Categoria: Dicas

5 dicas e conselhos para ser uma empresa sustentável

Ser uma empresa sustentável , mais do que uma reivindicação publicitária, é uma meta séria e muito ambiciosa. Já explicamos em um artigo os tipos de sustentabilidade que existem e ficou bem claro que sustentabilidade é um conceito amplo e complexo, embora normalmente seja usado de forma muito leve.

Uma verdadeira estratégia de sustentabilidade empresarial deve ser coerente e consistente. No entanto, não vamos entrar em pânico! Muitas empresas têm demonstrado que implementar esse tipo de plano é perfeitamente compatível com a obtenção de alta lucratividade.

Neste artigo queremos contar tudo o que você precisa saber para inserir a sustentabilidade no DNA da sua empresa.

Características de uma empresa sustentável

O que significa para uma empresa ser sustentável? É verdade que a resposta tem muito a ver com responsabilidade ambiental e corporativa, mas não é a mesma. São conceitos diferentes e interligados, mas a sustentabilidade vai além.

Quais são os benefícios de uma empresa sustentável? Bem, a verdade é que eles são muito numerosos. Às vezes, cometemos o erro de pensar que uma empresa que defende a sustentabilidade será, portanto, menos lucrativa. Não deve ser visto, longe disso, como um voto de pobreza. Afinal, somos empresas, e negar a busca pela lucratividade seria um absurdo.

Como ser uma empresa sustentável? 5 dicas básicas

Vamos dar 5 dicas práticas para que você saiba como fazer uma empresa sustentável e sustentável.

1) Escolha bem seus colaboradores

Selecionar bem os fornecedores e demais colaboradores com quem vamos trabalhar é fundamental. O fato de estes também possuírem os valores de uma empresa sustentável nos ajudará a alcançar a coerência e nos dará muita inspiração.

Existem redes como a Economia Social e Solidária ou a Economia do Bem Comum que já se pretendem uma alternativa real e em larga escala.

2) Gerenciar seus recursos

Se a sua empresa fabrica e comercializa mercadorias, deve zelar pela qualidade das suas matérias-primas : condições de produção, condições de transporte, gestão dos materiais quando se transformam em resíduos …

É importante também ter certeza de que, na produção anterior processos, foram-lhes garantidas condições de trabalho dignas Caso não seja possível comprar os materiais em sua localidade, uma opção é recorrer ao comércio justo.

E se você considerar a incorporação dos princípios do design sustentável em seu negócio?

Outro aspecto a ter em conta é que, embora quando falamos em ‘recursos’ tendamos a pensar em materiais, não podemos ignorar os recursos energéticos. Se a sua empresa é prestadora de serviços, também pode gerir os seus recursos de forma sustentável poupando energia: desligue equipamentos que não estão a ser utilizados, aproveite a luz solar, faça uso responsável do ar condicionado ou do aquecimento …

Outros recursos para gerir são embalagens e recursos humanos e monetários. Lembre-se de que cuidar de seus funcionários e não tomar empréstimos excessivos também é sustentabilidade.

3) … E também o seu lixo

Em primeiro lugar, você deve lembrar que seguir a regra 7R é essencial porque, sem seguir o ponto 2, acertar no ponto 3 vai ser complicado.

Não nos cansaremos de dizê-lo: o melhor resíduo é aquele que não é gerado!

Se é inevitável gerar lixo em seu modelo de negócio, você terá que se esforçar para aprender a administrar o lixo de maneira adequada. Você já sabe que, dependendo da natureza da sua empresa e do tipo de resíduo que ela gera, terá que seguir um protocolo diferente.

4) Faça educação ambiental

Treinar nossos funcionários para integrar os valores de uma empresa sustentável em seu comportamento diário é um ponto muito importante.

Se você está implementando o teletrabalho, é provável que seja muito mais complicado, pois não podemos entrar em suas vidas privadas. No entanto, podemos organizar treinamentos ambientais de vez em quando que os sirvam para o seu desenvolvimento profissional, mas também pessoal.

5) Rastreie sua pegada de carbono

Mais e mais tipos de organizações começaram a fazer um registro da pegada de carbono .

