Paládio, o metal precioso que é mais valioso que o ouro

Seu processo de extração é complexo e caro por ser encontrado em liga com outros metais.

Apenas alguns países do mundo têm o privilégio de ter uma mina de paládio

Entre suas muitas propriedades, destaca-se sua capacidade de absorver grandes quantidades de hidrogênio molecular.

Em maio passado, a onça de paládio chegou a 3.018 dólares. Foi o seu máximo histórico e há previsões de que continuará a subir à medida que a recuperação económica mundial que impulsiona o seu consumo avance. É ainda mais caro que o ouro, que está sendo negociado a US$ 900 a menos. Com estes números, que nos fazem arregalar os olhos, na Uppers perguntamo-nos o que é o paládio e qual a razão da sua procura. De todos os metais preciosos no comércio, por que o paládio é tão caro, onde podemos encontrá-lo e como o paládio é obtido?

Nunca foi barato porque é escasso e suas aplicações são inúmeras. Como sempre acontece, quem manda no mercado de paládio é a lei da oferta e da procura. Seu valor se deve às suas propriedades físico-químicas que o tornaram um material essencial na fabricação de catalisadores para carros a gasolina e diesel. Tornou-se também indispensável na produção de capacitores e outros componentes para dispositivos eletrônicos.

Confira mineração brasil para mais informações sobre mineração.

O que é paládio?

O paládio, Pd na tabela periódica dos elementos, faz parte do grupo da platina com seis outros metais. Eles compartilham propriedades físico-químicas semelhantes. Não oxida em contato com o ar, é macio e maleável. De todo o seu grupo, é o menos denso e com o ponto de fusão mais baixo, mas o mais importante é que é capaz de absorver enormes quantidades de hidrogénio molecular (H2) à temperatura ambiente. Especificamente, em catalisadores de automóveis absorve até 900 vezes o seu próprio volume.

Como o paládio é obtido?

O principal problema com o paládio é que não é um elemento acessível . A natureza é caprichosa e quase sempre foi encontrada em ligas com outros metais do mesmo grupo , como platina, ródio ou rutênio. É mais, mesmo em liga com um de seus principais concorrentes no mercado de ações: o ouro. Portanto, é necessário processar uma grande quantidade de metais para obter uma pequena quantidade de paládio. Aqui está uma das razões para o seu alto preço. Como única vantagem, no difícil e grande processo de extração, economicamente falando, obtém-se o restante dos metais com os quais permanece no subsolo, além de outros igualmente valiosos, como níquel ou cobre.

Soma-se à escassez e ao alto custo de extração o fato de hoje serem pouquíssimos os países que produzem paládio. A Rússia é um deles, respondendo por aproximadamente 50% do mercado mundial graças às minas nos montes Urais. Os da África do Sul, Canadá, Estados Unidos, Etiópia e Austrália compõem os 50% restantes.

Por outro lado, nos reatores de fissão nuclear de hoje também é possível obter paládio a partir de resíduos de combustível nuclear. No entanto, o alto nível de radiação emitida e o processamento complexo envolvido fazem com que este método de extração seja descartado.

Quais são as aplicações do paládio?

Na indústria automobilística , o paládio é utilizado para revestir a malha cerâmica utilizada nos conversores catalíticos dos carros a gasolina e diesel . Especificamente, o paládio absorve grandes quantidades de hidrogênio molecular (um gás inflamável, inodoro e incolor), reduzindo assim os gases nocivos expelidos pelos motores de combustão interna. As emissões de monóxido de carbono e hidrocarbonetos são neutralizadas e transformadas em dióxido de carbono e vapor de água.

Quanto ao seu uso no campo da eletrônica de consumo, o paládio ligado à prata normalmente faz parte dos capacitores das placas-mãe de computadores, televisores ou equipamentos de som. Também é utilizado, mas em liga com níquel, como revestimento para as áreas de contato entre componentes elétricos, bem como em painéis de soldagem, como os utilizados em joalheria, devido à sua robustez e durabilidade. No mesmo campo da joalheria, destaca-se como material alternativo à prata e ao ouro branco. Além disso, é altamente valorizada nos setores de fotografia e eletroquímica.

Como apontam especialistas de mercado, o preço do paládio continuará crescendo porque a indústria automobilística se recuperará à medida que a economia avançar após o Covid-19. Da mesma forma, a extração desse metal sofrerá um ajuste para baixo. Conforme publicado recentemente pela mídia internacional, “o maior produtor mundial de paládio revelou que após as inundações em suas minas árticas, a produção será limitada”.

Como juntar dinheiro para comprar o primeiro imóvel?

O mercado de trabalho e o mercado atual depois de passarem por uma crise estão se recuperando lentamente e mostrando sinais palpáveis dessa recuperação, todos nós consumidores nos animamos a cada notícia que saiu confirmando essa esperança e com isso começamos a pensar em sonhos mais altos como o da casa própria. Porém essa é uma decisão que tem que ser tomada com calma pois o valor de um imóvel, mesmo que financiado, é consideravelmente grande.

Pensando nisso, é aconselhável que o futuro comprador junte dinheiro para conseguir pagar a totalidade do imóvel ou também tentar pagar um grande valor de entrada e reduzir a quantidade e o valor das parcelas, mas todos nós sabemos que não é fácil juntar dinheiro, né? Bem como, não é simples as operações de financiamento junto a grande bancos, como por exemplo o Itaú.

Formas de Investimentos

 Porém mesmo sabendo que não é uma tarefa fácil juntar dinheiro existem algumas possibilidades que facilitam essa tarefa para todos os tipos de pessoas, seja você um grande investidor ou apenas um universitário começando a vida financeira, a primeira delas é a famosa e muito antiga poupança. A poupança é uma das melhores formas de juntar dinheiro pois é uma forma de investimento muito segura e que normalmente vai render todo mês, rendendo mais à medida que você colocar mais dinheiro.

A poupança é indicada para pessoas que não possuem muito conhecimento com o mercado financeiro e muito menos com o mercado de investimento. Existem outras opções de investir o seu dinheiro, porém a poupança não possui muitas complicações e por conta disso é muito fácil de entender como ela funciona e também é muito fácil prever como ela pode te ajudar a realizar seu sonho.

Outra vantagem que a poupança possui é que você pode retirar todo o dinheiro em qualquer momento que quiser, não existe um tempo mínimo que o dinheiro deve ficar na conta e muito menos um valor mensal que deve ser depositado, isso facilita e deixa mais transparente a sua relação com o dinheiro que você está juntando e a cada mês que puder investir você vai estar mais perto do seu sonho.

Uma outra forma que existe de juntar dinheiro e além de ser a última novidade do mercado financeiro ainda promete ser uma grande facilitadora da realização do sonho da casa própria, estamos falando dos aplicativos de investimento. Esses aplicativos já existem a algum tempo e agora estão ganhando mais adeptos por causa da sua simplicidade e eficácia. As plataformas trabalham de forma que você precisa somente de fazer um investimento inicial e definir qual o objetivo que você pretende alcançar, com isso eles ficam responsáveis por gerir e investir o seu dinheiro da melhor forma. 

Enfim, após conseguir juntar o dinheiro necessário para adquirir uma propriedade é importante entender como funcionam as negociações para poder comprá-la. Por exemplo, se você resolver comprar uma casa no condomínio Malibu Barra, como irá funcionar essa operação. Portanto, conheça agora os tipos de negociações do mercado imobiliário.

Tipos de negociações

O empreendimento é oferecido pelo modelo denominado obra por incorporação. A construtora constrói e incorpora o condomínio, com isso, realiza a venda das unidades. De fato, é um modelo de negócio muito seguro, que garante a segurança do processo, que é reconhecido por lei.

Então, para que você possa entender melhor a execução do negócio, veja o exemplo abaixo de um modelo de fluxo de pagamento por obra por incorporação:

FLUXO DE PAGAMENTO 

  • Valor do Apartamento: R$ XXX.XXX,XX – 100%;
  • Entrada:10%;
  • 28 parcelas mensais: 10%;
  • Parcela única na entrega das chaves (podemos ainda montar um fluxo sem esta parcela): 10%;
  • Saldo a financiar com o banco de sua preferência ou quitar com recursos próprios: 70%.

Por outro lado, o modelo de negócios denominado obra por administração, conhecido também como “obra por preço de custo”. A construtora responsável pelo produto administra e constrói o residencial. Então, nessa operação você é o dono do negócio, pois é proprietário de uma fração do terreno, chamado de cota do terreno, proporcional à sua unidade. No entanto, é necessário que pague também a cota da obra, ou seja, o custo com a construção.

Enfim, esse modelo de negócio é o que garante um dos investimentos mais rentáveis no mercado imobiliário, sem custos após o fim da construção e o valor do metro quadrado fica imbatível quando pronto. Portanto, veja abaixo um exemplo fictício de fluxo de pagamento pelo modelo de negócio denominado obra por administração:

FLUXO DE PAGAMENTO 

  • Valor do Apartamento: R$ XXX.XXX,XX – 100%;
  • Cota do Terreno:Entrada de x% do valor do apartamento + parcelas de x% do valor do apartamento, a parcela sofre reajustes conforme a variação do Custo Unitário Básico (CUB – RJ);
  • Cota da Construção: Parcelas anuais ou mensais: x% do valor do apartamento, a parcela sofre reajustes conforme a variação do Custo Unitário Básico (CUB – RJ);
  • Total:O prazo de pagamento é obrigatoriamente encerrado junto à entrega do empreendimento.

