mais caros.
  • Custo Médio : ao utilizar este método, faz a média dos custos dos produtos com as movimentações de armazém realizadas. É usado quando você tem estoque negativo em seu armazém, quando você detecta estoque negativo, você deve pegar o último custo correto em vez de realizar o cálculo para que o custo não suba rapidamente. Isso pode ser calculado da seguinte forma: = [(Estoque x Custo Médio Atual) (Quantidade que entra ou sai x Custo Unitário)] / Estoque +/- Quantidade que entra ou sai.

Você pode fazer o inventário de várias maneiras:

  • Manual : Em um caderno (que você vai se confundir e abortar) ou em uma planilha
  • Sistema : Com um Sistema de Ponto de Venda ou Software de Ponto de Venda ajuda você a realizar esta tarefa, de forma simples, prática e ágil e ajuda a prevenir o famoso roubo de formigas que causa forte impacto em seus lucros.

Qualquer que seja o método que você escolher, você deve fazê-lo periodicamente e ter estratégias para o sucesso e crescimento do seu negócio.

Benefícios de fazer um inventário

Aqui estão algumas técnicas que podem ajudá-lo a ter um melhor fluxo de caixa em sua empresa e um melhor controle de seus estoques:

  • Planejamento de contingência

Você deve fazer um plano de contingência para os riscos que possa ter, esses problemas podem paralisar uma empresa por não estar preparada. Por exemplo:

  1. Você fica sem produto devido ao aumento das vendas.
    1. Falta de espaço em seu estoque para colocar os produtos mais vendidos.
    1. Produtos que não se movem rapidamente e ocupam espaço no seu armazém.
    1. Você não tem fluxo de caixa e não pode pagar pelo produto de que precisa.
    1. Cálculo de estoque ruim (menos produtos).

Você está realmente preparado para esta situação. O que vai fazer? Como você resolverá o problema? Como isso afetará os negócios? Descubra onde estão os riscos e aplique-se para executá-los.

  • Comunicação com seus fornecedores

Ter um bom relacionamento com seus fornecedores pode ser uma dor de cabeça, mas pode te ajudar em situações complicadas, você deve manter um bom relacionamento isso pode te ajudar a gerenciar seu estoque, não compre se não precisar ou solicite o mínimo de a compra mínima e avise-o quando precisar de uma recarga.

  • Priorize seus produtos

Você deve ter prioridade para o gerenciamento do seu estoque, você deve separar os produtos com maior giro, por exemplo:

  1. Produtos de alto valor e baixo custo : exigem muita atenção, são vendas imprevisíveis
    1. Produtos de médio valor com venda moderada : Estão aí, não se deve descuidar deles, são produtos que vende sempre
    1. Produtos de baixo valor e alta venda : eles não precisam de atenção extra, estão sempre vendendo.
  • Previsões em demanda

Grande parte da boa gestão de estoque é planejar e prever a demanda esperada, isso evitará o aumento do custo de sua operação. Você deve manter um registro da rotação dos produtos sazonais e poder fazer uma previsão mais precisa, a realidade é que você não sabe o que são e quais devem ser considerados. Analise os seguintes pontos para que você possa fazer uma projeção precisa de suas vendas:

  1. Vendas realizadas no ano passado na mesma semana
    1. Próximas promoções
    1. Tendências de mercado

Se você puder pensar em algo adicional para fazer uma previsão mais precisa, inclua-o.

  • Auditoria

Um sistema de ponto de venda pode te ajudar a saber a quantidade de produtos que você tem em estoque, independente do exposto é necessário que você faça um inventário físico para comparar os resultados que tem no sistema com o real.