O que você pode fazer é escolher um ano base, escolher uma calculadora e fazer de uma forma mais amadora. Nesses casos, o mais normal é começar a medir a pegada em uma área específica, como viagens de negócios.

A ideia seria coletar informações sobre todas as viagens realizadas no ano base (meio de transporte, km percorridos etc.) e tentar reduzir as emissões a partir dessa referência. Algumas das ações a serem realizadas seriam compartilhar um carro, escolher um meio de transporte mais limpo, aproveitar mais as viagens ou fazer um formato online quando viajar não for imprescindível.

Outra opção é terceirizar o cálculo da pegada de carbono e ter uma consultoria ambiental como a nossa para fazer isso.

Dicas extras para empresas sustentáveis

Caso nosso conselho o tenha ajudado a trabalhar, damos essas 5 últimas dicas para que você possa seguir em frente em seu caminho para um negócio sustentável.

  • Menos folhetos e mais Internet. Se você precisa anunciar algo, aproveite o potencial das mídias sociais. Vai ter mais impacto e você vai mandar menos lixo para o planeta. Claro, também estamos cientes do gasto de energia que fazemos.
  • Obtenha um certificado de empresa sustentável. Ter uma certificação será o que fará a diferença para que seus clientes saibam que você é sério e que o seu não é greenwashing .
  • Use garrafas de vidro e água da torneira. Muitas vezes, um gesto tão simples pode economizar enormes custos ambientais e monetários.
  • Elimine o ‘uso único’ em geral. Você pode aplicar isso mudando para embalagens sustentáveis ou adquirindo embalagens compostáveis ​​para eventos de sua empresa.
  • Use o senso comum. Não é tão difícil: não endivide sua empresa ou o planeta e tudo correrá bem.

Esperamos ter ajudado você a internalizar os fundamentos de uma empresa responsável e sustentável e inspirado você a seguir em frente. Que tal desenvolver um plano de sustentabilidade sob medida para sua empresa? Se precisar de ajuda, você sabe onde estamos.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Como você escolhe o tênis de corrida certo?

Um tênis de corrida de boa qualidade, que absorva o impacto e proteja os pés confortavelmente: isso é muito importante para os corredores.

Quer você seja um iniciante ou um corredor experiente, é essencial reservar um tempo para fazer compras para encontrar o tênis de corrida certo. Escolher o modelo certo de calçado esportivo é a chave para evitar lesões.

Aqui estão algumas dicas a serem consideradas para ajudá-lo a fazer a escolha certa.

Confira agora os Melhores Tênis Nike Air Max do Mercado

Dicas para escolher o tênis de corrida certo

Tamanho do tênis de corrida

Tenha cuidado para não escolher um modelo de calçado desportivo muito apertado para o seu pé.

Não selecione um calçado muito grande, caso contrário, você obterá bolhas ao correr.

Lembre-se de que, durante a corrida, seu pé incha e tende a crescer vários milímetros. Se o seu pé tocar a ponta do sapato, você pode danificar as unhas dos pés.

Portanto, certifique-se de selecionar o tamanho certo: nem muito grande nem muito estreito.

Peso x o estilo do tênis de corrida

Com base em um determinado peso, é importante escolher diferentes modelos de calçados. Na verdade, o choque que seu pé suporta durante a corrida varia de acordo com seu peso. Portanto, o calçado deve ser capaz de absorver o impacto gerado.

Se você pesa mais de 175 libras, é recomendável escolher um calçado com mais amortecimento no calcanhar e antepé. Seu IMC (Índice de Massa Corporal) é um bom indicador do modelo a ser escolhido. Em alguns casos, se um corredor for muito obeso, às vezes é recomendado selecionar outra opção diferente de correr para começar a voltar à forma.

Não hesite em pedir conselhos a um podólogo sobre o tipo de modelo mais adequado para você.

Escolha tênis de corrida (e nada mais)

O melhor tênis de proteção para corredores é sempre um tênis de corrida.

Para evitar lesões, é importante escolher calçados projetados especificamente para corrida e não para várias outras atividades. Portanto, calçados poliesportivos não são recomendados para corredores. Eles não têm uma resistência ao impacto tão boa quanto um calçado projetado exclusivamente para corrida.  

