Autor: Gbriel

Dicas úteis para escolher sapatos confortáveis

Os pés são a base do nosso corpo e suportam o nosso peso ao longo do dia. Portanto, o calçado, além de ser um dos nossos acessórios preferidos, é a chave para a saúde dos nossos pés, mas sabemos realmente como devem ser os nossos sapatos?

Em primeiro lugar, temos que saber que, sempre, sempre, devemos escolher um calçado confortável, pois, se escolhermos um calçado adequado para os nossos pés, evitaremos futuras doenças articulares e outras patologias podiátricas. Mas … nós sabemos o que você está pensando e você está muito enganado, calçado confortável não é sinônimo de calçado ortopédico ou feio. 

Atualmente, as tendências e a moda se adaptam aos nossos gostos e necessidades e conseguem aliar qualidade, conforto e estilo, com opções de calçados confortáveis ​​e bonitos. Mas, para que você não tenha problemas na hora de escolher o calçado, contamos tudo o que você precisa saber. Atenção!

Veja também – Os Melhores Nike Air Force – Tênis Confortável e acessível para você

Dicas para escolher sapatos confortáveis

1. Leve em consideração o uso que vai dar aos seus sapatos

Existem inúmeras opções de sapatos adequados para todos os tipos de atividades, por isso deverá levar em consideração quando, onde e para que usará os seus sapatos. Aqui estão alguns exemplos das atividades mais comuns para inspirá-lo em sua próxima escolha:

Calçado esportivo: cada atividade desportiva possui calçado próprio especializado. Por exemplo, se você pratica corrida, está interessado em comprar tênis especiais para corrida, ou se gosta mais de futebol ou tênis, terá que escolher designs adequados para esse esporte. Porém, em qualquer caso, devem apoiar o pé em sua totalidade e ter respirabilidade e sola adequadas.

Atividades ao ar livre: se você pratica atividades ao ar livre em climas quentes como a praia ou o mar, deverá escolher calçados leves com sola antiderrapante, como o calçado de caranguejo. Se, por outro lado, você precisa de calçados para atividades ao ar livre em climas mais frios, procure calçados com sola antiderrapante, de preferência botas grandes o suficiente para aquecer o pé.

Calçado para o dia a dia: se necessita de calçado para o seu dia-a-dia, a nossa recomendação é que escolha um calçado confortável, uma vez que o acompanhará ao longo do dia, mas seja formal. Sapatos bons e confortáveis ​​para ir ao escritório vão ficar bem com a sua roupa. Que tal alguns tênis de plataforma? Você irá até o fim!

Sapatos sociais: se você tiver um evento especial, provavelmente prestará mais atenção à estética do calçado e, embora tenhamos que admitir que é um aspecto muito importante, o conforto também é … Ou então, como vai você vai durar a noite toda dançando? Embora seja difícil de acreditar, existem linhas de calçado em que conforto e design andam de mãos dadas.

2. Materiais de qualidade

Os materiais externos do calçado não são tão importantes para o conforto dos nossos pés, embora nunca machuque … No entanto, materiais de qualidade na sola e no interior do calçado são essenciais para o nosso conforto, especialmente se tiver delicadeza pés.

Para isso, recomendamos que a sola do calçado seja preferencialmente de borracha, pois o calçado terá uma maior aderência ao solo. Quanto ao interior do calçado, se pretende que o seu pé seja confortável e evite suores e maus cheiros, o nosso conselho é que opte por materiais como o couro. 

Hoje, existem empresas que sabem combinar estes materiais de qualidade sem perder o gosto e a estética dos seus designs.

3. Faça um bom investimento!

Como diz o ditado, barato é caro, por isso o preço não deve ser regra na escolha do calçado. No longo prazo, será mais lucrativo para você ter investido um pouco mais de dinheiro, mas ter sapatos de qualidade e confortáveis ​​que duram mais.

4. Meça os seus pés e escolha o tamanho correto

Antes de mais nada, para experimentar alguns sapatos você deve saber quais são as medidas do seu pé, se são mais largos que o normal, qual o comprimento … Então você pode saber de que tipo do calçado é o que melhor se adapta aos seus pés.