Existem vários métodos para fazer isso:

  1. Inventário físico: Normalmente são realizados uma vez por ano e é no final do ano que os negócios o fazem, é muito demorado, cansa e pode afetar o funcionamento do negócio, mas são necessários.
    1. Ponto de verificação: Você deve escolher um produto, contar sua existência em seu estoque e fazer uma comparação com o que deveria ser. É um complemento ao inventário físico.
    1. Ciclo de contagem: Realiza-se ao longo do ano, podendo ser diário, semanal ou mensal, geralmente os produtos de maior valor são selecionados para uma contagem mais frequente.

Quando você deve fazer isso?

É fundamental destacar a periodicidade com que você realiza seu inventário. Não existe uma regra definida que diga com que frequência é melhor. Embora seja verdade que as empresas são obrigadas a fazer inventários uma vez por ano, geralmente no final do ano e para poderem avaliar as ações da empresa, sejamos honestos, não é a melhor das alternativas.

Aconselhamos que faça o inventário pelo menos uma vez por ano, a maioria das empresas aproveita o final do ano para fazer para fechar um exercício e contabilizar o seu patrimônio.

Dependendo do porte do negócio, você pode programá-lo para um dia em que provavelmente terá que interromper suas atividades diárias ou para um fim de semana, outra opção é realizar um inventário cíclico. Para que você tenha melhores resultados, é necessário ter uma ferramenta que o ajude a fazer isso facilmente como um Sistema de Ponto de Venda, para realizar as melhores práticas.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

COLIVING: VIVER COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE

Morar em um Coliving é para quem busca viver em um lugar economia e um estilo de vida sustentável. Além de ser um ótimo ambiente para quem gosta de compartilhar momentos em comunidade. Isso porque as moradias são bem próximas umas das outras. 

O coliving remete às vilas compartilhadas (cortiços), condomínios e repúblicas, mas existem algumas diferenças que caracterizam esse conceito. Geralmente,  são projetados e administrados por empresas especializadas em compartilhamento de moradias.

Há também grupos de pessoas ou empresas que se reúnem para alugar, comprar ou até mesmo construir colivings. Além disso, empreendimentos imobiliários estão usando como inspiração o conceito de coliving. Dessa forma criam apartamentos pequenos com áreas em comum, como cozinha, lavanderia e até mesmo coworking.

O convívio compartilhado é a chave para promover uma sociedade mais sustentável. Na década de 80 os colivings ganharam força nos EUA. Nos anos 90, o conceito de coliving chegou ao Canadá e no começo dos anos 2000 começou a fazer sucesso na Europa e Ásia.

No Brasil, o conceito de coliving começou a chamar atenção a pouco tempo por volta de 2013. Os coliving costumam ser construídos em áreas centrais e bem localizadas nas cidades, com boa mobilidade, cercado por estações de metrô.É uma ótima solução para quem quer reduzir o tempo de trajeto até o trabalho e ter mais qualidade de vida.

No Rio de Janeiro várias construtoras começaram a usar os coliving como inspiração para empreendimentos. Os bairros próximos ao centro são o foco desses projetos. Por exemplo, o lançamento Glória Del’Art Co Living, que é um condomínio pensado nesse conceito sustentável e econômico. Localizado no clássico bairro da Glória, o empreendimento fica a poucos minutos do centro. E ainda é cercado pela natureza, bem próximo a Marina da Glória.

O coliving é indicado para quem busca um estilo de vida mais econômico, além de troca de experiências e convivência em comunidade. Os jovens, são o público alvo, porém algumas  famílias também buscam viver em um ambiente como esse. Existem até mesmo colivings voltados para famílias com filhos. Nesses casos, os moradores formam uma rede de apoio que auxilia nos cuidados com as crianças.

A primeira grande vantagem de um coliving é a economia de recursos. Os empreendimentos são  construídos na maioria das vezes com materiais de baixo impacto ambiental (como placas solares e sistemas de reaproveitamento de água, por exemplo).

Os coliving são uma boa opção para uma moradia moderna. Um residencial que visa a sustentabilidade e o bom convívio em comunidade. Enfim, atende perfeitamente às demandas dinâmicas da sociedade atual. É um estilo de vida que se adaptou à contemporaneidade das grandes cidades.