10 ideias e exemplos para criar conteúdo digital

A presença digital de uma marca tem múltiplas facetas a serem consideradas, mas sem dúvida, a mais importante é o próprio site corporativo . É aí que você pode postar tudo o que deseja explicar aos clientes, indústria, parceiros em potencial e trabalhadores. É sem dúvida o local ideal para distribuir conteúdo de qualidade que atraia os motores de busca (Google) e permita que os interessados ​​entrem em contato com as nossas mensagens.

Em um processo de compra profissional, existem diferentes trabalhos a serem realizados e, às vezes, por pessoas diferentes. Primeiro, eles se questionam sobre seus desafios ou exploram uma oportunidade (para isso consomem conteúdo educacional); então, eles começam a investigar diferentes opções (fazer uma avaliação); e, por fim, escolhem uma empresa para fazer negócios (fase de conversão).

Ainda existem empresas que consideram que o processo de criação de um site está concluído em algum momento, quando as abordagens modernas especificam o contrário. Além das essenciais revisões de tecnologia, o conteúdo de uma página deve estar vivo, mudando conforme o negócio e o setor. Trata-se de fazer marketing de conteúdo que agregue valor aos visitantes, conteúdo educativo que atraia pessoas para um site e que permita o desenvolvimento de uma estratégia de inbound.

Você pode contar com a criação e produção gráfica digital da Monstra | Profissionais para atender a sua demanda.

Agora, qual conteúdo é atualizável? Como é criado?

Sem dúvida, é necessária uma equipe profissional, com experiência em marketing industrial, que domine o ecossistema e saiba extrair informações de uma empresa para torná-la atrativa para seus públicos. 

1. Postagens do blog

É triste ver páginas da web com uma seção de notícias que não tem conteúdo há três anos ou que tem apenas alguns textos mal redigidos com notícias corporativas de pouco interesse. O blog de uma empresa B2B que quer se destacar precisa ter uma densidade de conteúdo significativa que ajude a atrair tráfego.

2. Guias básicos

Há momentos em que é necessário explicar de forma ampla e simples conteúdos que despertem interesse e que, ao mesmo tempo, forneçam informações básicas sobre um setor ou mercado. 

3. Pesquisa de mercado

Quando eles fazem uma pesquisa, seus potenciais compradores não estão interessados ​​apenas em seus serviços ou produtos. Há outras preocupações e prioridades que eles querem abordar. Se eles obtiverem dados importantes, análises de mercado ou inteligência de negócios de sua empresa, você poderá se posicionar como um parceiro valioso.

4. Vídeos de fábrica

Em muitas ocasiões é necessário explicar como é um processo de fabricação ou quais capacidades um ativo industrial possui para convencer clientes e investidores. Isso pode ser feito trazendo equipamentos de gravação para a planta e editando um vídeo depois. Ou pode ser feito com animações e recursos gráficos que mostram um esquema de produção.

5. Publicação de mídia social

A mídia social não parece ser a escolha óbvia para a maioria dos fabricantes e empresas industriais como plataforma para ajudar a fazer negócios B2B, mas é um erro não aproveitar seu potencial com uma estratégia adequada . Ser ativo nas mídias sociais ajuda a aumentar o recall da marca e aumentar o tráfego para seu site.

Existem muitas empresas industriais que possuem conteúdos interessantes em suas redes sociais e que também permitem atrair a atenção de sua comunidade, mostrando imagens, vídeos e exemplos de seu trabalho.

6. Estudos de caso

A melhor maneira de conseguir clientes em potencial é explicar a eles como você ajudou seus clientes atuais . Uma boa coleção de histórias de sucesso, bem documentadas, bem estruturadas com dados interessantes (sem revelar dados confidenciais) pode ser decisiva.

7. Guias de compra

À medida que os compradores se aproximam do final do processo de compra , eles começam a formalizar o processo de seleção de um fornecedor. Para fazer isso, eles precisam de relatórios independentes e ferramentas de comparação.

8. Vídeos de produtos

Os vídeos são um elemento indispensável no arsenal do marketing de conteúdo e representam aproximadamente 80% de todo o tráfego online do mundo. Portanto, não é de surpreender que fabricantes e empresas industriais usem o marketing de vídeo para aumentar o reconhecimento de sua marca e produtos. Os vídeos facilitam a compreensão dos problemas e serviços complicados do setor.

9. Folhas de especificações e folhas de produtos

Quando um comprador profissional já está bem informado, ele acaba procurando detalhes de forma meticulosa. Para isso, é necessário explicar em documentos simples as especificações técnicas de seus produtos e serviços.

10. Webinars ou vídeos de apresentação.

As restrições à mobilidade devido à pandemia desencadearam a oferta de vídeos online baseados em apresentações de empresas , apresentações de produtos ou webinars. A participação em um fórum online permite o contato direto, mas manter esse vídeo em um repositório aumenta a durabilidade da mensagem.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Sustentabilidade corporativa: o que é e como alcançá-la

A sustentabilidade empresarial não é certamente apenas uma das tendências mais importantes que as empresas devem navegar de forma decisiva e credível, é também um elemento cada vez mais exigido pelos consumidores para escolherem que marca comprar e em que empresa confiar e apoiar. 

Obviamente, no entanto, a sustentabilidade corporativa também é algo mais profundo: é um novo tipo de abordagem de negócios que exige que as empresas repensem sua organização de forma abrangente, a fim de tornar suas atividades menos impactantes no meio ambiente. 

Por isso, a sustentabilidade empresarial é um assunto muito sério e delicado a ser tratado com o devido cuidado e com todo o empenho necessário para implementar uma transformação radical desse tipo.

Uma sociedade cada vez mais verde exige empresas cada vez mais verdes 

Não é nenhum mistério que a necessidade de uma reviravolta eco-sustentável esteja se tornando cada vez mais premente em todos os níveis. 

Eventos como o Fridays For Future, que mobilizou jovens em muitas cidades, ou a COP26 em Glasgow, que envolveu (quase) todos os principais países do mundo e seus líderes em um esforço conjunto para enfrentar a emergência ambiental, são exemplos de como a sustentabilidade é agora um elemento constante no debate público e na vida quotidiana a todos os níveis.

Você também pode se interessar – Quais são os três pilares da sustentabilidade ambiental?

Essa atenção, como dissemos, também tem um reflexo claro e direto no comportamento dos consumidores, que, de acordo com as observações mais recentes, tornaram -se “ecoativos”. ” Em outras palavras, eles se sentem responsáveis ​​pelo meio ambiente e modificam seu comportamento de acordo.

Basta dizer que, de acordo com a pesquisa #WhoCaresWhoDoes realizada pela Gfk, uma pessoa em cada cinco em nível internacional deixou de comprar determinados produtos ou serviços justamente por causa de seu impacto negativo no meio ambiente ou na sociedade em geral.

Outros resultados consistentes com isso também são coletados quando nos voltamos para o nível nacional: durante 2020, os consumidores ecoativos aumentaram em todos os lugares, mesmo na Itália, onde o segmento é de cerca de 23%. 

Mas a tendência está absolutamente em ascensão e não mostra sinais de parar. Prevê-se que dentro de alguns anos, consumidores conscientes e comprometidos com o meio ambiente se tornarão 40% de todos os consumidores em todo o mundo. 

Este é um grande segmento da população que as empresas não podem ignorar se quiserem se manter competitivas no longo prazo. Mas isso não é tudo. 

Entre o dizer e o fazer, a empresa está no meio 

Há outra tendência curiosa que deve levar as empresas a prestar atenção à sustentabilidade corporativa , que é a da lacuna entre intenção e ação. 

Em outras palavras, um bom número de consumidores expressa uma vontade absoluta de se comprometer com a proteção do meio ambiente, mas muitas vezes lutam para colocar essas intenções em prática. Por outro lado, essas mesmas intenções também são projetadas para outros e transformadas em deveres que devem ser cumpridos pelo governo (para 28% dos italianos) e pelas empresas (37%).

Isso significa que agora, mais do que nunca, as empresas estão investidas de um papel e uma responsabilidade que não tinham antes, e pelas quais agora devem prestar contas aos mesmos consumidores para cada escolha. 

Mas o que uma empresa pode realmente fazer para alcançar a sustentabilidade corporativa? 

A sustentabilidade corporativa requer uma transformação interdisciplinar 

Na realidade, há muitas coisas que uma empresa pode fazer para se tornar mais sustentável e podem afetar diferentes aspectos do seu negócio. 

Por exemplo, uma ação concreta pode dizer respeito aos recursos energéticos utilizados , garantindo que alguns setores ou algumas fases de produção utilizem energia “limpa”, optando por fontes alternativas ou autonomia energética. 

Aumentar a eficiência energética é uma possibilidade , que se traduz na criação de usinas que possibilitem economizar energia ou minimizar seus resíduos, com benefícios não apenas ambientais, mas também econômicos. 

Por falar em benefícios económicos, outra intervenção pode estar ligada à desmaterialização. 

Quantas toneladas de papel são usadas por ano por várias empresas para realizar até mesmo as operações mais mundanas? O objetivo da desmaterialização é substituir o suporte de papel pelo digital, de modo a reduzir o uso de tintas e papel.

Obviamente, todo o processo é muito mais amplo, pois exige uma transformação digital de toda a empresa, para que soluções que modifiquem fluxos de trabalho possam ser efetivamente integradas, evitando um efeito de funil que uma eliminação superficial de papel causaria. 

A partir disso, você também pode entender que a própria digitalização é uma das possíveis alternativas que uma empresa tem para se tornar sustentável, pois a transformação digital fornece ferramentas que permitem monitorar, controlar e melhorar cada fase do trabalho. 

Nesse sentido, os recursos digitais à disposição das empresas também podem ser usados ​​para melhorar a gestão de resíduos , outro aspecto fundamental da sustentabilidade corporativa, que está intimamente ligado a uma nova forma de projetar produtos para tornar todo o processo mais eficiente, reduzindo desperdícios, e garantindo uma vida mais longa para os próprios produtos. 