Portanto, experimente:

  • Que o sapato não seja muito apertado.
  • Que não nos cabe, pois pode causar atritos e outros ferimentos.
  • Uma boa medida para verificar se o calçado é ideal para você é colocar um dedo entre o calcanhar e o calçado. Se possível, é perfeito!
  • Verifique se o dedão do pé não esfrega a ponta do sapato.

5. Experimente bem

Antes de comprar um calçado, experimente e certifique-se de que se adapta ao formato do seu pé. Qual é a melhor forma? Experimente-os sem pressa e caminhe alguns minutos com eles, assim você verá que eles ficam confortáveis ​​e não te machucam. 

Se falamos em sandálias de salto alto, certifique-se de que nenhuma costura ou tira está justa e que o salto não é excessivamente alto. Se, por exemplo, for um sapato fechado, certifique-se de que não machuca o peito do pé.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Beneficiário do Seguro de Vida: Tudo que você precisa saber!

Seguro de Vida, assim como qualquer outro produto do ramo, tem as suas particularidades e precisa ser conhecido a fundo. Essa é uma forma eficiente de não ter surpresas com relação a todas as coberturas e indenizações da apólice. Saber, prioritariamente, quem é o beneficiário do Seguro de Vida é uma das informações mais relevantes quando falamos deste produto.

Não perca tempo acesse o simulador de seguro de vida.

Abaixo, será possível identificar as dúvidas mais comuns que rondam o tema “beneficiário do Seguro de Vida”: quem ele é, se ele pode ser alterado, como saber se você é um beneficiário, a diferença entre beneficiário e herdeiro e muito mais!

O que é beneficiário do Seguro de Vida?

Normalmente, quando se fala em beneficiário de seguro, entende-se que essa pessoa é a própria que contratou o produto em questão. Por exemplo, em um Seguro de Carro, o beneficiário é a pessoa que receberá a indenização em caso de algum sinistro. O mesmo acontece para Seguro Viagem ou um Seguro Residencial. Mas, isso muda quando falamos de beneficiário do Seguro de Vida.

O beneficiário do Seguro de Vida só será a pessoa que contratou o produto quando os sinistros e as indenizações forem referentes a casos de invalidez, por exemplo, além de outras opções quando o segurado permanece vivo. No caso de falecimento, os beneficiários do Seguro de Vida passam a ser outras pessoas, que são indicadas pelo segurado no momento da contratação da apólice.

Quem é o beneficiário e quem é o segurado no Seguro de Vida?

No Seguro de Vida, o segurado é a pessoa que contratou o produto e as respectivas coberturas, ou seja, aquela cujo nome consta na apólice. É ela que será a responsável pelo pagamento, além de renovações e obrigações legais referentes ao seguro.

Já o beneficiário do Seguro de Vida é a pessoa (se houver o desejo, pode haver mais do que uma indicação para este posto) ou empresa indicada pelo segurado no momento da contratação. É ela quem receberá a indenização em caso de falecimento do segurado. Em quaisquer outros sinistros que não resultem em morte, o beneficiário ainda é a pessoa que contratou o seguro.

Talvez você possa gostar: Como Baixar DriverPack Solution Offline – Torrent

A escolha dos beneficiários do Seguro de Vida, em geral, fica entre pais, cônjuges, filhos ou parentes próximos. No entanto, é bom pontuar: para ser beneficiário não é necessário haver, necessariamente, vínculo de sangue entre as partes. 

No momento da contratação do Seguro de Vida, o segurado tem liberdade para indicar quem ele desejar, sejam familiares, amigos, colegas ou até mesmo empresas. Não há um limite de beneficiários, mas lembre-se: quanto mais pessoas estiverem indicadas, menor será o valor recebido por cada uma.

O beneficiário do Seguro de Vida pode mudar?

Sim, a mudança dos beneficiários pode ocorrer a qualquer momento. Para isso, basta que o segurado contate a seguradora e informe quem serão os novos indicados para receber a indenização em caso de falecimento.

As seguradoras indicam que, periodicamente, haja uma revisão dos beneficiários do Seguro de Vida.

Como saber se sou beneficiário de Seguro de Vida?