Opte pelo conforto dos pés

Um bom tênis de proteção para corrida também deve ser confortável para os pés.

Esqueça a marca ou o estilo do sapato. O critério mais essencial deve ser o conforto dos pés. Isso garantirá que você se sinta confortável, minimizará o risco de lesões e desenvolverá hábitos de corrida adequados.

Uma dica rápida: experimente o calçado com um par de meias que normalmente usa para correr. Se você se sente confortável, provavelmente escolheu um bom modelo de tênis para correr.

Seu podólogo pode ajudá-lo a escolher o tênis de corrida certo

Obtenha os melhores conselhos ao escolher seus tênis de corrida. Independentemente do seu nível de saúde ou experiência de corrida, o seu podólogo é o especialista ideal para fornecer conselhos adequados ao comprar sapatos.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Dicas úteis para escolher sapatos confortáveis

Os pés são a base do nosso corpo e suportam o nosso peso ao longo do dia. Portanto, o calçado, além de ser um dos nossos acessórios preferidos, é a chave para a saúde dos nossos pés, mas sabemos realmente como devem ser os nossos sapatos?

Em primeiro lugar, temos que saber que, sempre, sempre, devemos escolher um calçado confortável, pois, se escolhermos um calçado adequado para os nossos pés, evitaremos futuras doenças articulares e outras patologias podiátricas. Mas … nós sabemos o que você está pensando e você está muito enganado, calçado confortável não é sinônimo de calçado ortopédico ou feio. 

Atualmente, as tendências e a moda se adaptam aos nossos gostos e necessidades e conseguem aliar qualidade, conforto e estilo, com opções de calçados confortáveis ​​e bonitos. Mas, para que você não tenha problemas na hora de escolher o calçado, contamos tudo o que você precisa saber. Atenção!

Veja também – Os Melhores Nike Air Force – Tênis Confortável e acessível para você

Dicas para escolher sapatos confortáveis

1. Leve em consideração o uso que vai dar aos seus sapatos

Existem inúmeras opções de sapatos adequados para todos os tipos de atividades, por isso deverá levar em consideração quando, onde e para que usará os seus sapatos. Aqui estão alguns exemplos das atividades mais comuns para inspirá-lo em sua próxima escolha:

Calçado esportivo: cada atividade desportiva possui calçado próprio especializado. Por exemplo, se você pratica corrida, está interessado em comprar tênis especiais para corrida, ou se gosta mais de futebol ou tênis, terá que escolher designs adequados para esse esporte. Porém, em qualquer caso, devem apoiar o pé em sua totalidade e ter respirabilidade e sola adequadas.

Atividades ao ar livre: se você pratica atividades ao ar livre em climas quentes como a praia ou o mar, deverá escolher calçados leves com sola antiderrapante, como o calçado de caranguejo. Se, por outro lado, você precisa de calçados para atividades ao ar livre em climas mais frios, procure calçados com sola antiderrapante, de preferência botas grandes o suficiente para aquecer o pé.

Calçado para o dia a dia: se necessita de calçado para o seu dia-a-dia, a nossa recomendação é que escolha um calçado confortável, uma vez que o acompanhará ao longo do dia, mas seja formal. Sapatos bons e confortáveis ​​para ir ao escritório vão ficar bem com a sua roupa. Que tal alguns tênis de plataforma? Você irá até o fim!

Sapatos sociais: se você tiver um evento especial, provavelmente prestará mais atenção à estética do calçado e, embora tenhamos que admitir que é um aspecto muito importante, o conforto também é … Ou então, como vai você vai durar a noite toda dançando? Embora seja difícil de acreditar, existem linhas de calçado em que conforto e design andam de mãos dadas.

2. Materiais de qualidade

Os materiais externos do calçado não são tão importantes para o conforto dos nossos pés, embora nunca machuque … No entanto, materiais de qualidade na sola e no interior do calçado são essenciais para o nosso conforto, especialmente se tiver delicadeza pés.