Cinco áreas para trabalhar e cinco características para ter 

Em essência, há muitas áreas em que uma empresa pode agir para alcançar a sustentabilidade corporativa. 

Além dos diferentes exemplos vistos acima, podemos identificar cinco áreas onde as empresas podem se engajar para implementar uma estratégia de eco-sustentabilidade: 

  1. a produção de energia através de fontes alternativas 
  2. gestão de resíduos e valorização de resíduos e produtos  
  3. a otimização da logística e dos procedimentos internos da empresa 
  4. inovação em design de  produto
  5. eficiência dos processos de produção e estruturas de pessoal

Portanto, está claro que a intervenção necessária para uma reviravolta verdadeiramente verde da empresa não é pouca coisa. De fato, requer um esforço considerável e constante ao longo do tempo, porque a sustentabilidade corporativa normalmente não se limita ao componente ambiental, mas muitas vezes envolve outros princípios éticos que se cruzam com o meio ambiente

Essa considerável complexidade se traduz em certas características que todas as empresas sustentáveis ​​e economicamente competitivas devem desenvolver para manter uma posição de predominância. 

Essas características foram descritas por Sole24Ore em um artigo que se baseia nas observações da MBS Consulting e que pode ser resumido a seguir. 

A primeira característica essencial de uma empresa sustentável de sucesso é uma visão de longo prazo : as transformações ambientais levam tempo, e atalhos ou soluções fáceis não podem ser adotados, pois isso, como veremos, pode ter efeitos muito negativos na própria empresa. 

A segunda característica é o conhecimento de seus stakeholders , o que exige monitoramento preciso, confiável e constante para que haja equilíbrio entre o negócio e outras necessidades que convivem dentro de uma empresa. 

Além disso, um negócio sustentável deve garantir um alto nível de satisfação a todos os stakeholders , o que inclui objetivos consistentes com a visão de longo prazo da empresa que devem ser compartilhados não apenas com a gestão, mas também com toda a força de trabalho. 

Outra característica essencial para alcançar a sustentabilidade empresarial passa pela divulgação da ideia e da consciência de que o objetivo final do negócio é criar valor acrescentado para todo o contexto onde atua , tanto para os stakeholders como para os colaboradores de todos os níveis da empresa. 

Compreender isso e transmiti-lo a todos os níveis garante uma maior consciência por parte de todos os operadores e permite à empresa consolidar a sua posição competitiva ao longo do tempo. 

O compromisso concreto das empresas com a sustentabilidade corporativa 

Uma vez compreendida essa parte teórica, podemos nos perguntar quais atividades as empresas estão implementando concretamente para alcançar a sustentabilidade corporativa. 

O Grupo de Energia e Estratégia da universidade Politecnico di Milano realizou recentemente um estudo, “ Green Tech ”, sobre este mesmo assunto, entrevistando 80 empresas para entender a importância da sustentabilidade, suas prioridades e, acima de tudo, as áreas onde as empresas estão realmente trabalhando em questões de sustentabilidade. 

Em particular, um dos aspetos considerados mais relevantes é a eficiência na utilização dos fatores de produção e a otimização energética e ambiental das instalações , pelo menos segundo 59% das empresas inquiridas (34% eficiência, 25% recuperação).  

Segue-se a questão da valorização e reciclagem , que é geralmente encarada pelas empresas como um fator chave a implementar de forma a reduzir decisivamente os custos de produção e não só, uma vez que, como já referido, a questão dos resíduos e da sua gestão é um dos os aspectos mais delicados e complexos de qualquer atividade econômica. 

A questão energética, por outro lado, é mais delicada e apresenta mais algumas dificuldades. O uso de fontes renováveis, por exemplo, é uma prática verde que ainda não se consolidou de forma significativa entre as empresas italianas, que muitas vezes desistem de implementar determinadas tecnologias energéticas, também por causa das recentes mudanças regulatórias que tornam essa transformação complexa e custosa. 

Entre outras coisas, outra descoberta interessante (e reconfortante) emerge da pesquisa, a saber, que a sustentabilidade corporativa também se tornou um item de linha significativo ao qual as empresas italianas estão dedicando cada vez mais seus orçamentos.

Cerca de 60 empresas, portanto a clara maioria, declararam ter um orçamento que não é genericamente dedicado à sustentabilidade, mas a projetos específicos cujo controle recai sobre a gestão da empresa. 

No entanto, apenas 22 empresas afirmaram gerenciar o processo relacionado de alocação, planejamento e controle dessas atividades financiadas internamente. 

O salto que falta 

Essa falta de autonomia organizacional é muitas vezes desconsiderada do ponto de vista dos recursos empregados, visto que em muitas empresas faltam determinadas competências e funções profissionais , como Gerente Ambiental, Gerente de Sustentabilidade ou Gerente de Energia . 

Da mesma forma, os casos em que há uma equipe dedicada são muito raros, assim como nenhuma das empresas pesquisadas registrou uma estrutura organizacional ou sistemas de medição dedicados para avaliar o desempenho ambiental. 

Isso significa que ainda há um longo caminho a percorrer. Não é por acaso que mais de 40% dos entrevistados se consideram presos no meio, ou seja, conseguiram iniciar um processo de sustentabilidade, mas não conseguem concluir o processo completamente, seja em nível técnico ou organizacional ou em termos de competências. 

Em outras palavras, este é um bom ponto de partida, mas a sustentabilidade corporativa não permite meias medidas. 

Uma escolha que requer uma transformação integral 

Conforme referido anteriormente, a sustentabilidade empresarial é um tema particularmente caro a todos os consumidores, que tem duas consequências muito relevantes para as empresas. 

Uma consequência positiva é que a sustentabilidade corporativa representa uma formidável alavanca competitiva que pode ser utilizada no mercado , pois auxilia no posicionamento e é atrativa para os clientes. 

Por outro lado, uma vez que uma empresa envereda pelo caminho da sustentabilidade, a transformação deve ser plenamente realizada e não pode ser simplesmente insinuada ou, pior, apenas anunciada e depois não respeitada. 

Em outras palavras, o greenwashing deve ser evitado limitando declarações de princípios vazias ou operações precipitadas que tenham pouco impacto em termos de benefícios para o meio ambiente e para o contexto em que a empresa atua.

Comportamentos desse tipo nunca passam despercebidos, especialmente agora que a internet e as mídias sociais não apenas tornam os consumidores mais atentos e capazes de desmascarar essas estratégias desonestas, mas também fornecem um megafone formidável para despertar a indignação coletiva.  Por isso, é importante que cada empresa complete sua jornada e se torne cada vez mais sustentável: disso depende a própria capacidade da organização de ser competitiva e ter credibilidade no mercado.

Veja também – COLIVING: VIVER COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE

Como escolher uma guitarra como iniciante

Comprar sua primeira guitarra é uma decisão importante e você não deve se apressar. Antes de comprar sua guitarra online, você deve ter várias coisas claras, pois quando for comprá-la online, você deve levar em consideração vários fatores.

Se você for comprar uma guitarra sem antes pensar no que está procurando, perceberá a quantidade de material que tem para escolher. Escolher o tipo errado de guitarra tornará tudo mais difícil e levará a uma frustração desnecessária.

Você pode se interessar também por um violão Strinberg | Qualidade e performance para você aproveitar ao máximo o instrumento

Compre guitarra de acordo com seu estilo de música favorito

Você deve escolher uma guitarra que se adapte ao estilo de música que deseja tocar.

Portanto, a primeira coisa que você deve fazer é considerar o tipo de guitarra que é comumente usada nesse estilo. Assista vários vídeos e perfis de instrumentos usados ​​por músicos no estilo de música que você gosta para entender o tipo de violão que você precisa

A seguir, mostraremos vários exemplos do violão que você deve escolher de acordo com o estilo de música que gosta.

  • Se você quer tocar rock ou heavy metal , deve comprar uma guitarra elétrica.
  • Se você quer tocar flamenco , compre uma guitarra flamenca.
  • Se você quer tocar folk ou acompanhar músicas enquanto canta, pode comprar um violão clássico ou acústico.
  • Por outro lado, se você não tiver certeza de qual direção seguir ou quais estilos tocar, confira os pontos a seguir para encontrar a melhor guitarra para você.

Você sempre pode comprar outra guitarra no futuro, então não se preocupe se você mudar seu estilo depois de comprar a primeira guitarra.

Compre uma guitarra pela facilidade de tocar

Para os iniciantes, a dificuldade de tocar violão afetará muito o progresso e o aprimoramento das habilidades que serão desenvolvidas.

Por exemplo, se você está começando em um violão de cordas de aço , você perceberá rapidamente que pressionar as cordas requer força. Muitos alunos encontram muitos problemas ao usar um violão de cordas de aço, porque tocá-lo requer muita força dos dedos.

Se você acha que isso pode ser um problema para você, talvez deva considerar comprar um violão clássico com cordas de nylon . Essas guitarras exigem menos tensão dos dedos para pressionar as cordas. Portanto, a maioria dos professores recomenda que os alunos comecem com uma corda de nylon para que o primeiro mês não seja muito doloroso.

O braço da guitarra clássica é ligeiramente mais largo do que os braços das outras duas guitarras. Isso pode ser benéfico para pessoas com dedos grandes e iniciantes para tocar acordes de forma mais limpa.

Prós e contras de cada guitarra

Guitarra elétrica

Pensamos que a guitarra elétrica é uma das mais difíceis de dominar, pois tem vários aspetos a ter em conta.

Se você quer comprar a melhor guitarra elétrica online, em nosso site você encontra as melhores ofertas.