Para que não haja dúvidas com relação ao Seguro de Vida e exista facilidade no momento da solicitação da indenização, é essencial que o segurado mantenha todos informados sobre as suas decisões. 

Além disso, os documentos, como apólice e certificado do seguro, devem ser compartilhados ou, pelo menos, indicados onde estarão. Isso auxilia as pessoas próximas, pois neles estão contidas informações relevantes, como as datas de vigência, valores das coberturas e, é claro, a indicação dos beneficiários.

No entanto, caso isso não ocorra e mantenha-se a dúvida sobre quem são os beneficiários, existem outras formas de consultar essa informação. Você pode seguir alguma das etapas abaixo.

  • Solicitar informações ao corretor da família ou corretora que realizou a contratação;
  • Entrar em contato com a Central de Atendimento da seguradora e pedir informações sobre a apólice.

Entrar em contato com a seguradora ou o corretor é a forma mais segura de garantir quem são os beneficiários. Assim, será possível saber se há uma proteção vigente e se o segurado apontou algum beneficiário para receber a indenização do Seguro de Vida.  

Seja lá qual for o caso e se houver, de fato, o direito do recebimento, a seguradora irá indicar quais documentos devem ser apresentados para dar entrada na solicitação do seguro. Como existem variações de acordo com cada seguradora e cobertura, não é possível fazer uma lista detalhada. Mas, em geral, serão pedidos CPF, algum documento oficial com foto, documentos do falecido e certidão de óbito.

Quais são as consequências da falta de indicação de beneficiário?

Ao não indicar uma pessoa para este posto, o segurado abre um precedente para que a indenização seja paga de acordo com as leis de recebimento de herança e bens deixados. E é isso que está no artigo 792 do Código Civil.

O que diz o Artigo 792 do Código Civil? 

Artigo 792 do Código Civil informa que “na falta de indicação da pessoa ou beneficiário, ou se por qualquer motivo não prevalecer a que for feita, o capital segurado será pago por metade ao cônjuge não separado judicialmente, e o restante aos herdeiros do segurado, obedecida a ordem da vocação hereditária.”. Ou seja, se você faz questão que determinada pessoa, que não necessariamente sejam seus herdeiros legais, receba este valor, é importante informar no momento da contratação.

Caso não haja cônjuges ou herdeiros, serão considerados os beneficiários as pessoas que, dentro de seis meses, reclamarem o direito à indenização, comprovando que o falecimento os privou de meios para subsistência.

O que ocorre se o beneficiário de Seguro de Vida falecer antes do segurado? 

Se o beneficiário falecer antes do segurado, é muito importante ocorrer a atualização da informação na apólice, inserindo o nome de uma pessoa que esteja viva. Como informado acima, é fundamental que, periodicamente, haja uma revisão dos beneficiários do Seguro de Vida.

Se por algum acaso o segurado esqueceu de atualizar o beneficiário do Seguro de Vida, passa a valer o Artigo 792 do Código Civil, que determina que a indenização será paga metade ao cônjuge não separado judicialmente e a outra metade aos herdeiros do segurado de acordo com a sucessão hereditária.

Qual a diferença entre beneficiário e herdeiro? 

Quando falamos em beneficiário, é importante salientar que não existe a necessidade de vínculo sanguíneo com o segurado. Na apólice do Seguro de Vida, o beneficiário pode ser qualquer pessoa que o segurado deseje: colega de trabalho, amigo próximo, namorado etc.

Agora, no que se refere aos herdeiros, eles são, de acordo com a Lei, os descendentes (que podem ser filhos, netos etc.), os ascendentes (que podem ser pais, avós etc.), além do cônjuge. Por exemplo: no momento de fazer um testamento, a pessoa tem, por obrigação jurídica, deixar 50% dos bens aos herdeiros, conforme disposto no artigo 1.789 do Código Civil. A outra metade pode ser destinada da forma que a pessoa desejar.

Se considera uma pessoa curiosa? Então conheça as 7 maravilhas naturais do mundo.

Quem são os herdeiros legais no Seguro de Vida?