Para isso, recomendamos que a sola do calçado seja preferencialmente de borracha, pois o calçado terá uma maior aderência ao solo. Quanto ao interior do calçado, se pretende que o seu pé seja confortável e evite suores e maus cheiros, o nosso conselho é que opte por materiais como o couro. 

Hoje, existem empresas que sabem combinar estes materiais de qualidade sem perder o gosto e a estética dos seus designs.

3. Faça um bom investimento!

Como diz o ditado, barato é caro, por isso o preço não deve ser regra na escolha do calçado. No longo prazo, será mais lucrativo para você ter investido um pouco mais de dinheiro, mas ter sapatos de qualidade e confortáveis ​​que duram mais.

4. Meça os seus pés e escolha o tamanho correto

Antes de mais nada, para experimentar alguns sapatos você deve saber quais são as medidas do seu pé, se são mais largos que o normal, qual o comprimento … Então você pode saber de que tipo do calçado é o que melhor se adapta aos seus pés.

Portanto, experimente:

  • Que o sapato não seja muito apertado.
  • Que não nos cabe, pois pode causar atritos e outros ferimentos.
  • Uma boa medida para verificar se o calçado é ideal para você é colocar um dedo entre o calcanhar e o calçado. Se possível, é perfeito!
  • Verifique se o dedão do pé não esfrega a ponta do sapato.

5. Experimente bem

Antes de comprar um calçado, experimente e certifique-se de que se adapta ao formato do seu pé. Qual é a melhor forma? Experimente-os sem pressa e caminhe alguns minutos com eles, assim você verá que eles ficam confortáveis ​​e não te machucam. 

Se falamos em sandálias de salto alto, certifique-se de que nenhuma costura ou tira está justa e que o salto não é excessivamente alto. Se, por exemplo, for um sapato fechado, certifique-se de que não machuca o peito do pé.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

6 alimentos que realmente precisam ficar na geladeira

A refrigeração é um dos maiores avanços do mundo moderno. A partir dela tivemos a possibilidade de conservar alguns tipos de alimentos com segurança por um prazo maior. O conceito de segurança alimentar só foi possível de ser elaborado com o advento da geladeira.

Uma pesquisa realizada em 1961, na Inglaterra, revelou que 50% das famílias britânicas possuíam televisão, mas apenas 20% dispunham de geladeira. Esses dados preocuparam os órgãos públicos na época, uma vez que já se tinha por necessário manter refrigerado todo tipo de alimento perecível.

A partir de então, em todo o mundo, foram elaborados estudos sobre a relação entre refrigeração e saúde. A verdade é que, ainda hoje, essa necessidade gera dúvidas. Pensando nisso, preparamos uma lista explicando o porquê de esses 6 alimentos precisarem ser mantidos na geladeira.

Laticínios

Derivados de leite, animal ou vegetal, devem estar sempre refrigerados em recipientes fechados. A combinação de gorduras, carboidratos e proteínas presentes nestes produtos compõe um ambiente propício para a proliferação de microrganismos, como fungos e bactérias.

Assim, queijos, manteigas, margarinas e mesmo o próprio leite, especialmente depois de abertos, devem permanecer na geladeira. Geralmente os rótulos desses produtos informam em quanto tempo eles devem ser consumidos, garantindo que a ingestão seja segura.

Ovos

Não é raro encontrar pessoas que preferem deixar os ovos fora da geladeira e, mesmo nos mercados, é bastante comum que eles não estejam refrigerados. Enquanto crus, os ovos estão bastante suscetíveis às mudanças de temperatura do ambiente, especialmente ao calor, o que pode estragar o alimento.

A refrigeração a uma temperatura constante conservará os ovos de maneira segura. É a forma mais eficaz de armazená-los.

Sobras de alimentos cozidos

Outra categoria de alimentos que gera bastantes dúvidas é a sobra de alimentos já preparados. Há muitas pessoas que preferem deixá-las no fogão, especialmente no intervalo entre almoço e o jantar. É verdade que isso pode ser bem perigoso.

É necessário esperar a comida esfriar, pois quando quente pode afetar o funcionamento da geladeira. O ideal é manter esses alimentos em refrigeração por, no máximo, 48 horas.