Vantagens

  • Fácil nos dedos
  • Fácil para técnicas como flexões e vibratos
  • Adequado para diferentes estilos

Desvantagens

  • Você não desenvolve muita força de mão
  • Difícil fazer a transição para um violão mais tarde
  • Você precisa de um amplificador para usá-lo

Guitarra acústica

A guitarra acústica é uma das melhores escolhas para começar no mundo das guitarras, pois é uma das mais fáceis de aprender a usar.

Vantagens

  • Você desenvolve a força da mão
  • É fácil fazer a transição para uma guitarra elétrica

Desvantagens

  • O começo é mais complicado
  • Você pode ter dor nos dedos

Guitarra clássica

A guitarra clássica também é conhecida como guitarra espanhola. Esta guitarra tem seis cordas afinadas, indo do grave ao agudo.

Vantagens

  • É macio nos dedos
  • O braço é largo (torna mais fácil tocar acordes)
  • É mais barato

Desvantagens

  • Os estilos de música para tocar são limitados

Comprar uma guitarra acústica, clássica ou elétrica?

Há uma grande diferença entre começar com um violão, um violão clássico ou uma guitarra elétrica.

Guitarras elétricas são mais fáceis de tocar do que clássicas e acústicas. Para muitas pessoas, tudo bem. O principal problema é que mais tarde será mais difícil mudar para violão clássico ou acústico no futuro. Também é muito fácil mudar de acústico ou clássico para elétrico. Então, se você quer tocar violão elétrico e acústico ou clássico ao mesmo tempo, comece com um violão acústico ou clássico.

Se você quer apenas tocar guitarra elétrica, a escolha é simples. Mais tarde, se você decidir tocar violão ou violão clássico, pode ser difícil no começo, mas com a prática você se tornará proficiente.

Orçamento ao comprar uma guitarra

O orçamento também afetará sua compra, mas neste momento você deve decidir se vai comprar uma guitarra elétrica, clássica, acústica ou flamenca. Quanto eu gasto na compra de uma guitarra? O preço não deve decidir o tipo de guitarra que você vai comprar, você deve levar em consideração a faixa de preço para a qual deseja se mover, mas não deve escolher a mais barata de todas.

Depois de fazer uma rápida pesquisa de preços sobre o tipo de guitarra que você precisa, defina um valor máximo para gastar. Você deve comprar a guitarra de melhor qualidade dentro do seu orçamento, não porque uma guitarra é mais cara significa que é melhor, existem guitarras de qualidade a um preço acessível.

É melhor trazer um amigo ou familiar que toca violão para experimentar um violão que você gosta e ajudá-lo a identificar os tipos de problemas que podem surgir:

  • Dificuldade em tocar violão
  • configuração de problemas,
  • cordas muito altas
  • Cordas muito baixas.

É importante não exceder o orçamento que você definiu, porque você encontrará guitarras incríveis que desejará comprar online. Se você se empolgar, pode acabar comprando um excelente violão, mas pode acabar se arrependendo se for o primeiro violão que compra.

Conclusão da compra de guitarra

Você deve ter muito claro que a coisa mais importante é conseguir uma guitarra decente . Se a guitarra não for bem feita, mesmo um guitarrista experiente não conseguirá tocá-la. Você está interessado em comprar a melhor guitarra que você pode pagar e verificar se ela está em perfeitas condições. A maioria dos iniciantes desiste porque está tentando aprender a tocar um violão de baixa qualidade. A guitarra que mais combina com você depende principalmente do estilo que você quer tocar e da sua determinação nas fases iniciais de aprendizado (a fase mais difícil).

Para muitos iniciantes, a opção segura é começar com um violão clássico. É mais fácil aprender e você evitará a frustração de não progredir como deseja, então é menos provável que você pare de aprender. Portanto, se você ainda tiver dúvidas depois de ler este artigo, pode ser uma boa opção comprar um violão clássico barato para aprender o básico e depois decidir qual direção seguir. Se você dedicar um tempo para encontrar a melhor opção e depois encontrar o melhor negócio, economizará dinheiro e obterá um ótimo instrumento que pode durar a vida toda.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Como escolher um bom advogado? Siga estas 11 dicas

Hoje em dia, muitas pessoas precisam ir a um advogado para defender seus próprios direitos em juízo; ou para aconselhá-lo sobre um procedimento que você vai realizar e desta forma otimizar seus recursos financeiros e legais. Seja como for, muitas dessas pessoas não sabem o que procurar na hora de escolher um bom advogado para suas circunstâncias pessoais e/ou empresariais.

Achamos que escolher o advogado que melhor se adapte às suas necessidades é algo vital para ambas as partes; já que o advogado estará defendendo seus interesses e o cliente deve confiar nele para que ambos cheguem a um bom porto.

Esse profissional jurídico deve saber administrar nossa consulta com atenção e cuidado únicos para cada caso. Na lei, nunca há uma varinha mágica para dar esse conselho a todas as pessoas, mas sim aqui para analisar as circunstâncias pessoais dessa pessoa, os factos e os possíveis agentes externos que podem acontecer nos meses seguintes.

É por esta razão que muitas pessoas não sabem como escolher um advogado para sua casa ou aconselhamento jurídico. Nem sempre temos de escolher um da nossa cidade ou município, pois os advogados podem representar os seus clientes em toda a Espanha e na União Europeia.

Veja também O que faz um advogado criminal?

Que elementos devo procurar ao escolher um bom advogado?

Abaixo apresentamos uma breve lista das dicas que consideramos essenciais para ter uma melhor escolha na hora de escolher um bom advogado e contratar seus serviços.

1) Experiência:

Os advogados, uma vez aprovados todos os trâmites atuais de inscrição como tal na associação profissional, devem possuir, pelo menos, a licenciatura em Direito, o grau de mestre para acesso à profissão de advogado e; Além disso, passar no vestibular estadual, embora o cargo a ser ocupado seja privado.

Ao fazer o teste estadual, os futuros advogados podem escolher entre vários ramos ou disciplinas: direito civil e comercial, direito administrativo, direito penal ou direito trabalhista e previdenciário.

Uma vez aprovado no exame, você tem acesso a representar todas as pessoas que desejar em juízo em qualquer jurisdição: civil, administrativa, criminal ou social.

Teoricamente, graças a essa formação atual, os advogados “são mais bem formados do que nos anos anteriores”. No entanto, ao escolher um advogado é bom que ele tenha experiência em julgamentos e saiba do que está falando . É um fator a ter em conta na hora de escolher o seu advogado.

Quanto mais anos você estiver na profissão, melhor saberá como agir em determinados casos.

E a especialização? É um bom critério para escolher um bom advogado:

Atualmente, está na moda que todos os profissionais superespecializem-se em um assunto; mas na profissão de advogado este conselho não é inteiramente correto.

Um advogado, em princípio, pode administrar todos os casos que quiser, pois advogado é defensor de direitos e, como tal, não pode se especializar em apenas um deles.

Por isso, embora fosse lógico que isso fosse um fator determinante na escolha desse profissional; temos que deixar claro que além da especialização do assunto, devem conhecer o compêndio de todo o ordenamento jurídico.

Como todos sabem, ainda não sou advogado, apenas consultor jurídico, pois ainda não passei no vestibular e no mestrado em direito (estou fazendo esse procedimento). Certa vez fui a uma conciliação trabalhista, onde havia dois profissionais especializados em direito do trabalho. Um deles ameaça a outra parte com uma possível infração penal que o trabalhador teria cometido e; que terá consequências prisionais para a outra parte aceitar suas negociações. Esse crime descrito nunca levou anos de prisão, apenas uma multa estadual e danos. Nesse caso, vemos como um profissional do direito sem formação adequada em direito penal se intimida com essa “ameaça” ao seu cliente e cede à negociação.

Isso não pode acontecer com seu advogado. Por isso, a especialização não é critério para selecionar um bom advogado .

Na minha opinião, é bom que um advogado se especialize em uma ou duas ordens jurisdicionais; mas nunca negligencie os outros . Por exemplo, no meu caso quero me especializar em direito tributário, direito trabalhista e direito comercial para focar minha assessoria em empresas. No entanto, o direito civil e penal não pode ser negligenciado. A primeira delas porque todo empreendedor essa pessoa e; o segundo porque um dia ele pode cometer um crime.

2) Selecione um advogado que tenha uma boa equipe de trabalho:

Essas deficiências que mencionei acima, são facilmente sanadas se o advogado contar com o apoio de outros profissionais especializados em outros ramos que ele não controla. Nesses casos, você deve ligar para seu parceiro para fazer a devida consulta, já que se tratou de uma conciliação trabalhista pré-julgamento.

3) Proximidade geográfica:

Embora não tenha que ser um fator determinante, na maioria dos casos é aconselhável contratar os serviços de um advogado que esteja na sua área.

É verdade que, por vezes, para questões muito específicas, podemos recorrer a um advogado especializado na matéria. Mas isso é apenas para questões específicas antes dos julgamentos.

Quando se trata de assessoria contínua para sua empresa ou negócio, recomenda-se que seja próximo de sua localidade para agendamento de entrevistas pessoais e; que pode acompanhá-lo aos diferentes procedimentos que você deve realizar.

Com as novas tecnologias é verdade que podemos contratar qualquer pessoa; mas se você for fazer isso, lembre-se de que a segurança das comunicações feitas está correta . Em muitos procedimentos legais precisamos de sigilo absoluto das comunicações. Na verdade, esse sigilo é um direito e um dever do advogado com seu cliente.

4) Estabeleça um primeiro contato com ele:

Depois de restringir sua decisão a alguns  escritórios de advocacia que atendem às suas expectativas, é melhor marcar uma entrevista ou uma primeira consulta com eles.