C6 BANK: Como fazer um PIX?

O C6 BANK é uma das instituições que mais crescem no Brasil. Por isso, muitos leitores querem saber como fazer um PIX por esse banco.

Atualmente, os bancos digitais estão ganhando espaço no cenário nacional. Assim, saber como usar as ferramentas no seu smartphone pode garantir mais praticidade e agilidade.

Nesse sentido, se você abriu a sua conta no C6 BANK mas ainda não domina o app, não se preocupe!

No post de hoje vamos te mostrar como mandar PIX e outras funcionalidades do aplicativo deste banco! Confira e tenha uma excelente leitura, veja!

Passo para fazer o seu PIX na C6 BANK

Primeiramente, é necessário ter o app instalado e atualizado no seu celular. Para isso, vá até as configurações do seu smartphone e veja se há alguma atualização pendente.

Em caso positivo, clique para atualizar o app do banco e aguarde o processo. Caso contrário, apenas entre no app e siga nosso passo a passo abaixo:

  • Acesse o app normalmente e faça login. É possível logar com a sua senha ou através da biometria;
  • Em seguida, desça um pouco a barra de rolagem e clique no ícone amarelo “fazer PIX”;
  • Posteriormente, escolha o tipo de chave e insira a chave do destinatário do dinheiro. Por exemplo: CPF > número do CPF de quem vai receber o valor;
  • Agora, escreva o valor que será enviado por PIX e, por fim, coloque a sua senha. Pronto! O seu PIX já terá sido enviado ao destinatário.

Atualmente, o PIX leva em torno de 10 segundos para ser finalizado. Ah! Ele não pode ser cancelado se você tiver enviado errado, viu?

Por isso, tenha muita atenção antes de encerrar esse procedimento.

PIX c6 bank

Ainda não tenho a chave PIX. E agora?

Todavia, se você tem a sua conta no C6 BANK mas ainda não tem chave PIX, fique tranquilo(a)! Confira abaixo como você pode cadastrar a sua chave nessa instituição. Olha só:

  • Entre no app e desça a tela. Clique sobre “cadastrar chave” ícone que está na tela inicial do aplicativo;
  • Após isso, escolha que tipo de chave você quer cadastrar. Pode ser e-mail, número de celular, CPF ou chave aleatória;
  • Em seguida, você precisará validar a chave. Para isso, deverá inserir um código que o banco vai mandar via SMS;
  • Agora, confirme a transação com o seu código de SMS e também com a sua senha transacional.

Pronto! A sua chave PIX do Banco C6 estará disponível em pouco tempo para uso. Nesse sentido, a instituição te mandará uma notificação sobre a conclusão do processo.

Benefícios em fazer o PIX nessa instituição

Existe uma vantagem em usar o número de celular ou o CPF como suas chaves do PIX neste banco! Desse modo, você ganha pontos no programa de recompensas da instituição.

Não perca mais tempo! Se você é cliente do C6, cadastre agora mesmo o seu PIX!

Viu só como fazer um PIX no C6 BANK é super fácil? Se você gosta desse tipo de conteúdo, leia outros posts sobre serviços bancários em nosso blog!

Qual o limite de pagamento de boleto na lotérica?

Você deseja saber qual é o limite de pagamento de boleto na lotérica? Atualmente, grande parte das pessoas ainda fazem pagamentos por boletos.

Afinal, esse método é muito prático para empresas. Bem como, quem possui contas digitais muitas vezes faz depósito dessa forma, não é mesmo?

Nesse sentido, pagar esses documentos nas casas lotéricas é garantia de agilidade e segurança. Isso porque esses estabelecimentos contam com pessoas treinadas a receber esse tipo de pagamento.

Ademais, você recebe um comprovante assim que quitar o seu boleto. Você quer saber mais sobre esses documentos? Que tal entender também qual é o limite de pagamento de boleto na lotérica?