Ketchup

Segundo o Serviço de Saúde do Reino Unido, órgão público da região, estando dentro do prazo da validade, o ketchup pode ser consumido mesmo quando armazenado fora da geladeira, já que a acidez garante sua conservação e evita a proliferação de microrganismos. Por outro lado, a cor e o sabor são alterados se o produto não for devidamente refrigerado.

Assim, o melhor é mantê-lo na geladeira para garantir que não haja alterações.

Carnes

Carnes, de maneira geral, não podem ficar mais que duas horas fora da geladeira. Se a sua intenção é armazenar por mais de dois dias, é melhor que ela seja congelada. Como a maior parte dos alimentos de nossa lista, as carnes apodrecem rápido em razão da combinação de proteínas, gorduras e carboidratos em uma proporção ideal para a reprodução de microrganismos.

Maionese

Encerramos nossa lista com um dos alimentos mais perigosos de se deixar fora da geladeira. É importante lembrar que a maionese tem como base o ovo de galinha cru e, exatamente por isso, mesmo a temperatura ambiente pode colocar em risco sua qualidade.

É claro que ela pode ficar alguns minutos fora da geladeira enquanto é consumida, mas é importante checar a temperatura do ambiente para ter certeza de que ainda esteja fria. Outra dica é que se deve evitar comer maionese fora de casa, especialmente em lugares que não se tem certeza sobre a procedência e o armazenamento do produto.

E ai caro leitor do blog, sentiu falta de algum alimento? Aproveite o espaço abaixo e deixe o seu comentário!

Você sabe o que é SMTP? Leia este artigo e fique por dentro!

É comum que haja diversos questionamentos sobre o SMTP, sendo assim, você está no artigo certo, pois aqui abordaremos sobre o que se trata esse assunto de maneira simples e clara!

A carta precisa seguir algumas regras de padronização, certo? Desde o remetente até o seu destinatário e isso não é diferente com os e-mails, o que prova que o mundo online é bastante similar com a realidade.

O e-mail também segue protocolos, desde quando o botão “enviar” é clicado, até o momento em que ele encontra o seu destino.

Mas como é que isso se relaciona com o SMTP?

O SMTP, Simple Mail Transfer Protocol, ou Protocolo de Transferência de Correio Simples, é responsável por padronizar dados que identificam cada e-mail e o caminho que será percorrido.

Ou seja, o e-mail para ser entregue de forma íntegra, segura e sigilosa deve ser o SMTP.

Já é possível entender um pouco sobre o SMTP, não é mesmo? Continue acompanhando o artigo atentamente para saber mais informações sobre esse assunto.

Boa leitura!

Fonte: Site de mensagens megafrases

Como funciona o SMTP? Entenda!

Não há muita complexidade para entender o funcionamento do servidor SMTP.          

Saiba que quando alguém escreve um e-mail e clica para enviá-lo, todas os dados referentes a ele serão entregues para o SMTP.

É nesse momento que o servidor irá realizar a adequação do conteúdo recebido aos padrões exigidos pelo protocolo de transferência de e-mail e irá fazer o encaminhamento pela internet.

Esse processo é muito similar ao procedimento feito por um carteiro ao recolher as correspondências que precisam ser enviadas.

Eles fazem toda organização, de acordo com o destino, e identificam esses pacotes seguindo as regras exigidas pela companhia.

Desta maneira, os malotes acabam sendo enviados para os transportes, até que chegue ao ponto de controle, que é a empresa responsável por finalizar a entrega.

Já no caso do e-mail esse papel será feito por um servidor chamado de POP/IMAP, que pegará todas essas mensagens recebidas na internet e as enviará até as caixas de destinatários.

É tudo muito parecido com a vida de um carteiro, contudo, de maneira digital e dentro de poucos segundos.

O e-mail não pode ser enviado sem servidor SMTP

Entenda que o servidor SMTP é que garante que o seu e-mail será enviado da forma que você deseja, ele tem a responsabilidade de cumprir a função de intermediação.

É o SMTP que verificará todos os requisitos de envio, garantindo que a mensagem seja entregue em sua totalidade para a pessoa correta e dentro do menor tempo possível.