Como o Seguro de Vida não é considerado herança, não existem herdeiros legais no Seguro de Vida, apenas beneficiários – que são indicados pelo segurado. Só valerá a indicação de herdeiros legais para o recebimento da indenização quando não é informado nenhum beneficiário no Seguro de Vida.

Contrate um Seguro de Vida com a Minuto Seguros

Após saber todos os detalhes sobre o assunto, aproveite e faça a contratação de um Seguro de Vida. É a proteção ideal para quem se preocupa com a qualidade de vida e se importa com o futuro da família. Se ainda não está convencido.

Entre em contato com a Minuto Seguros para cotar o seu Seguro de Vida. Nós somos a maior corretora de seguros online do país e contamos com as melhores seguradoras do mercado ao nosso lado. Nosso time é formado por especialistas em seguros que vão lhe atender e dar todo suporte para que você tenha o melhor Seguro de Vida contratado.

Quem são os herdeiros legais no seguro de vida?

Mesmo sendo um assunto delicado, o falecimento precisa ser discutido a fim de garantir que sua família ou as pessoas que dependem de você, estejam amparadas na sua falta.

Por isso, muitas pessoas decidem pagar um seguro de vida que, nada mais é que um contrato que possui a finalidade de garantir uma indenização aos beneficiários.

Mesmo não sendo muito popular no Brasil, o seguro deve fazer parte do planejamento financeiro familiar, porém, muitas pessoas têm dúvidas sobre esse assunto ou até mesmo desconhecem quem são os beneficiários legais e como funciona o pagamento do seguro.
Por isso, separamos as principais informações que você precisa saber para analisar se seguro de vida é vantajoso.

Mas antes, é importante deixar claro que esse contrato não deve ser confundido com a herança mesmo que ambos sejam liberados após a morte do.

 Leia: quem são os herdeiros legais no seguro de vida

O que é seguro de vida?

Se trata de um contrato feito com uma seguradora e, assim como falamos acima, é a garantia aos familiares ou qualquer pessoa que esteja registrada no seguro.

Desta forma, cada contrato possui suas cláusulas que ficaram acertadas entre segurado e a empresa responsável, sendo assim, o contratante faz o pagamento do “prêmio” para à empresa que, por sua vez, fica responsável por entregar o pagamento do capital contratado ao beneficiário.

Por isso, é necessário que, antes de obter o serviço, analise bem todas as taxas que serão cobradas para verificar a cobertura que melhor atenda às suas necessidades, uma vez que, as coberturas garantem não apenas o recurso em caso de falecimento, mas também em situações de invalidez (seja funcional ou laborativa, total ou parcial por acidente ou por doença); além de possíveis despesas médicas, hospitalares e odontológicas (DMHO); diárias por Internação Hospitalar (DIH); auxílio ou assistência-funeral (SAF) e doenças consideradas graves como câncer e AVC.gurado.

Sendo assim, o seguro de vida não é partilhado junto com os demais bens e permanece resguardado apenas àqueles que possuem direitos.

Então, continue acompanhando esse artigo para saber quem são os beneficiários.
A partir disso, é preciso apresentar à empresa toda a documentação necessária juntamente com um documento chamado aviso de sinistro.

Após cumpridos os requisitos, é feita a liberação do valor que pode acontecer em até 30 dias.

Talvez você possa gostar: Cachoeira da Amorosa – Conceição de Macabu.

Você sabe da importância das redes de proteção?

Não é incomum vermos notícias nos jornais de crianças que acabaram se acidentando e até perdendo a vida por quedas de janelas e sacadas/varandas dos apartamentos ou casas altas nas quais moravam, isso mostra a importância das redes de proteção em sp.

Em um segundo que seja de distração, o pior pode acontecer e as consequências estão longe de serem agradáveis.

No último ano, cerca de 612 crianças menores de 14 anos foram internadas por quedas de janelas de prédio, conforme dados do Ministério da Saúde. E isso considerando apenas os atendimentos realizados no SUS (Sistema Único de Saúde). Ou seja, esse número pode ser bem maior, se incluir os atendimentos em hospitais particulares.