Nessa primeira consulta você deve buscar confiança e empatia. Veja se vocês dois se entendem ou a personalidade de cada um de vocês entrará em conflito constantemente.

Nesta primeira visita, apresente o seu caso e as suas preocupações, desta forma poderá observar como o seu futuro defensor trata as questões; Quais estratégias você recomenda seguir e se você se conecta para pegar esse caso. O primeiro contato é vital para gerar boas expectativas e poder confiar nessa pessoa.

5) Orçamento:

Ao contratar qualquer serviço, não devemos apenas olhar para as expectativas que ele gera; bem como na confiança que isso gera em nós.

Também temos que ver se o orçamento que o advogado estabeleceu para seus honorários podemos pagar ou não. Aqui não podemos dizer como outros sites que serviços baratos podem ser caros. A liberdade de preços já é uma realidade e cada um pode estabelecer o valor que considerar adequado.

Preço nunca é sinônimo de bom atendimento . Acontece até no mundo tecnológico, às vezes um aparelho com melhores recursos custa menos que outro pelo simples fato de não ter uma “marca”. O marketing também tem que ser pago.

Para nós, é um elemento acessório, embora logicamente um elemento a ter em conta na hora de aprovar um serviço.

6) O advogado deve gerar confiança:

Como dissemos antes, o advogado deve construir confiança com seu cliente. É um direito e por sua vez uma obrigação.

Ao contratar um profissional gratuito, é preciso verificar se está claro o suficiente com seus dados fiscais ou; pode desaparecer durante a noite.

Por isso, é bom que o advogado seja reconhecido por seu número de colegiado e seus dados fiscais.

Se, além disso, for alguém como nós que fala em vídeos e formos muito transparentes, daremos melhores sensações aos clientes que procuram um consultor ou advogado para o seu caso.

Para despertar a confiança, basta conversar com ele e ver como ele te trata , quais preocupações ele tem… se ele é prestativo com seu cliente… se ele sabe argumentar e discutir… Essas qualidades são percebido com o olhar, face a face… São qualidades pessoais que são essenciais para escolher um bom advogado; Eu mesmo considero pessoalmente essas atitudes e aptidões como qualidades melhores para um bom advogado do que a própria experiência.

Se essa pessoa for de sua total confiança, perfeito ; mas se tiver dúvidas de que não é a pessoa certa, procure outro profissional com quem se sinta mais à vontade e que lhe ofereça mais garantias de sucesso.

7) Acessibilidade. Para um bom advogado, todos os clientes são iguais:

O código de ética da nossa profissão (ainda não sou advogado, mas já sigo este código de conduta) exige que tratemos todos os casos que assessoramos com o mesmo respeito e cuidado.

Somos defensores de direitos e a igualdade é um desses direitos que inclusive estão consagrados na Constituição espanhola como direitos fundamentais.

Por esta razão, um bom profissional tratará todos os clientes com respeito, dignidade, ouvirá ativamente seus problemas e circunstâncias para aconselhá-los adequadamente …

Se vamos a um profissional que tem muita experiência, é especialista em um assunto, mas nunca tem tempo para nós, então por que o contratamos? Nesses casos, é melhor encontrar alguém que trate do caso da maneira mais personalizada possível.

Tenha em mente que, apesar de ir para uma marca ou escritório de advocacia muito notório, seu advogado não será o chefe do escritório (pode ou não); mas a pessoa dentro desse escritório atribuído a você. Ele será seu defensor e deve manter sigilo profissional mesmo com seu próprio chefe.

A advocacia é uma profissão que deve ser digna, sujeita a princípios éticos. Tenha isso em mente porque não será nada utilitário estar em um escritório de advocacia com uma imagem muito consolidada; se então eles vão designá-lo para o mais inexperiente e também quem não tem as boas qualidades para ser um bom advogado.

Lembre-se que o cliente é quem deve escolher o advogado; embora este como provedor de serviços também possa não concordar em ser seu defensor. A confiança deve ser mútua.

8) Você deve buscar o interesse do seu cliente: 

O melhor profissional é aquele que entende suas preocupações e o aconselhará com base em seus interesses.

O advogado nunca deve agir de acordo com seus próprios interesses pessoais, mas com os de seu cliente. É mais um elemento que alimenta a confiança nele depositada como defensor dos direitos dessa pessoa.

Além disso, ele deve ser leal e lutará ao máximo para que você obtenha a melhor compensação . Quando você tem muito pouca chance de sucesso, eles também devem apontar isso antes de agir em seu nome.

9) Procure referências:

Agora você está certo de que o melhor elemento que você deve levar em consideração é que o advogado atua com a devida diligência, é leal à sua causa e gera confiança mútua.

Para saber isso, você não só precisa analisar o comportamento deles, mas também pode perguntar a familiares, amigos e pessoas que você conhece que são seu cliente antes de contratar seus serviços.

Na era digital também podemos usar as resenhas que existem na Internet. Existem vários canais para descobrir se é uma pessoa que cumpre os princípios que promulga em suas redes sociais.

Se você interage nas redes sociais, escreva em um blog fornecendo conteúdo de grande valor ou; até mostra seu rosto no YouTube são indicativos a fim de determinar o grau de envolvimento com a profissão. No meu caso, escusado será dizer que adoro ajudar os outros.

10) Você teve sucesso em casos semelhantes?

Este ponto complementa o primeiro da experiência, mas desta vez algo mais concreto. Trata-se de saber se esses advogados já trataram e administraram casos semelhantes e; Qual tem sido o seu fator de sucesso contra eles?

Por exemplo, um bom advogado trabalhista pode ser muito bom em caso de demissões sem justa causa, mas em caso de mobbing ou assédio no local de trabalho, perde um pouco, apesar de ser do mesmo ramo do direito; embora normalmente seja mais frequente encontrar isso quando se trata de assuntos totalmente diferentes.

Para se ter uma ideia, existem basicamente quatro ordens jurisdicionais enfrentadas pelos tribunais:

  • Civil e comercial : defendem o direito privado.
    • Normalmente existem advogados especializados em direito de família e; outros em direito empresarial. Estes últimos controlam mais as relações comerciais e as relações contratuais; enquanto os de família são mais de parentesco…
  • Administrativo : é a defesa contra litígios que surgem contra a administração pública.
  • Criminal : são os julgamentos onde os crimes foram cometidos.
  • Social : é a jurisdição do direito do trabalho e da proteção social.  

Problema: Especialidades Cruzam Fronteiras Jurisdicionais

 O problema dessa classificação é que em muitas ocasiões há advogados especializados em empresas. Eles devem controlar:

  • 1) Direito civil das relações contratuais e responsabilidade civil;
  • 2) Direito comercial das relações entre empresas;
  • 3) Direito tributário e financeiro para tributação (especialidade de direito administrativo) e para questões de licitações se for o caso daquela empresa;
  • 4) Direito Penal em face dos crimes contra a Administração Pública e crimes patrimoniais.
  • 5) Direito do trabalho e proteção social.

Da mesma forma, um advogado especializado em direito de família é lógico para controlar crimes patrimoniais, violência de gênero e crimes domésticos. Esse elemento também deve ser levado em consideração na hora de escolher um bom advogado.

11) Não fale uma linguagem muito técnica

Um bom advogado deve saber sempre adaptar sua comunicação de acordo com as demandas. Durante o julgamento você deve ser técnico e preciso; mas quando o cliente está perdido em sua estratégia ou em sua comunicação, ele deve saber explicar as mesmas coisas como se fosse uma criança pequena.

Ele deve ser um bom orador, mas também um bom professor ; pois muitas controvérsias entre advogados e seus clientes se devem ao fato de não saberem explicar seus conhecimentos técnicos aos seus clientes; causando desconfiança de sua parte.

Conclusões sobre como escolher um bom advogado

Entendemos que para escolher um bom advogado, é necessário levar em consideração os pontos citados acima; embora logicamente possamos tornar esta lista de dicas mais longa. Para nós, o mais importante é que seja uma pessoa que lute pelos seus interesses, atenda suas ligações, seja próximo, embora profissional e; Acima de tudo, gera muita confiança e explica detalhadamente todas as estratégias que você seguirá.

Cosméticos naturais, é realmente eficaz?

Há cada vez mais pacientes que recebo em minha consulta me pedindo produtos de cuidados com a pele o mais naturais possível. Mas o que é verdade sobre a eficácia dos cosméticos naturais? Um produto natural é o mesmo que um produto orgânico? E um produto com ingredientes orgânicos é o mesmo que o de origem natural?

Eu queria escrever este artigo para fornecer informações objetivas e exaustivas sobre esse novo conceito que está se tornando cada vez mais popular e que os dermatologistas estão começando a introduzir em nossa prática regular. Além disso, no final deste artigo , deixarei minhas recomendações de cosméticos naturais em cremes e também nutracêuticos para cabelos. 

O que é cosmético natural?

Antes de mais, é importante que saiba que até à data não existe uma regulamentação a nível europeu que regule a utilização dos conceitos de cosmética natural ou cosmética ecológica, pelo que verá uma diversidade de opiniões sobre o que é e quando é ideal para usar esses termos. Feito este primeiro ponto, vamos definir o que se entende atualmente por cosméticos naturais: “Cosméticos naturais são aqueles cujos ingredientes são obtidos diretamente da natureza ou são processados, mas sua origem é natural”

Cosméticos naturais são aqueles cujos ingredientes são obtidos diretamente da natureza ou processados, mas sua origem é natural.

No entanto, para garantir que um produto seja natural, ele deve ter o certificado que o suporta em seu rótulo. Este selo não é obrigatório e, portanto, devemos verificar o INCI do produto (ou seja, a Nomenclatura Internacional de Ingredientes Cosméticos) para ver a quantidade de ingredientes naturais ou de origem natural que sua fórmula contém.