Agora que você já leu o artigo do nosso blog e está por dentro do assunto, não deixe de compartilhar essa informação em suas redes sociais!

Para que serve a tabela FIPE e qual é a sua importância

A tabela FIPE é um instrumento indispensável para quem deseja comprar ou vender o seu veículo usado. Afinal, contribui para as negociações, sobretudo no que diz respeito ao valor real do veículo.

No entanto, o que muitas pessoas não sabem, é que ela não garante que o preço estipulado seja o mesmo do fechamento do negócio. Ao longo deste post você poderá compreender melhor esse tipo de informação e ainda descobrir qual a verdadeira importância dessa tabela. Confira:

Tabela FIPE: o que é

A tabela FIPE é um método de precificação amplamente utilizado no processo de avaliação e negociação de veículos. Os dados da tabela são mensalmente divulgados e atualizados, pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), entidade responsável pelo levantamento de informações desse setor no mercado.

Nela estão expressos os valores médios em reais, dos preços de automóveis, de acordo com a sua marca, ano e modelo. É importante destacar, que essa tabela não avalia quesitos como:

  • Quilometragem do veículo
  • Estado do automóvel
  • Cor
  • Acessórios do veículo
  • Região

Isso faz com que o processo de precificação do veículo com base nessa tabela, ocorra de modo totalmente imparcial, o que proporciona mais transparência e segurança no momento da comercialização do automóvel.

Afinal, para que serve a tabela?

De maneira geral, essa tabela é considerada como o primeiro passo para a negociação ou até mesmo avaliação de um veículo usado. É por meio dos dados obtidos com a tabela, que será dado o início para a compra ou venda dos automóveis.

Os valores da tabela são definidos de acordo com os preços dos mais diversos veículos do mercado, sejam eles novos, seminovos ou usados. É justamente por isso que ela é usada como uma referência para os vendedores.

Mas atenção! O valor definido para o veículo que se deseja comprar ou vender não é estipulado com base apenas nisso. Pelo contrário, para precificar um veículo é necessário levar em consideração outras variações que não estão inseridas na tabela.

A verdadeira importância da Tabela FIPE

A tabela FIPE é de suma importância para a comercialização e negociação de veículos em todo o país. Afinal, sem ela seria praticamente impossível estipular um preço justo a um veículo seminovo ou usado.

Desde quando foi criada, em 1973, ela tem sido amplamente utilizada por instituições financeiras, seguradoras e até mesmo por motoristas que não possuem base de preço no segmento automotivo.

Devido a ela, tornou-se mais prático e seguro estipular preços de venda e compra de veículos, de acordo com as suas especificidades e avaliação de mercado. A sua importância é tamanha que o indicador da tabela também é usado como base para o cálculo de impostos como o IPVA e para as parcelas de seguro dos carros.

Como usar a tabela Fipe

Mas como usar essa tabela tão importante para negociações de veículos? É simples, tudo que o interessado na compra ou venda de veículos precisa fazer é acessar o site do Instituto e fazer a pesquisa gratuita dos melhores preços do mercado para os carros usados, seminovos ou novos.

Para isso, o site irá exigir que sejam inseridas algumas informações sobre o veículo, tais como:

Tipo do veículo: Caminhão, moto ou carro

  • Ano de Referência
  • Modelo
  • Marca
  • Ano de Fabricação

É com base nessas informações que o sistema irá apresentar as importâncias, em reais, de cada tipo de veículo. Com base nelas, será possível iniciar qualquer tipo de negociação de compra ou venda de veículos, independente da sua condição.

Usar a tabela FIPE no momento da negociação de um automóvel, é uma das principais garantias de que se está realizando uma boa venda ou compra. Afinal, seus preços são elaborados de maneira imparcial, de acordo com as reais necessidades e demandas do mercado.

Esse parâmetro é tão seguro e eficaz, que até mesmo as grandes instituições financeiras e seguradoras do país a utilizam como base de precificação dos seus serviços e produtos.

Por essa razão, se você está pensando em vender ou comprar um veículo opte por acessar o site oficial da fundação e realizar uma pesquisa prévia sobre o valor de mercado que esse veículo possui no mercado.