Por essa razão, muitos especialistas em segurança falam da necessidade e da importância das redes de proteção para evitar que as crianças sofram quedas, especialmente em prédios. O uso dessas redes ajuda a impedir que os pequenos ultrapassem o limite das janelas ou subam no parapeito das sacadas/varandas.

Qual a importância das redes de proteção?

Só quem tem filhos pequenos e mora em apartamento ou casa alta, sabe que o menor dos descuidos pode se transformar em sérios problemas, uma vez que espaços abertos oferecem risco de queda.

Se para os adultos, os riscos de acidentes por estar perto de janelas e sacadas já são grandes, imagina para as crianças. Não é mesmo?! Estes que geralmente são imprevisíveis e muito agitados, principalmente quando estão brincando.

A importância das redes de proteção está exatamente em sua funcionalidade, que é resguardar e proteger as crianças, para que não sofram quedas e se machuquem. Ao revestir as janelas e outros espaços abertos do apartamento/casa, indiferente do cômodo (é aconselhável que seja instala em todos), a segurança da sua família é garantida e você fica mais tranquilo quando estiver ausente.

As redes de proteção proporcionam técnicas modernas de proteção, utilizando materiais de primeira qualidade, e assim diminuindo a periculosidade do ambiente para as crianças. Em geral, são fabricadas de monofilamentos de polietileno ou poliamida (Nylons) torcidos, ambos com filamentos de alta densidade.

Tratamentos contra os raios ultravioletas e outras ações do clima, evitando o envelhecimento precoce do fio. A instalação é realizada com ganchos de aço zincados ou inox para buchas nº 8, e o espaçamento máximo entre os ganchos de fixação deve ser sempre em torno de 30 cm cada.

É preciso entender qual a importância da instalação das redes

Após o caso de uma menina de um ano brincando do lado de fora do parapeito da janela, repercutir na internet, muitos pais abriram os olhos para a importância das redes de proteção. A menina somente não caiu, porque a janela em questão possuía rede de proteção instalada, porém, a situação poderia ser outro caso não tivesse.

Pensando em alertar a população para a necessidade de fazer a segurança dos apartamentos e evitar acidentes, o programa Fantástico, da emissora Globo, fez uma reportagem falando sobre a importância das redes de proteção e a sua instalação.

Através de testes de qualidade, realizados no laboratório de uma empresa fabricantes de redes, a reportagem mostra quais os pontos de segurança que precisam ser levados em consideração na hora de escolher uma rede de proteção.

E também citou algumas recomendações que os moradores devem observar para que a rede cumpra rigorosamente a sua função de manter a segurança dos ambientes.

Quais os testes foram feitos?

Os testes realizados foram: resistência e projeção de peso.

  • Resistência: conforme prevê a norma que regem a fabricação das redes de proteção, ao ser esticada, cada malha deve suportar 50kg. E após o período de uso, pelo menos 32kg.
    Ou seja, se a rede suportar abaixo desses valores, não é de boa qualidade.
  • Projeção de peso: a projeção do peso equivale a resistência da malha. Assim como também prevê a norma, se a rede suporta 50kg, deve sustentar a projeção de uma pessoa de aproximadamente 80kg em uma velocidade de até 8km/h.

Em resumo, a rede de proteção deve atender esses dois pontos para garantir a segurança e
assim evitar os riscos de queda.

Recomendações de segurança

Veja abaixo as recomendações dadas pelo especialista em redes de proteção, para manter os ambientes seguros e as redes sempre funcionais.

  • Ganchos abertos: é preciso verificar sempre se os ganchos estão bem presos e fechados, não possibilitando a abertura lateral da rede;
  • Substituição: os fabricantes recomendam a substituição da rede de proteção a cada 5
    anos;
  • Verificar resistência: é aconselhável fazer um teste de resistência na rede, puxando as
    malhas, para ter certeza de que elas estão fortes e não irão romper. Caso rasgue, é hora de
    trocar;
  • O espaço entre os ganchos: observe se o espaçamento entre os ganchos não está grande demais. O ideal é que distância seja de até 35cm. Maior do que isso e há a possibilidade de uma criança passar pela abertura;
  • O espaço das malhas: a malha da rede de proteção deve ser de, no máximo, 5cm.