Cosméticos naturais são o mesmo que orgânicos?

Cosméticos orgânicos são aqueles cujos ingredientes são oriundos da agricultura orgânica, ou seja, não foram utilizados agrotóxicos ou fertilizantes em sua preparação. Além disso, eles são normalmente extraídos do frio, garantindo que mantenham suas propriedades quase intactas. 

Portanto, a diferença fundamental é que os ingredientes dos cosméticos naturais são obtidos diretamente da natureza e os dos cosméticos orgânicos da agricultura orgânica.

Que diferenças os cosméticos naturais têm com os cosméticos convencionais?

Antes de prescrever um cosmético, os dermatologistas realizam uma análise exaustiva de cada tipo de pele para descobrir qual produto ou produtos são melhores para nossos pacientes e alcançar a eficácia desejada. Os cosméticos convencionais sempre foram usados ​​pela sua eficácia comprovada e, embora incorporem ingredientes sintéticos, geralmente são ótimos e com resultados muito bons para a maioria dos tipos de pele. No entanto, os cosméticos naturais caracterizam-se pelo facto de os seus ingredientes de origem natural serem normalmente compatíveis com o pH da pele, evitando reações adversas, e temos cada vez mais provas da sua eficácia. 

Em ambos os casos, tanto em cosméticos naturais quanto convencionais, as formulações incorporam conservantes para garantir sua estabilidade e perfumes que melhoram o cheiro do produto. 

Que regulamentos seguem os produtos naturais?

Como todos os cosméticos, os produtos cosméticos naturais devem ser regulamentados para evitar toxicidade cutânea ou problemas de irritabilidade. Atualmente existem 3 regulamentos que regulamentam o setor de cosméticos ; Regulamento (CE) 1223/2009 do Parlamento Europeu e do Conselho de 30 de novembro de 2009, a norma ISO 22716 e RD 85/2018, de 23 de fevereiro.

Da mesma forma, o fato de usar terminologia diferente para nomear produtos naturais tornou necessária a norma ISO 16.128 sobre “Guia de definições técnicas para ingredientes e produtos naturais e orgânicos”. Embora não seja obrigatório para empresas que comercializam produtos cosméticos naturais, é um guia que unifica as características e índices necessários para considerar um cosmético como de origem natural ou orgânica.

Quais são os ingredientes naturais mais utilizados em produtos cosméticos naturais?

Encontramos uma infinidade de ingredientes naturais ou orgânicos nas formulações de produtos naturais que são usados ​​regularmente. Dentre eles, os mais utilizados nos produtos podemos destacar:

Ingredientes clássicos em cosméticos naturais

  1. Aloe Vera: Tem sido tradicionalmente usado para tratar diferentes lesões na pele, como queimaduras, cortes, picadas de insetos e eczema. Possui um alto teor de mucilagem, gorduras insaturadas, vitaminas, aminoácidos e polissacarídeos que lhe conferem a capacidade de nutri-lo em profundidade.
  2. Óleo de rosa mosqueta: Outro componente clássico dos cosméticos naturais é o óleo de rosa mosqueta, que é extraído das roseiras da árvore rosa rubiginosa. A ela são atribuídos atributos como retardar os sinais de envelhecimento precoce e rugas. Há também estudos mostrando melhora das estrias e cicatrização.
  3. Vitamina C:  A vitamina C é um ingrediente popular em cosmecêuticos naturais devido às suas inúmeras funções biológicas e antioxidantes na manutenção e melhoria da saúde da pele, tratando os danos causados ​​pelos raios UV e aumentando a produção de colágeno. A vitamina C também demonstrou ser um inibidor da “melanina”, a substância que a pele produz em resposta à luz solar, melhorando a  descoloração ou manchas faciais.
  4. Óleo de argão: contém importantes vitaminas, minerais, ácidos gordos e antioxidantes que proporcionam importantes benefícios à pele, como a prevenção do envelhecimento prematuro, a redução dos sinais de envelhecimento ou a hidratação.
  5. Bisabolol: Principal componente de muitos óleos essenciais, especialmente camomila, capaz de acalmar a irritação e vermelhidão da pele, atuando também como protetor e anti-vermelhidão da pele, especialmente em peles sensíveis.

Novas formulações em cosméticos naturais

Da mesma forma, os ingredientes naturais ou de origem natural estão na moda e mostram alta eficácia na preservação da saúde da pele e no retardamento do aparecimento dos sinais de envelhecimento, como:

  1. Algas blue light dna-fix: Ativo de microalgas (cianobactérias) cujas enzimas, ativadas pela luz visível (azul) são capazes de reparar a estrutura do DNA celular. Essas microalgas também contêm uma substância antioxidante chamada Ficocianina, que previne o fotoenvelhecimento, 
  2. Probióticos: obtidos a partir do fermento Lactobacillus, integram o microbioma natural como parte da barreira protetora da pele.
  3. Ácido hialurônico biológico: Polissacarídeo biológico (glicosaminoglicano) distribuído na matriz extracelular da maioria dos tecidos. Graças às suas propriedades hidrofílicas, proporciona um meio hidratado entre as células, protegendo-as contra abrasão e fricção.
  4. Microesferas de efeito óptico: Reduz opticamente rugas finas e linhas de expressão e suaviza a superfície da pele, dando-lhe um toque mais sedoso.

Minhas recomendações para cosméticos naturais

Agora que você é especialista em cosméticos naturais, gostaria de lhe dar algumas recomendações de produtos de qualidade que você pode incorporar em suas rotinas de cuidados diários. 

1- Masderm Dermatologia

A Masderm Dermatology é uma marca que gosto muito porque foi desenvolvida com a orientação de dermatologistas e tem produtos certificados. 

Meus favoritos:

  • Trimas Serum Triphasic : É um soro facial trifásico.
  • Sunmas FPS 50+. Protetor solar com ingredientes naturais.
  • Trimas C creme antienvelhecimento

2- Olistic para queda de cabelo

Olistic é um nutracêutico de última geração desenvolvido à base de minerais, vitaminas e nutrientes de origem natural. É uma opção muito boa de origem natural para o tratamento de alguns tipos de alopecia como o eflúvio telógeno ou como adjuvante no tratamento da alopecia androgenética. 

 Opções:

  • Olista para mulheres
  • Olista para homens

Natural não significa que é inofensivo

Em alguns casos, os ingredientes naturais que encontramos em alguns cosméticos naturais podem ser prejudiciais se a concentração introduzida na fórmula não for adequada ou aprovada pelos regulamentos europeus. Mesmo sendo capaz de produzir efeitos colaterais na pele desde irritações na pele até toxicidade. 

Por esta razão, é importante conhecer o INCI dos produtos e em que quantidade os ingredientes que o formam possuem em sua formulação.

E, um creme natural também é Vegano, ecológico e orgânico ou são coisas diferentes?

Embora muitas vezes tenhamos a tendência de colocar esses conceitos no mesmo saco, devemos diferenciar os cosméticos sejam eles naturais, veganos e orgânicos.

Os cosméticos naturais têm origem natural e devem ser constituídos por uma grande percentagem de matérias-primas naturais (que não têm necessariamente de ser orgânicas). Não devem conter silicones, conservantes, corantes artificiais, parabenos ou ingredientes de origem animal.

Entendemos como produtos orgânicos, aqueles que contêm 95% de matéria-prima orgânica, e que são livres de agroquímicos ou fertilizantes.

E por fim, produtos veganos são aqueles que não possuem ingredientes de origem animal e não podem ser testados em animais.

Conclusões sobre cosméticos naturais Para usar cosméticos naturais com segurança, é necessário selecionar aqueles que tenham rotulagem clara, selos de qualidade e que cumpram as regulamentações. Se você tem dúvidas ou não sabe quais produtos usar, sempre vou recomendar que você visite um dermatologista para que ele possa te orientar. 

Como escolher uma bicicleta

Quando você for a uma loja de bicicletas, encontrará uma variedade de tipos e características técnicas que podem te sobrecarregar se você não for um craque do ciclismo. O vendedor provavelmente também fornecerá muitas informações, mas você deve ter algumas ideias claras. Orientamos você sobre quais recursos são importantes, bem como as vantagens e desvantagens de cada tipo de motor e bateria para que você possa tomar uma boa decisão e escolher a melhor bicicleta elétrica para você.

Você também pode se interessar por seguro de bicicletas | Mantenha a sua bicicleta elétrica segura.

Como escolher uma bicicleta elétrica

As bicicletas elétricas são veículos complexos, compostos por elementos mecânicos e elétricos . Para a escolha da bicicleta propriamente dita (tipo, material do quadro, tipo de travões, mudanças, suspensão…), pode consultar o nosso guia de compra de bicicletas. Abaixo, você encontra dicas para escolher os componentes elétricos  da sua bicicleta: o motor, o visor e a bateria.

Se quiser saber os resultados dos nossos testes, consulte a comparação de bicicletas elétricas:

Escolha a melhor bicicleta elétrica

Pensando em comprar uma bicicleta elétrica? Consulte o nosso comparador e escolha o que mais lhe convier.

Motor: verifique sua potência e posição

Uma característica importante do motor de uma bicicleta é sua potência, que é expressa em watts (W) . Quanto maior o poder, em princípio, mais força. Deve ser lembrado que  a União Europeia o limitou a 250 W para que o veículo seja considerado uma bicicleta elétrica  e não se enquadre na categoria de ciclomotor. Portanto, você não deve encontrar bicicletas com mais de 250W nas lojas. Além da potência,  o desempenho do motor também é condicionado pelo “torque”, às vezes chamado de torque por seu nome em inglês.