Sem mais delongas, leia a matéria abaixo e domine tudo sobre o assunto. Confira!

Quero saber: qual é o limite de pagamento de boleto na lotérica?

Antes de mais nada, saiba que os valores recebidos em boletos nas casas lotéricas sofreram alteração nos últimos meses.

Nesse sentido, desde o início da pandemia do novo coronavírus, houve algumas modificações. Portanto, veja o que está valendo atualmente nesse cenário atual. (Informação sujeita a alterações. Pesquisa realizada em 02 de julho de 2021). Veja só!

limite pagamento de boletos lotéricas

Boletos da Caixa Econômica Federal

Primeiramente, saiba que os boletos emitidos pela Caixa podem ser pagos nas lotéricas desde que não ultrapassem 2 mil reais, se for pago em dinheiro.

Todavia, se você for pagar em cheque, só poderá quitar mil reais através dessa modalidade de pagamento.

Salientamos que isso se dá para todos os tipos de boletos da instituição, como faturas de cartões de crédito, prestações habitacionais, consórcios, fatura do Construcard, etc.

Boletos de outros bancos

Além disso, também dá para pagar boletos de outras instituições financeiras nas casas lotéricas. Todavia, o valor varia.

Antes da pandemia do novo coronavírus, os limites giravam entre 700 e mil reais. Contudo, atualmente, você pode pagar boletos de até 1.300 reais emitidos por outros bancos, exceto a Caixa.

E se eu precisar pagar um valor alto em boleto. Como faço?

Sob o mesmo ponto de vista, existe ainda uma outra dúvida em relação a boletos mais altos. Ou seja, com valor superior a 2 mil reais.

Desse modo, se você possui boletos com valores altos, deve pagar pelo app do seu banco, pelo internet banking ou até mesmo na sua instituição (agência física).

Por medidas de segurança, diversos bancos só aceitam pagamento de boleto de valor alto diretamente na boca do caixa.

Como vejo meus limites de pagamento

Atualmente, você pode ver os seus limites de pagamento de boletos por app, pelo internet banking ou até mesmo no caixa eletrônico.

Assim, essas informações também ficam disponíveis nos próprios meios digitais. Para você conferir, acesse o app e procure a aba “limites”.

Dicas de cuidados com pagamentos em boletos

Por último, queremos te ajudar a se precaver contra golpes e ações de pessoas má intencionadas.

Nesse sentido, confira algumas dicas simples, mas super eficazes para você não pagar boletos de golpistas! Salva esse post pra você sempre ficar de olho nessas sugestões, veja:

  • Primeiramente, confira o código de barras do documento. Lembre-se de que esses dígitos devem ser idênticos tanto na parte superior, quanto na parte inferior. Ademais, os 3 primeiros dígitos da sequência precisam ser o código do banco de destino do dinheiro;
  • Bem como, desconfie de boletos enviados por e-mail, WhatsApp e SMS. Desse modo, recomendamos que você mesmo(a) imprima o boleto através do site da empresa. Por exemplo, do e-commerce, da plataforma de negociação de dívidas, do site da loja que te presta serviços, etc.;
  • Além disso, confira sempre os dados do beneficiário, CNPJ e outras informações de quem vai receber o valor do documento. Assim, certifique-se de todos esses dados. Ah! Outra coisa: normalmente boletos falsos possuem pequenos erros de português e até erros gramaticais. Portanto, fique atento(a) a esses sinais;
  • Por fim, sempre confira o valor do boleto antes de pagá-lo. Afinal, um 0 a mais pode te fazer pagar mil ao invés de cem reais, não é mesmo?

Gostou de saber qual é o limite de pagamento de boleto na lotérica? Você gosta desse tipo de matéria?

Se sim, precisa assinar a nossa newsletter agora mesmo! O conteúdo é gratuito e você ficará por dentro de tudo o que acontece no universo do dinheiro!