Algo que você  deve prestar bastante atenção é a posição em que o motor está localizado, pois influencia na dirigibilidade da bicicleta  e na duração de outros elementos, como o câmbio ou a corrente.

Motor central, peso equilibrado

O motor da bicicleta  está localizado no eixo dos pedais, o que proporciona uma resposta muito imediata e ágil  quando é necessária assistência. De acordo com nossa pesquisa de confiabilidade, é o que apresenta menos avarias.

  • Suas vantagens incluem, portanto, que é  ideal para uma condução rápida , que  o peso é bem distribuído ao andar no centro  e que  não impede a troca de rodas .
  • No entanto,  o motor central sobrecarrega o desviador e a corrente, é  barulhento e um pouco mais caro , além de ser mais incômodo ao pedalar quando não é necessária assistência.

Motor frontal, pode ser adicionado a qualquer bicicleta

O motor é colocado no eixo dianteiro. É ideal para uma bicicleta simples,  especialmente se for combinada com uma bateria no eixo traseiro para equilibrar o peso.

  • Uma de suas grandes vantagens é que  pode ser adicionado a uma bicicleta normal para torná-la elétrica,  é o tipo de motor mais barato  e que requer menos manutenção. Além disso,  causa menos desgaste no câmbio e na corrente.
  • Também é verdade que  pode atrapalhar se for preciso trocar a roda ou pneu dianteiro , que sofre maior desgaste, assim como o garfo dianteiro. Carregar o peso na frente  torna a direção menos gerenciável.

Motor traseiro, mais aderência

Ele está localizado  no eixo da roda traseira e é uma boa opção se você estiver dirigindo em terrenos irregulares,  onde é necessária mais aderência.

  • Suas vantagens incluem ser  silenciosa, não causar desgaste de corrente ou engrenagem  e, acima de tudo, é a que proporciona  maior tração em terrenos difíceis,  como areia ou cascalho. Lembre-se disso se for uma mountain bike ou se for usá-la em estradas não pavimentadas.
  • Por outro lado  , complica a troca da roda ou pneu traseiro ,  desequilibra o centro de gravidade  ao carregar o peso na traseira e  geralmente não são equipados com um sensor de torque  para medir o esforço ao pedalar.

Por motor

É a  força máxima que o motor exerce sobre um eixo , por exemplo, ao ligar a bicicleta ou quando é necessária assistência para iniciar uma subida. Ao contrário da potência, o torque não é limitado por lei e é medido em Nm. (Newtons por metro). Para uso normal, é recomendado um torque de cerca de 50 Nm .

Um torque muito alto é útil para escalar , mas consome mais energia e drena a bateria mais rapidamente.

Bateria: íon de lítio e 500 Wh

A bateria é um elemento fundamental, pois fornece energia ao motor. A maioria é de íons de lítio e estima-se que dura cerca de 1.000 cargas; então terá que ser substituído. Eles geralmente pesam entre 2 e 3 kg: quanto mais leve, menos peso você terá que carregar.

Sua capacidade é medida em Wh: quanto maior a capacidade, maior a autonomia . Se não forem feitas viagens muito longas, geralmente 250 Wh são suficientes, embora  seja preferível que se aproximem de 500 Wh .

Uma noite de carregamento geralmente é mais que suficiente para preenchê-los. Quanto aos gastos, cada 100 cargas custam cerca de 8 euros. Você deve verificar se é fácil de remover e colocar,  pois você terá que retirá-lo com frequência para recarregá-lo conectado à rede.

Colocando a bateria na bicicleta elétrica

Outro aspecto que você deve levar em consideração é  onde ela é colocada, pois afeta sua segurança  (é um elemento que às vezes desaparece)  e a estabilidade da bicicleta, aumentando o peso em uma área específica. Veja os prós e contras das diferentes localizações deste dispositivo.

  • No bagageiro traseiro. Não altera o conforto nem o design da moto, é  fácil acessar a bateria para recarregá-la e é um local seguro . A única desvantagem é que  adiciona peso extra à parte traseira .
  • Sob a sela. Proporciona um melhor equilíbrio de pesos à bicicleta, embora torne as curvas rápidas e as manobras um pouco difíceis . Dependendo do design, pode ser um pouco difícil removê-lo de sua posição.
  • Anexa ao tubo diagonal do quadro “tipo jerry can”. Esta é a  posição ideal do ponto de vista do centro de gravidade , mas  às vezes exige que o quadro , para manter sua rigidez apesar de ser perfurado pelos parafusos,  seja mais pesado .
  • Integrado no quadro ou rack de corrente.  O centro de gravidade é baixo e,  embora a bateria possa ser removida, é mais difícil de acessar . Em troca, isso  evita o roubo e o protege do lado de fora.

Outros itens para prestar atenção

Sensores, melhor torque

Os sensores enviam o sinal para o motor começar a funcionar . Existem dois tipos e quase todas as bicicletas carregam ambos:

  • Sensores de movimento : os mais baratos e simples. Eles detectam quando os pedais se movem e  enviam o sinal independentemente do esforço feito pelo ciclista . Eles podem ser um pouco lentos para reagir e às vezes ativar o motor simplesmente empurrando a bicicleta.
  • Sensores de torque –  detectam a força aplicada aos pedais . A reação é imediata nas subidas e descidas. Eles são combinados com motores centrais.

Tela, atenção à conectividade

A tela ou display  fornece informações sobre a bicicleta e a condução: velocidade, autonomia disponível …  Alguns se conectam a um aplicativo  para ouvir música ou ligar, por exemplo, e isso está ganhando importância como é o caso das telas dos carros. Se possível,  verifique se você tem boa visibilidade à luz do sol .

Níveis de suporte, pelo menos 3

As bicicletas costumam oferecer vários níveis de assistência, geralmente um mínimo de 3, embora ter 4 ou 5 seja normal . Normalmente, a assistência dos motores dianteiros é ajustada de acordo com a velocidade. Os níveis variam de 1 (motor ligado, mas não há assistência ao ciclista) até o nível mais alto (assistência até 25 km/h), mas  também pode haver assistência “eco”, “esporte” … Para uma cidade com declives , uma bicicleta com 3 ou 4 níveis de assistência costuma ser suficiente. No caso de realizar grandes declives, podem ser necessários mais níveis de assistência.

As melhores marcas de bicicletas elétricas

De acordo com uma pesquisa  realizada entre usuários regulares de bicicletas elétricas,  os sistemas mais confiáveis ​​para os usuários, aqueles que menos quebram  ou deram os melhores resultados são Bosch Performance Line CX, Bosch Performance Line Cruise, Panasonic X0, Bosch Active Line, Bafang M420, Bosch Active Line Plus, Shimano Steps E6000 e Brose Drive S.

As falhas mais comuns ocorrem com a tela (14%) e com a bateria (13%). Um fato interessante:  os usuários que possuem bicicletas elétricas com motor no centro/eixo são os mais satisfeitos com sua bicicleta elétrica . Além disso, em relação às avarias, são os sistemas que menos quebram.

Veja também Seguro de bicicleta – Tudo que você precisa saber

Afrodisíacos para melhorar o desejo sexual

O sexo, e como melhorá-lo, tem sido um tema de estudo – e muito necessário: 43% das mulheres e 31% dos homens relatam ter disfunção sexual. Desde idades antigas da fertilidade até medicamentos modernos para disfunção erétil, tentamos literalmente todas as chamadas curas milagrosas em busca de um ótimo sexo.

O que são afrodisíacos?

Afrodisíacos – nomeados em homenagem à deusa grega do amor, Afrodite – são quaisquer alimentos ou drogas que despertam desejo ou prazer sexual. Mas, apesar de sua longa história, as pesquisas científicas limitadas feitas sobre os impulsionadores naturais da libido produziram poucas evidências clínicas que apoiam seus efeitos.

Mais recentemente, uma equipe de cientistas revisou aproximadamente 50 estudos realizados sobre os afrodisíacos de origem animal e vegetal e suplementos mais populares do mercado. Aqui estão as conclusões, publicadas na revista da Sociedade Internacional de Medicina Sexual em 2015, e outras autoridades de saúde têm a dizer sobre quais possuem a potência que reivindicam.

Geralmente os afrodisíacos são usados para melhorar o apetite sexual ou apenas para mudar a rotina do casal e algumas versões naturais, podem ser comprados em lojas de sexshops, utilizados com brinquedos e variações de posições sexuais, como a posição borboleta paraguaia e outras posições conhecidas pelo kama-sutra.

Sempre consulte seu médico antes de tomar suplementos e dúvidas sobre sua saúde sexual. Um médico pode examinar as condições médicas subjacentes, oferecer sugestões ou encaminhá-lo a um terapeuta ou conselheiro sexual.

Ostras

Vale a pena tentar? Na verdade não.

O amante lendário Casanova supostamente bebia 50 ostras por dia para aumentar sua virilidade e resistência sexual. Por quê? Porque eles contêm zinco, que é essencial para a produção de testosterona. Eles também contêm certos aminoácidos e serotonina, dois fatores ligados à sensação de prazer. No entanto, as pesquisas falharam em conectar os moluscos ao aumento do desejo sexual.

Quaisquer diferenças positivas que você experimenta ao visitar a barra bruta podem resultar de outro motivo: o efeito placebo. Simplesmente acreditar que um determinado alimento o deixa com o humor certo pode fazer toda a diferença, de acordo com o Berkeley Wellness.

Ginseng

Vale a pena tentar? Sim.

Esta erva já é um remédio herbal popular, mas estudos preliminares mostram que ela pode ajudar na disfunção erétil. A pesquisa sobre seu efeito sobre as mulheres é limitada, mas um tipo, o ginseng vermelho coreano, demonstrou aumentar a excitação sexual em mulheres na menopausa. O Ginseng geralmente é seguro, afirma a Clínica Mayo , mas pode causar insônia.

Chocolate

O que está tentando? Não.

Até os primeiros astecas acreditavam que o chocolate aumentava a virilidade – uma atitude provavelmente compartilhada por muitos homens portadores de Russell Stovers no Dia dos Namorados. O cacau contém componentes ligados ao aumento da produção de serotonina, que se acreditava aumentar o desejo. Comovente, porém, os cientistas não encontraram evidências para apoiar essa afirmação. 

Quando compararam consumidores de chocolate e não consumidores, não houve diferença. Mas não jogue fora suas barras de chocolate ainda: Ainda há evidências de que ela tem outros benefícios, desde aumentar a saúde do coração até aumentar a memória.

Maca

Vale a pena tentar? Sim.

Este vegetal de raiz, nativo da região dos Andes do Peru, é usado há séculos para fertilidade, excitação e ondas de calor. Normalmente é moído em forma de comprimido ou pó . Os pesquisadores descobriram alguns estudos promissores que indicam que isso pode ajudar mulheres saudáveis ​​na menopausa com disfunção sexual, bem como homens com disfunção erétil, por isso ele é considerado um estimulante sexual masculino 100% natural e que não faz mal a saúde. 

Embora reconheçam que são necessárias mais pesquisas para determinar a dosagem, eles descobriram que a maca é geralmente considerada segura, mas lembre-se de que o FDA não revisa nem aprova nenhum suplemento alimentar por segurança ou eficácia.

Mel

Vale a pena tentar? Não.

Durante séculos, o mel foi atribuído à injeção de romance em casamentos. (Dizem que o termo “lua de mel” se originou na Inglaterra do século XVI, com a tradição recém-casada de beber hidromel, feita a partir de mel fermentado, por um mês após os votos.) Infelizmente, nenhum estudo confiável prova sua eficácia afrodisíaca. E os pesquisadores alertam contra a tentativa de “mel louco”, um produto fabricado na Turquia que afirma ser um estimulante sexual. Feito de um tipo específico de néctar, contém toxinas que podem levar a complicações cardíacas.

Gingko

Vale a pena tentar? Talvez.

Ginkgo biloba é um extrato de uma espécie antiga de árvore usada na medicina tradicional chinesa como remédio para depressão, disfunção sexual e outras doenças, pois pode aumentar o fluxo sanguíneo. Mas a pesquisa por trás disso é inconclusiva e o ginkgo pode interagir com outros medicamentos como Xanax, antidepressivos, medicamentos para diabetes e até ibuprofeno. Conclusão: a Clínica Mayo recomenda cautela, porque, embora pareça seguro, tomar extrato de ginkgo também pode aumentar o risco de sangramento.

Inhame selvagem

Funciona? Não.

Em forma de pílula, o inhame selvagem tem sido usado para tratar problemas gastrointestinais. E o extrato é adicionado a cremes que pretendem aliviar os sintomas da menopausa e aumentar a excitação. Mas a revisão científica de 2015 afirma que nenhum estudo encontrou uma melhora sexual significativa para pessoas que usam produtos de inhame selvagem.

Como deve ser uma empresa sustentável? 7 maneiras de tornar seu negócio mais verde

Desenvolver um plano de sustentabilidade viável e eficaz é um dos desafios que, felizmente, está cada vez mais presente nos planos estratégicos das empresas. Nesse sentido, independentemente do setor em que a empresa atua (hoteleira, têxtil, alimentícia, industrial, etc.) as possibilidades de implantação de práticas mais sustentáveis ​​estão ao alcance de qualquer negócio. 

Abaixo analisamos algumas ideias que podem ser implementadas nas empresas para aumentar sua sustentabilidade e compromisso com o meio ambiente e também com a sociedade. Se você quer saber como pode potencializar a sustentabilidade do seu negócio , neste artigo você encontrará algumas propostas mais do que interessantes.

Veja também – sustentabilidade ambiental – Quais são os 3 pilares?

Ideias para sua empresa ser sustentável

Transformar seu negócio em uma empresa sustentável não deve ser uma estratégia que visa melhorar a imagem do seu negócio aos olhos dos usuários, mas sim um compromisso firme presente em seu modelo de negócio. E é que uma empresa sustentável é aquela que se compromete tanto com o meio ambiente quanto com a sociedade, com o objetivo de criar uma filosofia corporativa que busque alcançar tanto o bem-estar do planeta quanto da população. Ao mesmo tempo, esta filosofia tem de ser viável em termos económicos para que possa ter continuidade ao longo do tempo. 

As empresas sustentáveis ​​desenvolvem a sua atividade com o objetivo de que os seus produtos ou serviços sejam desenvolvidos gerando o menor impacto ambiental possível. Além disso, aplicam uma política social que torna os seus trabalhadores mais motivados, fomentando a criação de uma ligação estreita com o negócio. Mas a lucratividade não pode ficar de fora dessa equação, ou seja, todas essas ações também devem atender à condição de serem economicamente viáveis ​​para garantir o progresso e a continuidade da empresa no longo prazo. 

Em suma, uma empresa sustentável tem de ser capaz de criar valor ambiental, social e económico. Actualmente, este tipo de empresas visa garantir a sua sobrevivência num mercado em mudança, onde a adaptação dos negócios a estes novos padrões é cada vez mais valorizada tanto por clientes como por investidores. De fato, há cada vez mais fundos de investimento interessados ​​em investir em empresas sustentáveis.

Se você tem interesse em dar um toque de sustentabilidade à sua empresa ou negócio, pode começar colocando em prática as seguintes iniciativas: 

1. Controle o uso de papel

Como mencionamos em artigos anteriores, o desmatamento é um problema ambiental gravíssimo . Além de afetar a biodiversidade do planeta, a diminuição do volume de florestas e matas influencia diretamente na capacidade da atmosfera de absorver gases como o dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa. 

Por isso, é muito útil que você controle o consumo de papel em sua empresa. Para isso, procure evitar o uso deste recurso em todos os processos que o permitam. Por exemplo, evite imprimir documentos quando não for necessário, incentive a troca digital de arquivos entre funcionários, promova relatórios digitais, faça apresentações online e armazene na nuvem para seus clientes, use papel reciclado… Todas essas práticas estão dentro dos protocolos da desempenho das empresas verdes. 

2. Reduza o consumo de energia

Lançar planos de cultura de negócios onde o controle de energia seja uma prioridade. Desligar o equipamento quando não estiver em uso, ajustar a temperatura de aquecimento no inverno ou ar condicionado no verão, desligar a luz quando há luz suficiente pela manhã ou instalar lâmpadas eficientes são apenas alguns exemplos. 

No entanto, diante de todos esses hábitos, é fundamental ter em mente que a própria infraestrutura do local de trabalho também desempenha um papel crucial na redução do consumo de energia. Nesse sentido, é interessante saber que um correto isolamento das janelas e paredes do edifício ou sistemas de iluminação por sensores de movimento reduzirão significativamente o consumo de energia. 

3. Promove a Economia Circular

Este modelo económico baseado nos quatro “rs”: reduzir, reutilizar, reparar e reciclar, é uma técnica muito eficaz de aproveitamento de recursos, que devemos pôr em prática tanto profissionalmente como pessoalmente.

Apostando nos materiais biodegradáveis, dando uma segunda utilização aos produtos, reaproveitando e reparando os elementos que ainda são úteis, aproveitando os resíduos que não podem ser aproveitados para energia ou obtendo energia a partir de fontes renováveis, são apenas alguns dos princípios deste movimento.

4. Compromisso com a formação ambiental

Realiza treinamentos periódicos para que os funcionários conscientizem sobre a importância dos problemas ambientais. Dessa forma, seus funcionários estarão imbuídos da mesma cultura positiva de sustentabilidade que sua empresa defende. 

5. Priorize recursos de proximidade

Use recursos locais antes dos de empresas estrangeiras. Desta forma, reduzem-se as emissões de CO2 derivadas do transporte destas mercadorias até ao seu destino. 

Além disso, conhecer as vantagens competitivas de empresas localizadas em áreas próximas é muito útil na hora de fazer sinergias de negócios. Com esta prática, é possível conhecer de forma mais exaustiva e detalhada o funcionamento e os pontos fortes dos prestadores. Da mesma forma, podemos incentivar nossos fornecedores a desenvolver também uma estratégia de sustentabilidade do negócio. 

6. Implementar transporte sustentável

Promova o transporte sustentável de seus funcionários para o local de trabalho. A utilização da bicicleta, viaturas partilhadas entre colaboradores ou transportes públicos são algumas soluções que vão reduzir a emissão de gases nocivos para a atmosfera, a utilização de recursos energéticos e contribuirão para a melhoria da qualidade do ar que respiramos. 

Nesse sentido, algumas medidas que você pode tomar para incentivar esse transporte mais sustentável é instalar um bicicletário na entrada da empresa ou, nos casos de empresas mais afastadas do centro, que não pode ser acessado a pé; oferecem serviço de ônibus corporativo para evitar que cada funcionário utilize seu próprio veículo para chegar ao trabalho. 

Outra opção é implementar programas de teletrabalho que, além de serem altamente produtivos para trabalhadores e empresas, ajudam a reduzir o número de viagens diárias. 

7. Seja solidário

Além da implementação dessas ações próprias dentro de sua empresa, sempre que puder colaborar com outros projetos ou empresas com fins sociais, que também estejam comprometidos com o meio ambiente e o bem-estar da população.

E aqui termina nosso checklist com algumas das medidas que você pode incorporar na sua empresa para torná-la mais sustentável. Lembre-se que com essas ações, além de contribuir para a manutenção e conservação do meio ambiente, você também estará investindo no futuro da sua empresa.